Menu
Projetos e Obras
Busca

Casa sustentável com arquitetura de Mariana Crego (Foto: Rafael Renzo)

Conteúdo Colunistas

Sustentabilidade em grande estilo

17/11/2021

A arquiteta Mariana Crego, da construtora Crego Painceira, fez uma casa com certificação AQUA-HQE de Gestão Ambiental, no litoral de São Paulo, com revestimentos Portobello.

“Ser sustentável é ser inteligente”, diz a arquiteta Mariana Crego, em tom de brincadeira. Sustentabilidade, no entanto, é assunto sério na construtora Crego Painceira, fundada por seu avô em 1976 e responsável por alguns dos principais empreendimentos imobiliários residenciais do litoral de São Paulo. A construtora e suas obras contam com a certificação franco-brasileira AQUA-HQE de Gestão Ambiental.  

A arquiteta Mariana Crego (Foto: divulgação)

Arquiteta há oito anos pela Faap – Fundação Armando Alvares Penteado, com pós-graduação em Urbanismo pela Escola da Cidade, ambas em São Paulo, Mariana sempre direcionou sua formação pelo viés da sustentabilidade. No estágio em Chicago no escritório SOM – Skidmore, Owings and Merrill, aprendeu como unir sofisticação e luxo com sustentabilidade. “Muitas pessoas confundem arquitetura sustentável com sucata. Mas, na verdade, é uma responsabilidade ética”, diz.

construção sustentável
Sustentabilidade e sofisticação se unem no projeto de Mariana Crego (Foto: Rafael Renzo)

O SOM chegou ao estrelato pela arquitetura do Burj Khalifa, o maior prédio do mundo, com quase um quilômetro de altura e custo de 4,1 bilhões de dólares. O projeto é um exemplo de como a tecnologia pode deixar as construções mais sustentáveis. Hiperplastificantes foram adicionados na formulação do concreto, o que representa uma redução de 40% de água, maior plasticidade e maior durabilidade. Ainda, o Burj Khalifa possui um dos maiores sistemas de recuperação de água do mundo.

construção sustentável
Rooftop com hidromassagem na casa decorada do The Golf Village (Foto: Rafael Renzo)

Esse aprendizado de como sustentabilidade e sofisticação podem andar juntas Mariana aplicou na casa decorada do empreendimento The Golf Village, em Riviera de São Lourenço, litoral de São Paulo. O condomínio contará com 16 casas sustentáveis de alto padrão, com quatro pavimentos, elevador, cinco suítes, piscina e rooftop com hidromassagem. Uma delas já está finalizada, com todos os acabamentos sugeridos pela arquiteta. 

Kit Janeiro Off White é o piso de toda a casa, inclusive nas áreas íntimas (Foto: Rafael Renzo)

O principal deles é o Kit Janeiro Off White, no piso das áreas externas, sociais e íntimas – ou seja, em praticamente toda a casa. “Eu queria algo que remetesse à natureza, com estética de pedra, que fosse sustentável. Quando ficamos sabendo da linha do Oskar Metsavaht para a Portobello, era exatamente o que procurávamos”, relembra Mariana. 

Kit Janeiro Off White, design de Oskar Metsavaht, no piso da área externa. A piscina é revestida de Barlavento Caribbean (Foto: Rafael Renzo)

Além da estética, foi importante para a especificação a fabricação da Portobello, que prontamente providenciou toda a documentação de sustentabilidade exigida pela certificação AQUA-HQE, e o design de Metsavaht, embaixador da Boa Vontade da UNESCO e fundador do Instituto-e, que promove o desenvolvimento sustentável.

A sustentabilidade do projeto de Mariana Crego é certificada pela AQUA-HQE (Foto: Rafael Renzo)

Outros materiais sustentáveis da casa são a madeira finlandesa da Neobambu, no forro, nas brises e no deque, os armários da Bontempo, com lâminas com menos formol, e os móveis de Jader Almeida. “Confesso que fiquei um pouco neurótica com sustentabilidade”, brinca Mariana. Com razão. 

A cozinha é totalmente integrada, considerando que se trata de uma casa de veraneio, que valoriza o lazer (Foto: Rafael Renzo)

A arquiteta questionou o uso de formol e amônia das empresas de armários planejados. Com o passar do tempo, os móveis exalam esses materiais tóxicos, que são inalados pelas pessoas da casa. Nos Estados Unidos, exige-se metade do formol que é permitido no Brasil. Então a arquiteta escolheu para esse projeto as lâminas que seriam exportadas.

Integração entre áreas interna e externa. O Kit Janeiro Off White garante a continuidade (Foto: Rafael Renzo)

Esses são apenas alguns quesitos avaliados pela certificação AQUA-HQE de Gestão Ambiental. A visão da empresa de sustentabilidade é bem ampla e complexa. Eles checam a documentação de todos os fornecedores, avaliam de que distância vêm os materiais, como é tratada a mão de obra e como é o canteiro de obras. 

O paisagismo também atende critérios de sustentabilidade (Foto: Rafael Renzo)

Inclusive a vegetação deve ser criteriosamente escolhida. Plantas podem parecer sinônimo de sustentabilidade, mas nem sempre é o caso. “Algumas espécies têm níveis de alergia e toxidade, outras consomem muita água, ou ainda são exóticas e têm a facilidade de se disseminar, podendo matar nossa vegetação nativa”, explica Mariana. O condomínio The Golf Village fica ao lado de um corredor preservado de mata.

A horta faz parte do paisagismo funcional (Foto: Rafael Renzo)

Além do cuidado com o meio ambiente, a vegetação é fundamental no conceito de conexão com a natureza do empreendimento. Como as casas são de veraneio, a ideia é que ali os moradores possam relaxar profundamente e o verde incentiva esse estado de espírito. O boulevard central entre as casas terá paisagismo de Gil Fialho, incluindo uma horta coletiva. As casas serão entregues também já com paisagismo, com irrigação automatizada. 

O átrio central, responsável pela ventilação com efeito chaminé, recebe um jardim de orquídeas (Foto: Rafael Renzo)

“Onde teria vista, abrimos janelas”, relembra Mariana. Também se destaca a vegetação dentro da casa: o jardim de orquídeas no átrio central. Esse espaço é responsável pela ventilação com efeito chaminé, ajudando o ar a circular naturalmente, reduzindo a necessidade de ar-condicionado.

construção sustentável
Casa sustentável da arquiteta Mariana Crego no The Golf Village, com Kit Janeiro Off White (Foto: Rafael Renzo)

Todo esse cuidado com sustentabilidade é um reflexo da preocupação atual com o meio ambiente, claro, mas também vem da origem da construtora. “Meu avô, José Miguel Crego Painceira, veio da Espanha, de um vilarejo da Galícia, de uma cultura em que não se podia jogar nada fora. Ele tinha o cuidado de não desperdiçar, não só pela economia, mas por inteligência. O lixo é um recurso que ainda não tivemos inteligência para usar”, explica Mariana.

construção sustentável
Casa sustentável da arquiteta Mariana Crego no The Golf Village, com Kit Janeiro Off White (Foto: Rafael Renzo)

A vocação foi herdada do avô. “Ele tinha o sonho de ser arquiteto. Chegou ao Brasil com vinte e poucos anos e se dedicou ao ofício da construção”, relata Mariana. Ela até considerou cursar Engenharia Civil, mas acabou se interessando mais pela multidisciplinaridade da Arquitetura. “E na sustentabilidade eu vi como a arquitetura poderia ser inteligente. Foi isso que me fascinou”, diz.

construção sustentável
Uma das suítes com Kit Janeiro Off White (Foto: Rafael Renzo)

A construtora iniciou suas atividades apenas três anos antes da Portobello e, nessas quatro décadas, os revestimentos sempre estiveram presentes nos empreendimentos da Crego Painceira. Inclusive, a primeira tarefa de Mariana na empresa familiar foi especificar o revestimento para a fachada do empreendimento Barceló, em Santos. Ela se apaixonou pelo King’s Road. “Nem era um produto para a fachada, mas a Portobello telou especialmente para o projeto e tivemos uma fachada exclusiva”, relembra. 

construção sustentável
Uma das suítes com Kit Janeiro Off White (Foto: Rafael Renzo)

A casa decorada do The Golf Village demonstra como a sustentabilidade é um ponto de união entre a arquiteta Mariana Crego, a construtora Crego Painceira, o designer Oskar Metsavaht e a Portobello. Com o Kit Janeiro, Mariana deu um excelente exemplo de como ser sustentável em grande estilo.

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *