Menu
Projetos e Obras
Busca
teto roxo lilás

A nova Ohtake surge no local onde funcionou por quatro décadas o escritório de arquitetura Ruy Ohtake

Conteúdo Colunistas

Ohtake, um novo capítulo

06/04/2022

Um novo estúdio surge da junção dos escritórios de Ruy e Rodrigo Ohtake, com direito a exposição de mobiliário em espaço horizontal e integrado, reflexo dessa fase mais colaborativa.

Uma nova fase, um novo layout. Essa semana, o estúdio de criação Ohtake abre suas portas em São Paulo, no local onde por mais de 40 anos funcionou o escritório de arquitetura de Ruy Ohtake. À frente da empreitada está Rodrigo Ohtake, arquiteto e designer. Além do desenvolvimento de projetos, a Ohtake é um showroom de design, exibindo peças de mobiliário assinadas pelo pai e pelo filho.

Todas as paredes foram derrubadas, dando lugar a um espaço integrado e fluido

Não fosse a vista inconfundível para o arborizado bairro de Pinheiros, o espaço estaria praticamente irreconhecível. Para atender às novas necessidades do estúdio, Rodrigo derrubou todas as paredes, que compartimentavam o escritório de modelo tradicional. “Antes tinha a sala da equipe de arquitetura, sala do Ruy, sala de reunião, sala do financeiro, sala do RH, recepção. A Ohtake é mais horizontal, mais aberta, mais contemporânea. A integração reflete isso”, explica Rodrigo.

As namoradeiras assinadas por Rodrigo (vermelha) e Ruy (verde)

Entre o mobiliário exposto, estão as banquetas Onda, a poltrona Triângulo e as mesinhas para o Unique Garden de Ruy e as poltronas Cuba, Ductal e Vitis de Rodrigo. Na expografia, o designer procurou explorar os diálogos entre as peças. Por exemplo, estão lado a lado as namoradeiras criadas pelo pai e pelo filho. Ainda, há relações entre o design e a arquitetura de Ruy, representada por maquetes. A mesma namoradeira traz formas semelhantes ao Pavilhão de Osaka, revelando um pouco do pensamento criativo de Ruy, grande influência para Rodrigo.

As mesinhas coloridas que Ruy desenhou para o Unique Garden se destacam no piso Dansk Cement Graphite, da Portobello

Para criar uma base neutra e escura para o mobiliário se destacar, Rodrigo escolheu o piso Dansk Cement Graphite, da Portobello. O teto, que antes era preto, na reforma ganhou um tom de roxo típico da paleta da arquitetura e do design dos Ohtakes. A iluminação foi desenhada por Rodrigo, com as curvas à mão livre que se tornaram a marca de Ruy. 

A iluminação no teto roxo foi desenhada à mão livre por Rodrigo Ohtake

Essa liberdade do desenho é, na opinião de Rodrigo, o maior legado deixado por seu pai para a arquitetura, herdado, por sua vez, da artista Tomie Ohtake. “Minha avó pintava sempre de uma maneira muito intuitiva e ligada à liberdade. Entendendo que a intuição é um sentimento profundamente individual, em que você pode exercer a sua capacidade ao máximo. Ver o Ruy trabalhando era uma coisa artística, visceral. Ele produziu uma arquitetura livre, autoral e brasileira”, avalia Rodrigo. 

Além de poltronas e bancos, o showroom conta com tapetes desenhados por Rodrigo Ohtake

A nova Ohtake segue com esse preceito. A fusão entre os escritórios Ruy Ohtake Arquitetura e Urbanismo e Rodrigo Ohtake Arquitetura e Design era um desejo de Ruy para o futuro, que, infelizmente, acabou sendo adiantado pelo falecimento do arquiteto em novembro de 2021. “É a continuidade de um escritório com 60 anos de história, que agora ganha uma nova página”, reforça Rodrigo. 

Ao fundo, a mesa de trabalho da equipe da Ohtake e a estante com a junção das bibliotecas de Ruy e Rodrigo Ohtake. Atrás dela, está armazenado o acervo Ruy Ohtake

Permanecer no mesmo endereço demonstra essa continuidade e tem também um aspecto sentimental. Apesar do projeto do edifício não ser de Ruy, ele tinha grande apego ao local. Rodrigo conta que seu pai ia ao escritório 363 dias por ano, com exceção de 1º de janeiro e 25 de dezembro, quando o condomínio não abria. “Todos os dias ele vinha. Nem que viesse só para buscar um material e ficar meia hora. Principalmente nos sábados e domingos, que eram dias mais tranquilos, ele adorava ficar aqui”, relembra.

Rodrigo e Ruy Ohtake (Foto: Deco Cury)

O acervo Ruy Ohtake continua nesse espaço. Também a biblioteca de Ruy que, somada à de Rodrigo, ocupa toda a largura do estúdio. Na grande mesa fica a equipe da Ohtake, em sistema de trabalho híbrido. E o showroom com as peças pode ser visitado com hora marcada. Rodrigo prevê que a exposição deverá mudar duas ou três vezes por ano, podendo receber também lançamentos de novas coleções.

Quatro meses sem Ruy

Na semana anterior à inauguração da Ohtake, aconteceu um encontro em homenagem à Ruy, no Instituto Tomie Ohtake. Sete profissionais que interagiram e estudaram a obra de Ruy compartilharam lembranças emocionantes. O arquiteto Abílio Guerra relembrou como Ruy era abordado e celebrado por pessoas de todas as camadas sociais. “Dava autógrafos no hotel Unique Garden e também em Heliópolis”, contou.

Na ocasião, também foi lançado um novo livro: Ruy Ohtake, arquiteto, com organização de Abílio Guerra e Silvana Romano Santos, textos de Ruth Verde Zein, Luís Antônio Jorge e José Tabacow e ensaios fotográficos de Nelson Kon, Tatewaki Nio e Antonio Saggese. Ruy acompanhou o desenvolvimento do livro, mas infelizmente faleceu antes de sua publicação. Marcy Junqueira, cunhada de Ruy, contou que leu trechos para o arquiteto quando ele já estava com a saúde debilitada: “A oração dele era a arquitetura”.

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *