Menu
Projetos e Obras
Busca

Imagem: Fondazione CR Firenze

Conteúdo Correspondentes Internacionais

As 200 obras-primas do artista Galileo Chini na Villa Bardini

09/06/2022

Conhecemos em Florença as peças de Galileo Chini, um dos maiores intérpretes europeus do modernismo e simbolismo da liberdade

Galileo Chini (1873-1956) foi um dos protagonistas da Liberdade Italiana. Durante a sua vida, ocupou várias vezes as cátedras de arte em diferentes cidades, desenvolvendo, entretanto, a sua atividade de pintor em telas, cerâmicas, cartazes e cenários teatrais. O artista do estilo Art-Nouveau/Liberty experimentou o encanto do Oriente, mas também deixou sua marca em suas obras.

O espaço Villa Bardini reabriu após a pandemia com a exposição intitulada Galileo Chini e o Simbolismo Europeu. Focada nos primeiros anos de Galileo Chini que o tornou famoso internacionalmente, a exposição tem curadoria de Fabio Benzi e é promovida pela Fundação CR Firenze e pela Fundação Parques Monumentais Bardini e Peyron.

A exposição na Villa Bardini, em Florença, contém 200 peças entre pinturas, desenhos, ilustrações e cerâmicas do pintor, ilustrador e ceramista florentino, que foi o maior expoente italiano e um dos maiores intérpretes europeus do modernismo e simbolismo da liberdade.

Detalhes da exposição de Galileo Chini na Villa Bardini em Florença (Imagem: Fondazione CR Firenze)
Mais de 200 peças de Galileo Chini estão na Villa Bardini (Imagem: Fondazione CR Firenze)

O trabalho do ceramista é apresentado em uma sucessão contínua de ligações e paralelos entre o artista e a arte internacional que o inspirou e que, muitas vezes, foi inspirada por ele.

Há obras do meio artístico entre o simbolismo francês e centro-europeu, entre o “pré-rafaelismo” e as secessões, que vê o caminho de Chini entrelaçado com o de artistas como Auguste Rodin, Gustav Klimt, Max Klinger, Ferdinand Hodler, William de Morgan, Walter Crane, Aubrey Beardsley, Gaetano Previati, Giovanni Segantini, Odilon Redon, Ferdinand Khnopff, Félix Vallotton, Pierre Bonnard e muitos outros.

Uma das salas de Villa Bardini (Imagem: Fondazione CR Firenze)

A exposição examina os primeiros 20 anos da vida artística de Chini (de 1895 a 1914, da sua maturidade precoce ao limiar da Primeira Guerra Mundial), marcados pela adesão apaixonada ao clima de simbolismo internacional e as instâncias modernistas do Art Nouveau – que o tornou um dos maiores artistas italianos da época e um dos mais conhecidos no exterior. 

Admirado também por artistas de vanguarda que revolucionaram a arte italiana, como Umberto Boccioni, Chini encarnava um ideal de modernidade na Europa daquele período e participava com grande sucesso em famosas exposições internacionais (Turim, Paris, Munique, Bruxelas, São Petersburgo, São Luís).

Pinturas, desenhos, ilustrações e cerâmicas fazem parte da exposição Galileo Chini e Simbolismo Europeu
(Imagem: Fondazione CR Firenze)

Entre as obras-primas expostas estão: os vasos “pré-rafaelitas” da primeira fase, as obras-primas presentes na Exposição Internacional de Paris de 1900, o vaso de brilho vermelho com árvores de 1902, o grande cachepot com camaleões, entre outras peças que fizeram com que Chini fosse reconhecido pelas suas obras de cerâmica europeia nesse período.

Obras-primas de Galileo Chini (Imagem: Fondazione CR Firenze)

Aproveitamos a visita à exposição para também caminhar pela construção e seus jardins da propriedade que circunda a Villa Bardini, que remonta à época medieval.

Os primeiros proprietários foram, de fato, os membros da família Mozzi – que entre as muitas propriedades possuíam, também, o monte Montecuccoli, local onde agora ergue-se o jardim da Villa Bardini. Nessa altura, o complexo era constituído pelo edifício principal com uma maravilhosa loggia e um jardim murado nas traseiras do edifício.

Os famosos jardins da Villa Bardini em Florença (Imagem cortesia: Txllxt TxllxT)

Giovan Francesco Manadori era vizinho da família Mozzi, que já havia mandado construir a Villa Manadora pelo arquiteto Gherardo Silvani, um edifício que imediatamente ostentava uma vista extraordinária de Florença. 

Após uma série de mudanças de propriedade, em 1839, as duas residências e seus jardins tornaram-se um: no momento da fusão, a grande escadaria barroca encomendada pelos Mozzi já estava presente, acompanhada pelas intervenções da família Le Blanc (que comprou a Manadora) e o maravilhoso jardim anglo-chinês, conhecido na época como o “Belvedere” (enriquecido por um lago, uma cachoeira e uma fonte).

A tradicional Villa Bardini nas colinas de Florença (Imagem cortesia: Sailko)

Hoje a villa funciona como sede de exposições e eventos, visitada por turistas do mundo todo por conta do seu famoso túnel de glicínias, localizado no jardim. 

Para mais informações sobre a exposição na Villa Bardini, que estará aberta até o final do verão europeu, acesse o site aqui.

Gostou da exposição e do passeio? Compartilhe sua opinião com a gente!

E para conferir outras exposições na Itália, acesse:

Inside Dalí: surrealismo fascinante sobre a Divina Comédia

Centro Pecci e a arte contemporânea na Itália

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *