Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Matérias

Grandes formatos: o uso do porcelanato de uma forma diferente

04/07/2018

Se você presta atenção às tendências de revestimento, já deve saber que os porcelanatos em grandes formatos estão em alta há algum tempo, certo? Neste post, contamos tudo sobre as vantagens de utilizá-los, quais são as melhores técnicas de assentamento e quais as linhas mais recentes da Portobello em maxiformatos!

Sabe quando você tem uma ideia brilhante para um projeto, mas acha que ela ficaria melhor ainda se existisse outro tipo de material para utilizar na obra? Foi o que aconteceu com a arquiteta Aline Lopes em 2013. Ela estava projetando o apartamento de um casal e buscava um toque de sofisticação com os clientes.

Por isso, escolheu uma grande peça de mármore travertino para uma das paredes da sala de estar, onde fica o home theater.

Para dar continuidade à estética no piso, preferiu peças acetinadas da Linha Travertino Navona. Era uma época em que os formatos maiores de porcelanato começavam a despontar no mercado brasileiro, e ela utilizou uma das grandes dimensões disponíveis até então: 60×120.

Mas a arquiteta não tem dúvidas de que, se em 2013 já existissem peças maiores, ela teria preferido porcelanato marmorizado ao próprio mármore. Ele traz a mesma elegância da textura, mas com funcionalidade e custo-benefício ainda mais acentuados.

Hoje em dia, Aline poderia contar com porcelanatos surpreendentes em grandes formatos, inclusive na Linha Travertino Navona. As peças já atingem tamanhos variados, como 30×180, 90×90, 20×120, 20×180, 60×120, 60×180, 80×160, 120×120, 120×240, 120×250 e 300×100.

Neste artigo, você vai conhecer outras linhas de maxiformatos de porcelanato, descobrir detalhes sobre o assentamento e conferir exemplos inspiradores de projetos que já utilizam essas peças maiores. Veja mais!

Por que as peças de grandes formato são uma tendência?

Os porcelanatos em grandes formatos ampliam os limites da arquitetura e abrem espaço para aplicações uniformes e elegantes em paredes, pisos e bancadas.

Se você acompanha os eventos de arquitetura e design pelo mundo, deve ter percebido que os maxiformatos levantam burburinho há tempos.

Na Itália, como arquitetos e engenheiros dividiram conosco, eles são utilizados há bastante tempo. Aqui no Brasil, eles também estão ganhando força ano após ano — as edições da Expo Revestir de 2014 e de 2015 já haviam destacado peças cada vez maiores, que atingiram um novo ápice na edição de 2018 da feira.

Eles são uma tendência tão forte porque vão ao encontro da verdadeira natureza do porcelanato: a união entre a beleza de materiais como madeira, mármore e pedras e a funcionalidade de peças feitas para facilitar a aplicação e a manutenção. Com os grandes formatos, o desenho das peças fica mais evidente e é possível diminuir as junções entre elas.

Cortes em grandes formatos

A arquiteta Aline Lopes concorda que os grandes formatos de porcelanato são uma escolha interessante: “Eles têm menos junções, então você fica com uma superfície mais uniforme. Isso é ótimo, é como se você estivesse utilizando uma pedra natural, por exemplo, como o mármore”.

Os maxiformatos de porcelanato potencializam a estética do material de duas formas: primeiro, eles permitem desenhos mais contínuos da reprodução de mármore, madeira etc. A diminuição de emendas entre as peças também contribui para a beleza do resultado final.

É o que também acredita a arquiteta Ana Luiza Tomasi, que aplicou uma peça de 300×100 em uma bancada: “As peças grandes são vantajosas porque diminuem a presença de emendas.

São perfeitas para bancadas, cozinhas e revestimentos de parede, em que as emendas fazem bastante diferença em termos estéticos”.

Aplicações variadas

Como você vai ver no último tópico deste texto, os arquitetos utilizam essas peças em vários ambientes, além dos espaços citados pela Ana Luiza.

“Quanto maior o ambiente, melhor para os grandes formatos. São interessantes em grandes salas, terraços, dormitórios e áreas comerciais”, acredita Aline Lopes. Ela dá uma dica de paginação: posicione as peças inteiras preferencialmente em corredores de circulação, relegando as junções para baixo do mobiliário ou cortinas, por exemplo.

Mas eles não são utilizados apenas em locais amplos. Em outro post do Archtrends Portobello, apresentamos um projeto assinado pelo arquiteto Fabiano Prates Ravaglia, fundador do FPR Studio, no Rio de Janeiro. Ele utilizou peças de grande formato em um apartamento de 55m², estendendo consideravelmente o espaço visual da obra.

Também há quem aposte nos formatos maiores para integrar ambientes. “Arquiteto gosta é de grandes formatos com diferentes texturas para conseguir utilizar o mesmo revestimento em vários lugares.

Eu posso, por exemplo, aplicar o mesmo piso em diversas áreas da casa trabalhando com diferentes texturas”, explica a arquiteta Ana Paula Fuganti, da Fuganti Grecco Arquitetura, mais uma fã das peças extensas.

Quais são as técnicas de instalação

assentamento de porcelanato em grandes formatos não é tão diferente do utilizado em peças menores, mas convém ter alguns cuidados especiais com esse tipo de material. Como em todo assentamento, o ideal é garantir o cuidado e a expertise técnica, evitando a força bruta.

A arquiteta Ana Paula Fuganti ressalta que é importante contar com mão de obra qualificada, que tenha cuidado no descarregamento das peças e atenção aos detalhes. Mas não é nada muito complicado.

A Portobello até fez um vídeo sobre o assunto, em que convidou uma dupla de assentadores experientes e uma dupla de pessoas leigas para assentar uma peça de 120×120. A dupla leiga acabou fazendo um assentamento melhor na nossa brincadeira, pois os assentadores apostaram em mais força, enquanto o essencial para assentar bem é o cuidado.

Primeiro, atenção aos materiais. Para pisos, o ideal é a argamassa tipo colante ou Dual Mix (como Portokoll Argamassa Especial Fluída Camada Única ou Portobello Argamassa Colante Superior Branca — Dual Mix). No caso do assentamento em paredes, a colante fluida não é recomendada — utilize-a na consistência padrão.

Para aplicação em marcenaria, é possível usar silicone, como a arquiteta Ana Luiza Tomasi fez com uma peça de 100×300 colocada sobre uma bancada.

Não utilize martelo ou similares para bater a peça. Prefira a pressão empregada por uma desempenadeira, de forma a distribuir a força por uma área maior da peça.

Agora, veja os seis principais passos do assentamento de grandes formatos:

  1. Faça uma dupla camada de argamassa com cordões retos e paralelos na área de aplicação e na própria peça.
  2. Coloque a peça sobre a argamassa. As placas têm uma seta desenhada no verso — fique atento para posicionar todas elas no mesmo sentido.
  3. Com cuidado, arraste a placa 5cm nos dois sentidos contrários aos cordões de argamassa.
  4. Nivele o assentamento com nivelador Portobello a cada 30cm.
  5. Faça o rejuntamento e a limpeza final utilizando Portokoll Limpador Multipisos.
  6. Proteja as peças assentadas com Protetor de Pisos Portobello durante o restante da obra.

O grande formato merece alguns cuidados. A arquiteta Ana Paula Fuganti ressalta, por exemplo, que o contrapiso precisa ser feito muito bem em áreas sujeitas a molhar, porque garantir o escoamento de água em peças maiores é uma tarefa mais delicada em comparação aos formatos reduzidos.

Ela também observa que o descarregamento e o assentamento precisam ser feito por duas pessoas, devido ao tamanho do material.

Outro ponto importante é observar o espaço de manobra para o assentamento. Se ele for pequeno demais, pode dificultar ou inviabilizar os grandes formatos.

Para evitar surpresas de última hora, cheque todas as condições do local — as peças vão caber no elevador do prédio, por exemplo?

Ana Luiza Tomasi compartilha sua experiência com essa questão: “O único desafio em relação à peça de 100×300 foi o deslocamento, devido ao tamanho dela. Tivemos a sorte de o empreendimento ter elevadores grandes. Com muito jeitinho e paciência, conseguimos carregá-la até o local de instalação”.

Quais são as linhas de porcelanato em grandes formatos

Os grandes formatos ganharam mesmo o gosto dos arquitetos, e estão disponíveis em linhas que reproduzem diversas superfícies. A Portobello já trabalha com formatos maiores há alguns anos, mas a coleção de 2018 expandiu as alternativas e trouxe mais tamanhos e estilos.

Separamos algumas novas opções inspiradoras para você!

Porcelanato que reproduz pedras naturais

Inspirada no terrazzo veneziano, a Linha Pietra Lombarda traz três diferentes tons aplicados em peças de 120×120. Essa linha incorpora duas tendências muito fortes do design: as grandes placas e a estética do terrazzo.

O terrazzo veneziano, que no Brasil também é conhecido como marmorite ou granilite, é uma superfície de origem milenar, utilizada desde a Grécia e Roma Antigas, mas consagrada realmente na Veneza do século XV, quando foi aplicado em diversos palazzi italianos.

Em geral, o terrazzo refere-se a uma técnica manual de sedimentação de agregados rochosos em pasta de cimento ou cal. Mas a Pietra Lombarda inspira-se em outro processo com uma estética semelhante: a sedimentação natural das rochas à margem do Lago d’Iseo, em Milão.

As placas de 120×120 surgem para fazer jus aos grandes fragmentos de rochas que a linha reproduz.

Porcelanato que reproduz concreto

Não é novidade para ninguém que a Portobello adora superfícies inspiradas em concreto e tem uma vasta coleção nesse estilo. Mas, agora, essas peças podem ser encontradas até em 120×120, levando a simplicidade do material a outro patamar de sofisticação.

Os grandes formatos favorecem o minimalismo dos revestimentos, e pensando nisso a Linha Dansk foi desenvolvida com peças maiores. Ela toma inspiração da Dinamarca, cujo minimalismo hygge está ganhando o mundo.

Nessa linha, você conta com tons claros, como o Cement White, e escuros, como o Cement Mud. E o melhor: em longas superfícies sem muitas junções.

Porcelanato que reproduz metais

As superfícies inspiradas em metais também são destaque entre os maxiformatos. Vale ressaltar a Linha Steel, que traz diferentes tons do aço para peças de 80×160, ideais para um toque contemporâneo.

A versão Black da Linha Steel chamou atenção na Expo Revestir de 2018 e foi vencedora do prêmio Best in Show na categoria Cerâmica/Porcelanato Fachada. O material foi aplicado na fachada do próprio estande da Portobello durante o evento, mostrando bem toda a imponência e elegância da superfície.

E mais: o grande formato da Linha Steel ganhou a Europa e foi exposto no Espaço da Casa Vogue no Salão do Móvel de Milão. O que acha de levá-lo aos seus projetos também?

Porcelanato que reproduz madeira

O visual de árvores grandiosas como o pau-brasil e as sequoias merece ser reproduzido em peças de porcelanato igualmente grandiosas, concorda? É para isso que surgem as opções Sequoia e Pau Brasil na Linha Ecollection.

Com placas de 30×180, as peças deixam à mostra a complexidade de veios da madeira, trazendo os tons castanhos e acinzentados dos troncos a ambientes externos e internos.

Porcelanato que reproduz mármore

Quando pensamos em sofisticação nas superfícies, o mármore certamente é um dos primeiros materiais que vêm à mente dos arquitetos.

A funcionalidade dos porcelanatos inspirados em mármore não é nova, mas já pensou em contar com ela em grandes peças?

Agora é possível trabalhar com os grandes formatos 60×120 e 120×240 com novidades da Linha Marmi Clássico: o branco ousado do Bianco Di Elba e a elegância em tons neutros do Nude Savanna e do Noce Savanna.

Porcelanato extrafino

Grandes formatos aliados a uma espessura finíssima, de 3,5mm: essa é a proposta da Linha Lamina, que traz um novo conceito de design ao porcelanato.

Com placas de até 300×100, ela inclui diversos tons e pode ser aplicada de várias maneiras. A surpreendente flexibilidade das peças faz com que elas sejam ideais para paredes e bancadas.

Vale lembrar que as várias peças que citamos acima estão longe de ser as únicas opções em grandes formatos. Elas são o que há de mais novo no mercado, mas você já conferiu as outras alternativas disponíveis?

Selecione o material que você procura e filtre os nossos modelos de grandes formatos para vislumbrar o leque de criatividade que o porcelanato permite.

Dicas e inspirações para você

Conferir o trabalho de outros profissionais com essa tendência é uma inspiração essencial para levar essas peças para os seus próprios projetos.

Conversamos com três arquitetas que estão de olho nos grandes formatos, e elas nos contaram um pouco da experiência que tiveram.

Uma delas é a Aline Lopes, que você conheceu na introdução deste texto. Ela utilizou a Linha Travertino Navona para compor com uma parede feita em mármore, apostando na continuidade entre superfícies.

Também é algo que agrada a arquiteta Ana Paula Fuganti, que acredita que os porcelanatos de grandes formatos são uma excelente opção para integrar cômodos.

Ela acha interessante utilizá-los principalmente em áreas gourmet, mas não dispensa o uso em outros ambientes. É o caso deste projeto de uma casa em Ivaiporã, Paraná.

A residência sofisticada fica em um condomínio em frente ao Lago de Furnas, e os proprietários, um jovem casal, queriam incorporar a natureza à construção.

“Os clientes queriam que a casa de integrasse bem à paisagem, sem interferir muito no ambiente. Então, a gente propôs esse revestimento com certo aspecto de desgaste pelo tempo”, ela explica. A escolha foi pelo Steel Corten Mate.

Além de trazer um ar imponente e ainda natural ao arco que a arquiteta desenhou na fachada, emoldurando a vista do lado, as grandes placas foram a solução para utilizar o mesmo porcelanato em uma área ampla. O material serviu inclusive para o muro.

Os grandes empreendimentos comerciais também se beneficiam dos formatos maiores. As fachadas ventiladas, solução industrial de revestimento, são uma forma otimizada de instalar porcelanato, independentemente do tamanho da superfície. Nesse caso, as placas extensas tornam o projeto até mais econômico.

Bancada eficiente

Quem também inovou com uma peça de maxiformato foi a arquiteta Ana Luiza Tomasi, que utilizou o Corten 300×100 para revestir a bancada da cozinha da startup Decora, em Florianópolis.

A escolha tem tudo a ver com o estilo favorito da arquiteta, como ela conta: “Sou de uma linha mais minimalista, gosto de projetos ‘menos é mais’. Ambientes amplos como o da Decora exigem peças grandes para efeito de proporcionalidade. Elas trazem um ar de modernidade”.

Mas esse motivo não foi o único: é também uma questão de praticidade. A obra foi executada em dois meses, e ela acredita que a opção pelos grandes formatos otimiza o tempo de aplicação das peças, tornando-as ideais para o cronograma que tinha em mãos. O projeto já foi assunto de outro post, e você confere detalhes sobre ele aqui.

Ilana Santiago, de Cuiabá, também ousou em um projeto de sala de estar com uma peça de 60×180. Ela utilizou a linha Nero Venato no fundo de uma estante. Para completar o estilo, iluminou as prateleiras com LED, destacando ainda mais o negror do porcelanato.

E não é só isso! As peças de grande formato podem ser utilizadas em diversos ambientes. Quer ver como? Confira a seguir outros exemplos dessas peças aplicadas a diferentes espaços!

Áreas de lazer

Estúdio Fernanda Eicke levou o charme das peças Grigio 120×120, da Linha Pietra Lombarda, para a CASACOR de Santa Catarina/Itapema. Ela utilizou o mesmo material, mas na versão Natural 90×90, no banheiro do projeto.

Ela foi além e trouxe outras peças de grande formato na integração entre sala de estar e de jantar, como a Concreto, na versão Natural 120×120.

Banheiros e lavabos

A arquiteta Cyntia Silva transformou o banheiro de um casal em um local de experimentação com formatos do Beton Gris, da Linha Le Corbusier. O resultado, como ela própria descreve, é “um ar de sofisticação e amplitude para o pequeno espaço”.

Já a Adriana Cristina Paiva de Faria preferiu um tom mais escuro para o banheiro do projeto que elaborou para a CASACOR SC/Itapema: ela aplicou placas de 80×160 da premiada Steel Black.

Cozinhas

As arquitetas Dayne Rebouça e Anamaria Vieira apostaram na Linha Marmi Clássico para o projeto de cozinha, mas optaram por peças de grandes formato diferentes.

A Anamaria preferiu a Bianco Covelano 60×180. A Dayne escolheu o Bianco Paonazzetto, em peças de 60×120. Aliado aos outros elementos que as duas profissionais escolheram, chegaram a um resultado final bem distinto.

Salas

As salas não ficam de fora da tendência dos maxiformatos. A própria Ana Paula Fuganti, que utilizou o Steel Corten em uma fachada, levou o formato 40×180 das peças Paille St Laurent para um ambiente integrado de sala e copa.

Edgar Monteiro inovou levando o Steel Corten para o piso de uma sala, contrastando o tom metálico com as paredes e o teto mais claro, no mesmo jogo de tons que fez entre os sofás.

E você, se encantou com os porcelanatos em grandes formatos? Quer continuar recebendo inspirações? Então siga nossas redes sociais! Estamos no FacebookTwitterInstagram e até no LinkedIn.

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *