Menu
Projetos e Obras
Busca
arquivo_mola

Conte√ļdo Mat√©rias

Yes, nós temos Mola

17/10/2017

Fen√īmeno mundial de crowdfunding (financiamento coletivo online) incentiva estudo espacial de projetos de Arquitetura e Engenharia. Estamos falando do Mola, modelo brasileiro interativo e sensorial, que simula o comportamento de estruturas. Confira a entrevista exclusiva com o idealizador.

Ferramentas como maquetes eletr√īnicas, aplicativos de realidade aumentada, √≥culos de realidade virtual para visualizar projetos em 3D, e outras solu√ß√Ķes digitais surgem a cada dia para facilitar e ampliar os neg√≥cios empresarias, sobretudo a vida de profissionais da arquitetura, engenharia e design. Mas como andam as inven√ß√Ķes t√°teis para facilitar o trabalho desses profissionais? Como mensurar, na pr√°tica, os fen√īmenos f√≠sicos para executar edifica√ß√Ķes?

Para responder essas e outras quest√Ķes relacionadas, o Archtrends Portobello convidou o arquiteto de Bel√©m, capital do Par√°, Marcio Sequeira de Oliveira, reconhecido internacionalmente por ter criado o projeto Mola, produto de simula√ß√£o de sistemas estruturais. Ele lan√ßou neste m√™s de outubro o seu e-commerce com todas as informa√ß√Ķes sobre seus produtos que est√° dando o que falar nas ¬†principais universidades de Arquitetura e Engenharia do Brasil e do mundo.

marcio_mola

Foto: Luiza de Castro

Como surgiu a ideia de criar um produto para estudar o comportamento das estruturas arquitet√īnicas?

O ensino de estrutura nas escolas de arquitetura e engenharia no Brasil e no mundo √© muito abstrato, com muito c√°lculo e teoria. A ideia surgiu a partir dessa problem√°tica, pela dificuldade de tatear e ver aquilo que se aprendia apenas na teoria sobre os fen√īmenos f√≠sicos das estruturas. E esse conhecimento √© extremamente necess√°rio para os profissionais da engenharia e arquitetura, especialmente na fase de concep√ß√£o de projeto.

O processo de criação do Mola fez referência a algum produto já lançado?

N√£o. Antes do Mola, comecei a utilizar pe√ßas de madeira para simular uma estrutura de uma disciplina que estava fazendo na faculdade de Arquitetura, em 2005. A partir disso comecei a produzir pe√ßas mais flex√≠veis, com molas – da√≠, claro, o nome do produto – ¬†para que eu pudesse ver melhor as deforma√ß√Ķes e deslocamentos das estruturas, que normalmente voc√™ n√£o v√™ em uma estrutura real.

Foram 10 anos de pesquisa para desenvolver esse projeto t√£o ben√©fico para o estudo das constru√ß√Ķes. A ideia √© aperfei√ßoar com novas pe√ßas para sempre possibilitar a montagem de sistemas estruturais diferentes.

mola-estrutura-marcio

Arquivo Mola

Que tipos de estruturas arquitet√īnicas podem ser estudadas?

Ent√£o, nossa proposta √© uma simula√ß√£o imediata para entender fen√īmenos f√≠sicos de forma mais clara sobre qualquer tipo de estrutura arquitet√īnica, simples a complexa, seja de madeira, de concreto, a√ßo. Exemplo: ¬†toda estrutura se deforma e se movimenta. S√≥ que a gente n√£o v√™. Se acontecer uma carga de vento muito forte em um pr√©dio, por exemplo, o Mola consegue indicar de forma fiel o que ir√° acontecer com essa estrutura antes da constru√ß√£o e at√© ap√≥s a sua conclus√£o.

O produto veio para facilitar a an√°lise qualitativa de uma obra de que forma?

A gente n√£o avalia resist√™ncia das pe√ßas, apenas seu comportamento, gerando uma an√°lise qualitativa, precisa e inicial de uma obra que n√£o existia at√© ent√£o. Exemplo: no Mola, quando voc√™ aplica uma carga na viga, ela se deforma de v√°rios jeitos. E quando voc√™ consegue visualizar os fen√īmenos, para saber se as barras ficar√£o comprimidas, tracionadas, fica mais f√°cil na hora de fazer os c√°lculos para dimensionamento das pe√ßas, escolhas de materiais e analisar outras complexidades para come√ßar a construir uma obra e deix√°-la de p√©, est√°vel, sem perigos. Sendo assim, o Mola n√£o substitui nenhuma etapa dos processos necess√°rios de c√°lculo para execu√ß√£o de uma obra.

mola

Arquivo Mola

Como esse instrumento pode facilitar a demonstração de projetos a clientes?

Ele pode ser utilizado na hora da concep√ß√£o de um projeto em escrit√≥rios de arquitetura e engenharia, inclusive demonstrando as caracter√≠sticas do processo ao cliente, de forma simples e r√°pida. O arquiteto est√° montando um projeto e com o Mola pode saber na pr√°tica e em tempo real se √© poss√≠vel reerguer estrutura sem haver o perigo de desmoronamento, se a forma est√©tica ficar√° interessante, claro, quest√Ķes analisadas antes de elaborar os c√°lculos para iniciar a execu√ß√£o da obra de casas, edif√≠cios, pontes, torres, por exemplo. Al√©m disso, o Mola tamb√©m veio para facilitar a comunica√ß√£o entre os profissionais de engenharia e arquitetura para se discutir sobre um projeto.

Qual a compara√ß√£o com as maquetes arquitet√īnicas?

Indicamos no manual solu√ß√Ķes para projetos com treli√ßas espaciais, j√° que √© uma estrutura dif√≠cil de imaginar sem ver ou manusear um prot√≥tipo. Por√©m, a fun√ß√£o do Mola, simula√ß√£o de sistemas estruturais, √© totalmente diferente de uma maquete, sendo esta uma representa√ß√£o de um edif√≠cio acabado ou para definir volumetria, por exemplo, ou para mostrar ainda como ser√° a est√©tica do projeto ap√≥s a conclus√£o da obra ao cliente.

Por que o Mola ganhou repercuss√£o internacional?

O Mola √© um projeto in√©dito no mundo. Com o lan√ßamento ¬†do Mola1, em 2014, o projeto teve apoio de 30 pa√≠ses, atrav√©s do site de financiamento coletivo, Catarse. No segundo lan√ßamento, o Mola2 contou com o apoio de 35 pa√≠ses diferentes e somado √†s vendas o produto j√° foi distribu√≠do para mais de 60 pa√≠ses. At√© agora, ao todo, s√£o 5 mil kits entregues a v√°rios profissionais e interessados no mundo e no Brasil. E o projeto vem ganhando cada vez mais repercuss√£o nacional principalmente em universidades para serem utilizados por professores e alunos em salas de aula. Inclusive, j√° existem universidades utilizando o kit para fazer competi√ß√Ķes com o Mola. No exterior, o contato com as universidades √© constante tamb√©m, a exemplo do curso de Engenharia do MIT – Massachusetts Institute of Technology, que h√° dois meses utiliza o Mola para estudo entre os alunos, e entretenimento com crian√ßas da comunidade durante per√≠odo de f√©rias.

Entretenimento manual e l√ļdica para outros p√ļblicos. Um brincadeira de nerd?

H√° um p√ļblico que n√£o √© profissional, englobando crian√ßa, adultos e idosos, que gosta de montar pe√ßas, pois √© uma experi√™ncia l√ļdica, similar a brincadeira de um Lego, que estimula a intelig√™ncia espacial. A exemplo do p√ļblico infantil j√° citado, o MIT estimulou as crian√ßas a se interessarem pelo curso de Engenharia atrav√©s do Mola. Com certeza, muitos interessados querem se entreter ou criar competi√ß√Ķes em universidades. √Č a uni√£o do prazer com a ci√™ncia.

ciencia_mola

A ciência por trás do Mola (Foto: arquivo Mola)

Estrutura manual versus digital. O mundo ainda d√° lugar √†s inven√ß√Ķes t√°teis?

Todas essas ferramentas tecnol√≥gicas de simula√ß√Ķes virtuais s√£o importantes para ajudar a desenvolver um projeto. Mas elas n√£o substituem um modelo f√≠sico, t√°til e real. Ent√£o a compreens√£o do comportamento espacial de uma estrutura √© muito dif√≠cil de mostrar virtualmente. Uma deve ser complementar da outra. O mercado ainda valoriza as inven√ß√Ķes f√≠sicas pela sua necessidade cient√≠fica. Tudo que √© criado para a evolu√ß√£o das constru√ß√Ķes √© superv√°lido.

De uma pesquisa universitária à comercialização em grande escala, idealizador torna-se um CEO. Como estão os negócios?

Tornei-me empreendedor a partir de um apoio de mais de 1.500 pessoas no mundo todo. A primeira campanha de financiamento coletivo foi realizada em 2014 para o Mola 1, com a ideia de desenvolver uma tiragem-piloto. Mas o sucesso foi tão grande, que se tornou a maior campanha de financiamento do tipo realizado no Brasil na época, com arrecadação de R$600 mil. Com isso, o Mola passou a ser o motivo para comercialização em grande escala e gerar grandes negócios, além de ajudar a melhorar o produto com novas peças e acabamentos e ter a possibilidade de contratação de profissionais para o marketing e produção de manual. Para o Mola 2, foi arrecadado R$700 mil reais. A campanha de financiamento coletivo terminou. Os kits agora estão disponíveis para compra direta através do site lançado este mês.

Conheça mais sobre o projeto assistindo ao vídeo abaixo, publicado durante a campanha do Catarse.

Nenhum coment√°rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *