Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Matérias

Sustentabilidade e inovação: faça construções incríveis em containers

09/07/2018

Pode até parecer uma realidade distante para você, mas saiba que a prática vem se tornando comum em terras brasileiras. Por isso, é preciso se especializar e buscar maneiras de atender um público que cresce e é cada vez mais exigente. Não dá para ficar de fora, não é mesmo? Veja agora o guia completo que desenvolvemos e tire todas as suas dúvidas a respeito do assunto!

A construção em containers é uma tendência em ascensão no Brasil. No exterior, a prática já é muito valorizada há um bom tempo em países da Europa como Dinamarca e Suécia — conhecidos por suas arquiteturas inovadoras, ousadas e, especialmente, inteligentes e sustentáveis.

Um arquiteto precisa se especializar na área para que consiga aproveitar a demanda, que só cresce. Sabendo disso, desenvolvemos um guia completo que tem como objetivo esclarecer as principais características da construção em containers, explicar questões legais e técnicas e, por fim, indicar as melhores inspirações de arquitetura e decoração.

Quais são as questões legais que envolvem o projeto?

Antes de iniciar a obra, é necessário se certificar de que o terreno pode, por lei, suportar a construção de um container. Essa informação geralmente se encontra no plano diretor do próprio lote, que pode restringir ou não a obra.

As questões legais capazes de impedir a construção dependem do município, ou seja, não é possível criar uma lista padronizada de documentos e/ou autorizações necessárias.

No entanto, não é preciso se preocupar muito: por mais que sejam novas, as obras de containers não costumam ser barradas, já que a estrutura desse tipo de construção é fácil de ser manuseada no solo. Mas é possível que haja a necessidade de algumas alterações pontuais.

Onde posso comprar um container?

Existem empresas especializadas na venda do produto. Jackson Dias, da WD2 Containers, afirma que a solução é a mais indicada, já que eles são os intermediários entre as grandes companhias de navegação — as maiores fornecedoras de containers para o varejo.

Por muito tempo, os containers eram vistos como uma espécie de sucata. Ou seja, depois do seu uso pelas empresas de logística e navegação, o destino desses objetos era o lixo.

No entanto, os gastos que envolvem o descarte do produto são altíssimos. Daí veio a solução de reaproveitá-los como forma de estruturar casas e edificações em geral.

Os preços baixos e a capacidade de abrigar pessoas de forma similar a uma residência tradicional foram pontos importantes para a popularização da construção em containers — além de questões ligadas à sustentabilidade.

Além disso, a vida útil de um container para fins de logística varia entre oito e 20 anos, dependendo da área na qual ele seja usado.

Mas isso não significa que ele já não sirva para nada depois disso — muito ao contrário, uma vez que a estrutura está em perfeitas condições para ser usada com outras funções (na construção civil, por exemplo) por um período que chega até mais de 100 anos.

Quando o cliente demonstra interesse em um espaço do tipo, fique tranquilo: você, enquanto arquiteto, não terá nenhum trabalho extra.

As empresas se encarregam de todo o procedimento, inclusive a entrega do container, que deve ser realizada obrigatoriamente em um veículo específico para esse fim.

Containers são opções caras?

O mito a respeito dos preços caros ou “fora de mão” surgiu porque esse modelo foi popularizado e se expandiu a partir da adesão da tendência em países de primeiro mundo, onde o valor da obra não é um grande empecilho para o morador.

No entanto, engana-se quem afasta a possibilidade por medo de gastar muito e estourar o orçamento. As construções tradicionais em alvenaria, em sua maioria, são mais caras do que o projeto de um container.

Isso se deve a um fator principal: a economia de mão de obra. Ao contrário de uma obra convencional, para a qual é preciso montar um time com grande quantidade de profissionais para levantar a casa, o container já vem praticamente montado.

A empresa encarregada pela venda é responsável por colocá-lo no local exato da obra, o que reduz bastante a necessidade de contratar pessoal.

Nos processos seguintes, o número de profissionais continua sendo reduzido e serão usados menos produtos para a construção (tijolos, argamassa, telhas etc.). Além de ser econômica, essa prática aumenta de forma significativa a sustentabilidade do projeto — ponto importante para a sociedade em que vivemos atualmente.

Quais são os benefícios de construir em um container?

Pensa em construir em um container, mas ainda tem dúvidas se deve seguir em frente ou não? Selecionamos as principais vantagens que a prática pode agregar tanto na vida do arquiteto quanto na do cliente:

  • os containers podem ser desmontados e montados novamente em outro lugar, de acordo com as necessidades. Isso é ótimo para projetos comerciais. Lojas itinerantes que usam esse recurso fazem muito sucesso ao redor do mundo;
  • eles podem chegar à obra 100% montados, ou seja, são extremamente práticos;
  • quando houver a necessidade de reforma, por exemplo, é possível remanejar a posição dos containers;
  • a obra é rápida e pode durar, em média, apenas 60 dias;
  • um container é resistente e tem alta durabilidade quando usado para fins de moradia ou comércio;
  • tecnicamente falando, existe a possibilidade de aumentar os “andares” da construção em até 216 toneladas, ou seja, nove unidades. Isso equivale mais ou menos a um prédio de nove pavimentos;
  • no caso de projetos comerciais como galpões, academias e indústrias, por exemplo, é possível colocar um container dentro da estrutura que já existe. Assim, os containers funcionam como anexos ou novas salas;
  • a construção em um container, quando comparada com a de alvenaria, pode ser até 30% mais barata, o que representa economia considerável no bolso do cliente.

Como o container ajuda o meio ambiente? Ele é sustentável?

Já adiantamos esse aspecto, mas vale repetir: os containers são soluções benéficas para o planeta. Em primeiro lugar, isso acontece por causa da diminuição de uso dos recursos naturais.

Construções convencionais gastam uma quantidade exorbitante de água e energia, além de gerar muitos resíduos que dificilmente podem ser reaproveitados. Em alguns casos, não existe nenhuma chance de reutilização, ou seja, é poluição na certa.

Estatísticas divulgadas pelo Ministério do Meio Ambiente afirmam que cerca de 50% dos resíduos sólidos produzidos pelo ser humano resultam do setor de Construção Civil. Além dos sólidos, existem aqueles gasosos e líquidos, que são igualmente (se não forem mais) nocivos para a natureza. No caso dos containers, a quantidade de resíduos diminui de forma significativa.

Outro ponto válido é que o container é resultado de reaproveitamento, ou seja, é como se você estivesse fazendo um tipo de reciclagem em larga escala. Ao evitar que eles sejam eliminados, a natureza agradece.

Por fim, não é preciso realizar ações como a terraplenagem ou a fundação no solo, assim como não é necessário montar um canteiro de obras.

E a estética, onde entra?

Depois dos pormenores técnicos, vamos passar agora a outra questão que deve ser levada em conta com muita atenção: os aspectos estéticos da obra.

Construir em um container é uma prática muito frutífera e libertadora para um arquiteto: você não imagina a quantidade de possibilidades legais que podem ser criadas em um projeto do tipo.

Sabendo da importância de estar atento às principais tendências de decoração de containers, separamos alguns pontos que não devem ficar de fora. Acompanhe a seguir.

Priorize a entrada da luz natural

Projetos realizados em containers geralmente são menores por natureza, então é preciso pensar em maneiras de otimizar o espaço. Para que isso aconteça, algumas técnicas específicas devem ser usadas.

A iluminação natural é a primeira e, talvez, a mais importante. Quanto mais luz externa entrar em contato com o local, mais fresco e amplo ele será. Assim, invista em grandes janelas de vidro. Portas de correr também são muito indicadas — além de existir uma vasta oferta de modelos de vidro, elas economizam espaço de abertura e fechamento.

Quanto menos divisórias, melhor

Outra característica da construção em containers é a modernidade. Os projetos são peculiares a uma população cosmopolita, jovem e ativa, que não se prende tanto a objetos materiais quanto no passado. Esse tipo de público contribuiu para que o conceito de “casa” mudasse muito.

A alteração dos padrões de moradia fez com que fossem repensadas algumas características que, antes, eram imprescindíveis em uma residência  — e a divisória entre cômodos é uma delas. Inspire-se no modelo de lofts americanos, por exemplo, que funcionam com pouquíssimos espaços divididos por paredes.

No lugar, podem ser colocados cobogós, bancadas ou outros objetos que funcionem como divisórias parciais. Essa prática faz com que o espaço seja otimizado, já que paredes podem diminuir consideravelmente a área útil de qualquer cômodo.

Pense em alguns estilos arquitetônicos

Para que o projeto combine com a ideia de construir em container, é interessante buscar referências externas, e os estilos de decoração estão aí justamente para ajudar na inspiração.

Pense na seguinte situação: existem fios e tubulações em qualquer casa, e nos containers não vai ser diferente. No entanto, para que eles fiquem escondidos como em uma residência normal, é necessário aplicar uma camada de drywall ou algum recurso similar.

Caso o cliente esteja aberto a novas possibilidades, o estilo industrial permite a presença dos canos e tubulação sem que eles fiquem feios ou com aparência “largada”.

O minimalismo é outro conceito que combina com as construções em containers e pode ser aplicado de inúmeras maneiras. Por exemplo, com o uso abundante de materiais frios como o cobre, o vidro e o alumínio.

Pense também em poucos móveis, porém com tamanhos maiores. A presença de plantas é capaz de complementar o visual de maneira incrível.

Escolha os revestimentos certos

Não existem restrições técnicas a respeito de modelos que podem ou não ser usados na obra. De toda forma, é bom ficar atento a algumas características estéticas e visuais que podem aperfeiçoar o projeto.

Revestimentos quentes como a madeira, por exemplo, podem fazer com que o ambiente fique abafado. Se o cliente não quiser abrir mão do aspecto do material, é possível buscar opções de porcelanato que reproduzem a madeira.

Eles são de fácil manutenção, proporcionam conforto térmico e podem ser encontrados de maneira muito mais econômica. Além disso, existem porcelanatos que reproduzem outros vários visuais, o que aumenta muito a gama de alternativas para o cliente escolher.

Selecione as cores e texturas de acordo com o estilo que será seguido no projeto. Para construções clássicas, opte pelo porcelanato amadeirado ou outros modelos que acompanhem a mesma paleta. Já nas modernas e industriais, aposte em branco, cinza e até preto.

Fazer um contraste entre tonalidades e modelos também é uma ótima ideia, que tem tudo para transformar aquele cômodo em algo ainda mais belo e inovador.

Após estudar sobre as principais especificidades da construção em containers, é possível ter uma perspectiva diferente e aberta sobre o assunto. Lembre-se de que, ao investir em ideias inovadoras, você estará oferecendo uma cartela de serviços diferenciada para o seu cliente.

O importante é ter em mente que, por mais que esse mercado ainda seja embrionário no país, o cenário é positivo e apresenta indícios de crescimento. Sabendo disso, não dá para ficar de fora desse movimento.

Construções em containers são a cara da sociedade atual, fato que pode ser percebido a cada dia que passa. Enquanto arquiteto, a sua tarefa é encontrar a melhor forma de introduzir e adaptar a tendência de acordo com seu próprio estilo e modo de trabalhar. Você não vai se arrepender!

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *