Menu
Projetos e Obras
Busca

Artigas foi um dos líderes da escola paulista de arquitetura (Foto: Arquivo Arq.)

Conteúdo Matérias

Vilanova Artigas: grande nome da escola paulista de arquitetura

03/03/2021

O arquiteto Vilanova Artigas desenvolveu grandes obras, como o Estádio do Morumbi e a sede da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Saiba mais sobre ele!

Conhecer grandes nomes da arquitetura é sempre inspirador para quem atua nessa área. E são muitos os profissionais que fizeram história no Brasil: Rino Levi, Paulo Mendes da Rocha e Oscar Niemeyer, entre outros. Vilanova Artigas também faz parte dessa lista de gigantes e é sobre ele que falaremos neste artigo.

Se preferir, clique no play abaixo para ouvir o artigo completo:

Afinal, Artigas é considerado como o grande nome da escola paulista de arquitetura e, por isso, merece o nosso respeito e as nossas homenagens. Continue a leitura para saber mais sobre a vida e as principais obras desse incrível arquiteto!

A vida de Vilanova Artigas

Artigas foi responsável por mudar o currículo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU)
Artigas foi responsável por mudar o currículo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) (Foto: Arquivo Público do Estado de São Paulo)

João Batista Vilanova Artigas nasceu em Curitiba no ano de 1915. Na juventude, ele se mudou para São Paulo, onde estudou Engenharia e Arquitetura na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP).

Antes da formatura, que ocorreu em 1937, Vilanova Artigas participou de um grupo vanguardista chamado Santa Helena, do qual também fez parte o pintor Alfredo Volpi.

Após se formar arquiteto, Vilanova Artigas emplacou grandes projetos, como o Estádio do Morumbi, em São Paulo. Mais adiante falaremos de suas principais obras com mais detalhes.

Nos anos 40, o jovem arquiteto passou alguns anos estudando nos Estados Unidos, onde desenvolveu e aperfeiçoou as suas técnicas.

Na década de 1960, ele foi convidado para ser professor na USP, onde ajudou a fundar a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU).

Ele foi o autor da reforma curricular implementada na instituição que passou a oferecer os cursos arquitetônicos separados das engenharias.

E não foi apenas a estrutura da grade curricular da FAU que teve influência de Vilanova Artigas. Junto ao arquiteto Carlos Cascaldi, ele foi o responsável pelo prédio da nova sede da faculdade.

Vilanova Artigas era bastante próximo de Oscar Niemeyer. Porém, tinha uma linha diferente do líder dos grandes criadores de Brasília.

Ele foi um dos principais responsáveis por romper paradigmas e implementar um ponto de vista mais moderno para a arquitetura brasileira.

O movimento liderado por Vilanova Artigas se chamava escola paulista ou brutalismo paulista. Tal grupo se distinguia pela ênfase nas técnicas construtivas, valorização das estruturas e uso do concreto armado de forma visível.

Por ser filiado e militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB), Artigas foi obrigado a se afastar das suas funções na FAU em 1969, durante a ditadura militar. Ele também foi perseguido e exilado no Uruguai por um período.

Dez anos depois, o arquiteto pôde retomar ao seu posto na FAU, graças ao projeto de anistia que foi instaurado no país. Por uma ironia do destino, ele foi designado a ministrar a disciplina Estudos de Problemas Brasileiros, que foi criada pelos ditadores como um instrumento de controle ideológico nas faculdades do nosso país.

Sempre ousado, Vilanova Artigas mudou completamente o programa e passou a convidar intelectuais de esquerda para palestrar aos alunos, como o pintor Aldemir Martins e o ator Juca de Oliveira. Ele encerrava as conversas fazendo relações entre o assunto abordado e a arquitetura.

Vilanova Artigas faleceu em 1985, aos 69 anos. As causas são pouco divulgadas, mas há informações de que, nos últimos anos de vida, o arquiteto desenvolveu quadros de depressão e angústia.

Um documentário foi produzido para contar a história de Vilanova Artigas

Em 2015, ano do centenário de Artigas, foram lançados dois livros (um deles escrito por Rosa Artigas, filha de Vilanova) e um documentário sobre a vida e a obra do arquiteto. Uma exposição de seus trabalhos também foi desenvolvida pelo Itaú Cultural.

Durante a sua carreira, Vilanova Artigas recebeu vários prêmios por suas obras, como o Jean Tschumi, o Auguste Perret e a Medalha 25 de Janeiro.

Principais obras de Vilanova Artigas

O estilo de Vilanova Artigas é fortemente ligado à escola paulista, movimento do qual ele foi um dos principais líderes. Veja, a seguir, algumas das obras mais conhecidas que foram desenvolvidas pelo arquiteto.

Edifício Louveira

Algumas famílias que vivem no Edifício Louveira atualmente são as mesmas da época da construção do prédio
Algumas famílias que vivem no Edifício Louveira atualmente são as mesmas da época da construção do prédio (Foto: Thomas Hobbs)

Um dos primeiros projetos notáveis de Artigas foi o Edifício Louveira, localizado no bairro Higienópolis, em São Paulo.

A construção foi projetada em 1946 e se caracteriza pela composição de duas lâminas paralelas, que são intermediadas por um pátio interno ajardinado. 

O prédio é um dos principais símbolos da arquitetura modernista da cidade de São Paulo. Uma curiosidade é que ele tem rampas de acesso, em uma época em que pouco se discutiam assuntos como a acessibilidade.

Casa Vilanova Artigas

A residência do médico João Luiz Bettega se tornou um centro cultural
A residência do médico João Luiz Bettega se tornou um centro cultural (Foto: Dennys Cunha)

Em 1949, o médico paranaense João Luiz Bettega contratou Vilanova Artigas para desenvolver um projeto para a sua residência pessoal.

O toque modernista do arquiteto, portanto, passou a fazer parte da cidade de Curitiba, causando polêmica por apresentar linhas retangulares em toda a extensão de seus dois pavimentos.

Em 1996, Bettega faleceu e a prefeitura da cidade tombou o imóvel, com a finalidade de preservar o seu patrimônio cultural. Outras obras desenvolvidas por Artigas no município já haviam sido demolidas.

Com o tombamento da obra, os familiares do médico abandonaram a residência. Em 2002, o imóvel foi comprado e restaurado, passando a abrigar um centro cultural, que recebeu o nome de Casa Vilanova Artigas.

Estádio do Morumbi

O Estádio do Morumbi é uma das obras mais lembradas de Vilanova Artigas
O Estádio do Morumbi é uma das obras mais lembradas de Vilanova Artigas (Foto: Arquivo Nacional)

O Estádio Cícero Pompeu de Toledo, ou simplesmente Morumbi, é um dos projetos mais conhecidos de Vilanova Artigas. A sede oficial do São Paulo Futebol Clube foi inaugurada em 1960 e traz os traços modernistas que são a marca registrada do arquiteto.

Artigas foi contratado pela comissão que estava administrando a obra, com representantes do time de futebol e da prefeitura do município. Como curiosidade, registra-se o fato de que o arquiteto usou 370 pranchas de papel vegetal para desenhar todo o projeto.

Estação Rodoviária de Jaú

A Estação Rodoviária de Jaú tem uma arquitetura pouco comum para esse tipo de projeto
A Estação Rodoviária de Jaú tem uma arquitetura pouco comum para esse tipo de projeto (Foto: Jorge Luiz Saggioro)

A estação rodoviária da cidade de Jaú, no estado de São Paulo, é uma obra muito conhecida de Vilanova Artigas.

O projeto tem um design arrojado, com uma abertura de 4 m no nível superior e 6 m no inferior. Isso desabrocha em vértices, que formam um desenho diferente e pouco usual para esse tipo de local.

Outro ponto interessante é que as vias de acesso na parte interior da rodoviária são no formato de rampas, mostrando mais uma vez a preocupação de Artigas com a acessibilidade.

Tal projeto foi desenvolvido no ano de 1973.

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP

Além de professor, Artigas também foi autor do projeto da sede da FAU
Além de professor, Artigas também foi autor do projeto da sede da FAU (Foto: Arte Fora do Museu)

Não poderíamos encerrar a lista de principais obras de Artigas sem citar o prédio da FAU. Afinal, por anos ele se dedicou à instituição e, talvez, esse tenha sido um dos projetos de maior valor emocional para o arquiteto.

A sede da FAU consiste em uma continuidade espacial. Todos os andares são ligados uns aos outros com rampas de alturas oscilantes, que passam a sensação de que quem as percorre segue por um plano único. Além de conter grandes espaços abertos, todos os ambientes se conectam.

A maior inspiração para o desenvolvimento da sede da FAU foram as ágoras das pólis gregas. A ideia era de que os conflitos pudessem ser resolvidos por meio da conversa.

Conhecer histórias e obras como a de Vilanova Artigas é sempre muito inspirador! Certamente, ele é um arquiteto que deixou a sua marca e seguirá influenciando muitos profissionais.

Continue a conhecer grandes nomes da arquitetura em nosso artigo que conta a história de arquitetos famosos do Brasil e do mundo.

Foto de destaque: O arquiteto Vilanova Artigas foi um dos líderes da escola paulista de arquitetura (Foto: Arquivo Arq.)

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *