Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Tendências

8 técnicas de paisagismo que todo arquiteto deveria conhecer

14/12/2018

Projetos que integram o paisagismo são cada vez mais valorizados e se tornam um diferencial para os profissionais da área. Apresentamos algumas técnicas para aplicar esta modalidade da arquitetura em jardins externos e ambientes fechados.

Com o desenvolvimento das cidades, passamos cada vez mais tempo sem contato com a natureza. Assim, não é comum que os projetos de arquitetura incluam espaços verdes ou que plantas sejam usadas para decoração dentro dos apartamentos. Porém, é comprovado que a presença de plantas em casa melhora a qualidade do ar, aumenta a umidade e melhora até a concentração — sem falar que a jardinagem e paisagismo podem ser hobbies muito relaxantes.

Com todos esses benefícios, projetos de arquitetura que integram o paisagismo são cada vez mais valorizados e se tornam um diferencial para os profissionais da área. Por isso, trouxemos 8 técnicas de paisagismo que você precisa conhecer e aplicar nos seus projetos desde já!

Jardins externos

1. Conhecer a terra

Quando seu projeto envolve um jardim ou mesmo plantas em vasinhos dentro de casa, o primeiro passo para pensar o que pode ser feito é conhecer o lugar. É importante saber o tipo de terra do jardim, a frequência de chuvas, a incidência de luz solar na casa e a umidade dos ambientes.

Assim, é mais fácil saber que tipo de planta vai se adaptar melhor ali. Sem essas informações, seu jardim não será saudável, pode dar muita mão de obra e acabar morrendo, mesmo com todos os cuidados. Vasos dentro de casa também não sobrevivem por muito tempo se estiverem no lugar errado, sendo que, às vezes, só a mudança de cômodo — e, consequentemente, de condições climáticas — já melhora a saúde da planta.

paisagismo

O cuidado no preparo da terra é fundamental

2. Plantar em vasos

O uso de vasos é uma opção interessante para quem vai cultivar dentro ou fora de casa. A vantagem deles é a mobilidade para trocar de lugar ou levar embora em uma mudança. Além disso, os vasos podem ter várias texturas e podem ser feitos de diferentes materiais.

Os mais tradicionais são de cerâmica, mas é interessante também optar por materiais metálicos ou reaproveitar peças de madeira como pallets — assim, eles também podem fazer parte da decoração e combinar com o restante da mobília no ambiente.

3. Apostar em bancos e mesas nos jardins

Ter um jardim em casa é um privilégio que deve ser aproveitado ao máximo. Dispor bancos e mesas aqui faz a família aproveitar o ambiente de forma mais completa. Dessa forma, o jardim se transforma em um espaço incrível para fazer refeições mais demoradas reunindo várias pessoas ou em um lugar tranquilo e fresco para ler e relaxar. Com os móveis certos, este pode virar um ambiente muito mais útil do que decorativo.

Só tenha atenção para o material em que a mobília foi produzida. Mesas e bancos externos precisam ser feitos de materiais que resistam ao sol e à chuva. Madeira ou ferro são bons exemplos que vão bem com o aspecto bucólico do jardim.

4. Fazer caminhos

Ainda seguindo a ideia de integrar os moradores e o jardim, é importante ter um caminho para que todos possam aproveitar o lugar sem pisotear as plantas que foram colocadas ali. Os caminhos ondulados são mais longos para uma caminhada e criam um visual bem bonito expondo todas as espécies cultivadas.

Os caminhos podem ser feitos de pedras soltas ou de cimento contínuo. O importante é que ele seja acessível e que as plantas com espinhos ou folhas pontiagudas não fiquem por perto para machucar quem passa. Imagine que a família vai usar o jardim mas também vai receber visitas que não conhecem bem o lugar e podem acabar se machucando.

5. Ter atenção com os pisos

Não se pode esquecer também que os pisos precisam ser pensados com cuidado. Eles ficam expostos às intempéries do clima e podem acabar cedendo, por isso, é importante investir em revestimentos de qualidade para evitar esses problemas. Os caminhos e algumas partes do jardim podem ser feitas de madeira, pedras ou outros tipos de pisos.

É recomendável que o chão embaixo das cadeiras e mesas tenha um revestimento porque é uma área de grande circulação e é inevitável transformar a grama em barro em poucos meses. O piso evita essa formação e mantém o lugar com um aspecto mais limpo, conservado e mais fácil de limpar.

paisagismo

Um mix de grama e pedrinhas dá charme ao seu jardim

Paisagismo em ambientes fechados

6. Usar plantas dentro de casa

Casas que não possuem área externa também podem abrigar plantinhas. É fácil determinar as espécies que podem ser cultivadas em pequenos vasinhos dentro de casa, sempre com a preocupação de conhecer as condições climáticas com antecedência.

A arquiteta catarinense Silvia Monteiro, reforça que é possível criar um jardim dentro do apartamento, por exemplo. Basta tomar alguns cuidados para a escolha de mudas ideais para cada ambiente. “Essa ajuda conseguimos por meio dos profissionais em casas especializadas”, pontua.

Uma orientação importante é avaliar se o local terá luz direta do sol, se pegará água da chuva – no caso de sacadas, por exemplo -, ou se terá irrigação manual / monitorada. A partir dessas informações é só seguir com a escolha da espécie.

Silvia lembra ainda, que outras plantas podem compor uma pequena horta de temperos frescos — essa é a chance de saber exatamente a procedência dos seus ingredientes. A única preocupação, segunda a arquiteta e paisagista, é que os vasos peguem sol pelo menos 4 horas por dia.

Também podem ser espécies decorativas como flores ou suculentas. Estas últimas precisam de poucos cuidados e são ótimas para pessoas sem tempo ou experiência com jardinagem. Para ambientes fechados, palmeiras são ótimas opções, já que não precisam de muita luz solar e vivem com pouca água.

7. Fazer jardins verticais

Em apartamentos pequenos, a criatividade tem que ser explorada ao máximo para utilizar todos os espaços. Uma saída prática para trazer as plantas para dentro de casa é fazer um jardim vertical. Ele ocupa um espaço provavelmente abandonado, embeleza a casa e pode ser usado para plantar uma hortinha, chás, flores cheirosas ou pequenas suculentas.

O jardim vertical serve como decoração ou como uma peça útil para a cozinha. Além disso, ele pode ficar em varandas que tenham alguma incidência de sol. “Os jardins verticais são uma ótima escolha para trazer bem estar e conforto ligados com a natureza, mesmo em ambientes pequenos podemos criar uma parede verde sem atrapalhar a ergonomia do local”, reforça Silvia Monteiro.

Jardim vertical no projeto da arquiteta Silvia Monteiro

8. Ter paciência

Para ter um jardim, é importante ter paciência. As plantas demoram a crescer e a ficar do jeito desejado, além de precisarem de cuidados todos os dias. Mesmo as espécies que demandam menos atenção têm que ser regadas de tempos em tempos. O ideal é que a jardinagem seja um trabalho prazeroso e não mais uma obrigação.

paisagismo

Água é um dos cuidados fundamentais para manter suas plantas sempre belas

Para ter um jardim, é importante ter paciência. As plantas demoram a crescer e a ficar do jeito desejado, além de precisarem de cuidados todos os dias. Mesmo as espécies que demandam menos atenção têm que ser regadas de tempos em tempos. O ideal é que a jardinagem seja um trabalho prazeroso e não mais uma obrigação.

Os benefícios de ter tanto verde em casa são infinitos, seja para criar um lugar gostoso de convivência ou para fornecer temperos frescos. Então, todo o cuidado que ele demanda vale muito a pena para quem for utilizar o espaço.

A arquiteta que é parceira da Portobello Shop Florianópolis dá uma última dica. Para Silvia, a casa de praia também pode ficar bonita com a integração da natureza. Algumas alternativas para cultivar são as palmeiras imperiais e os coqueiros, que se adaptam facilmente também com o solo bastante arenoso.

“Como nossa cidade é litorânea devemos ter cuidado com a escolha das espécies sujeitas à maresia, e lembrar que temos um clima tropical, com altas temperaturas e chuvas frequentes no verão. Existem plantas específicas que se adaptam muito bem nesse tipo de situação, como por exemplo, os hibiscos, alpineas e ixoreas finaliza.

E aí? Já começou a incluir técnicas de paisagismo em seus projetos de arquitetura? Conta pra gente nos comentários.

cadastre-se no Archtrends

8 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *