Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Colunistas

Um diálogo com a luz

29/10/2018

Localizada à beira do rio Nanjing, no Wanjing Garden, a capela de tiras de madeira é um convite à reflexão.

Como todas as cidades da China, Nanjing se expandiu além da muralha medieval que encerra a cidade histórica. Por muito tempo o rio foi o limite natural para o desenvolvimento, mas, com a abertura da economia em 1993, a outra margem começou a ser impactada pelo crescimento que, desde a década de 1970, já buscava na tecnologia o caminho do progresso e da modernização.

Zhang Lei nasceu em 1964, pouco antes da Revolução Cultural, e pôde acompanhar desde jovem o renascimento de uma nova China, com a negação de tudo o que a revolução cultural de Mao-Tsé-Tung pregava. Lei ingressou na Universidade de Tecnologia de Nanjing, mais tarde batizada de Southeast University que, seguindo o programa das Beaux Arts, pregava a composição simétrica e a importância da fachada.

Insatisfeito com os ensinamentos, o arquiteto foi fazer uma pós-graduação na ETH, em Zurique. De volta à China, tornou-se professor na recém-fundada Escola de Pós-Graduação em Arquitetura da Universidade de Nanjing e começou a lecionar em Hong Kong. No mesmo ano, fundou o Atelier Zhanglei.

Como muitos arquitetos chineses de sua geração que estudaram no exterior, Zhang Lei quer transcender as fronteiras do design chinês. Seu racionalismo preciso e interesse particular pelo artesanato foram os guias para revelar sua poética de abstração escultural na Wanjing Garden Chapel.

A luz é um dos elementos mais importantes da arquitetura de Lei e é ela que cria a atmosfera silenciosa e convidativa da capela.

A característica mais interessante do projeto é o telhado: uma estrutura invertida que se eleva em suas bordas e não em seu centro. Abaixo do telhado, uma fachada de duas camadas consiste em paredes brancas sólidas, protegidas por uma pele de madeira semitransparente. A casca externa serve como um filtro, onde tiras finas de madeira clara são unidas em intervalos regulares com suportes de metal em forma de U. A estrutura inclui uma passarela ao redor, do lado de fora da capela, com vista para a água e para os jardins.

“As tiras de madeira exteriores e as telhas asfálticas são deixadas em sua cor natural, enfatizando a importância da natureza”, explica Lin. Paredes opacas brancas envolvem o salão da igreja dentro da estrutura de madeira.  As varandas inclinadas dão ao saguão da igreja um piso octogonal dentro da passarela quadrada. Em contraste com a cor natural do exterior do edifício, o espaço interior tem superfícies e móveis brancos.

“Simplicidade e luz. Deus é luz!”, completa o arquiteto.

CS: Como o estúdio recebeu essa oportunidade de construir uma capela?

ZL: Fomos convidados pelo governo para um projeto comissionado.

CS: Houve alguma restrição para a construção? Dinheiro? Materiais?

ZL: Tínhamos um orçamento apertado e apenas 45 dias para finalizar a obra, então usamos estrutura de aço e madeira para construir mais rapidamente.

CS: Como a arquitetura nos afeta emocionalmente, além do intelecto?

Crie uma arquitetura “pura” – apaixonada, única, romântica e exótica – e seremos todos afetados emocionalmente.

CS: A capela traz muita paz. Por que alguns edifícios são silenciosos e outros barulhentos?

ZL: O coração do arquiteto deve estar calmo quando ele está criando, então seu trabalho pode trazer a paz.

CS: Tadao Ando acredita que a luz é um dos elementos mais importantes da arquitetura. Como a luz foi pensada no projeto da capela?

ZL: Neste projeto em particular, a luz entra através de uma espécie de claraboia, instalada no centro do salão, e por trás da cruz, na parede do altar. Essa faixa de luz é o mais poderoso elemento definidor do espaço interior. Mais luz natural entra suavemente pelas ripas de madeira abertas nas paredes. Assim, a luz, integrada com o volume quadrado que gira 45 graus, cria mais profundidade no espaço interno.

CS: Há muito mais que propósitos funcionais na arquitetura da capela. Que expressões o estúdio procurou, em termos de combinação de materiais e luz?

ZL: Tiras longas e finas de madeira na fachada criam um jogo de luz e sombra no corredor. A pintura branca no interior vira um recipiente para a luz.

CS: Uma capela pode ser um símbolo de esperança e fé. Quais são as crenças do estúdio sobre arquitetura?

ZL: Nós acreditamos em soluções simples e limpas para este mundo complicado.

CS: Ser sustentável hoje é uma obrigação moral. Como o estúdio pensa a questão da sustentabilidade?

A utilização de materiais leves e recicláveis, ​​como o aço e a madeira, como componentes principais de construção pode ser o ponto de partida para as questões sustentáveis.

Capela do Jardim Nanjing Wanjing

Localização: Nanjing, Província de Jiangsu, China

Arquitetos: arquitetos Zhang Lei / AZL

Equipe do projeto: Zhang Lei, Wang Ying, Jin Xin, Cao Yongshan, Hang Xiaomeng, Huang Longhui

Colaboração: ADI-NJU

Área do projeto: 200 m2

Ano do projeto: 2014

Fotografias: Yao Li

 

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *