Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Design em pensamento

Quem será o próximo Pritzker brasileiro?

17/09/2018

Em ensaio livre e baseado em críticas estritamente pessoais, nosso colunista Fernando Mungioli discorre sobre quem seriam os profissionais brasileiros capazes de emocionar o júri da principal premiação mundial da arquitetura. Façam suas apostas nos comentários!

Oscar Niemeyer foi o primeiro arquiteto brasileiro a vencer o Prêmio Pritzker, a principal láurea mundial entre os projetistas do espaço, em 1988. Paulo Mendes da Rocha, considerado o maior arquiteto brasileiro vivo, foi o segundo do país a receber a condecoração, em 2006.

Criado em 1979 pelo casal Jay e Cindy Pritzker, donos da rede de hotéis e da Fundação Hyatt, a premiação é considerada o Nobel da arquitetura e, todos os anos, agracia com um certificado, 100 mil dólares e um medalhão do bronze um arquiteto que cumpra os princípios de Vitrúvio (solidez, beleza e funcionalidade). Embora seja um critério amplo, além de atender aos princípios vitruvianos, os vencedores do Pritzker devem possuir uma trajetória profissional cujas obras contribuam para a humanidade e para o ambiente construído.

A Casa de Final de Semana, de Angelo Bucci, foi finalista do MCHAP em 2014. Paisagismo exuberante e um circuito que conecta os volumes de água em todos os pavimentos qualificam os espaços abertos (Foto: Nelson Kon/Divulgação)

Profissionais e estudiosos de todos os cantos do mundo são chamados pelos organizadores a indicar sugestões de nomes para receber a homenagem, mas também são aceitas indicações diretas. Em um exercício de compreensão da atual safra de arquitetos brasileiros, fui instado a pensar: quem hoje, no Brasil, atenderia aos critérios para ser o próximo Pritzker?

Obra de Loeb Capote (Foto: Leonardo Finotti/Divulgação)

Não há uma linha única de pensamento do júri que facilite esse exercício de futurologia. Porém, de forma estritamente pessoal, procurei algumas diretrizes para ajudar-nos a pensar:

Considerando premiações nacionais e internacionais e sua arquitetura detalhista – herdada da arquitetura moderna, revisitada de forma magistral – poderia-se apostar em Angelo Bucci. O paulista teve uma de suas obras recentes, a Casa de Fim de Semana, indicada como finalista do Mies Crown Hall America’s Prize (MCHAP) em 2017, uma das maiores premiações da atualidade, e possui histórico de obras condizente com o prêmio.

Do Una Arquitetos, a sede do Centro Universitário Maria Antonia extrapola a reforma da edificação ao contemplar também a requalificação do espaço vazio que a separa do prédio vizinho, criando uma nova praça no bairro da Vila Buarque (Foto: Nelson Kon/Divulgação)

Responsável por obras premiadas nos segmentos industrial, corporativo e urbano, áreas que geralmente são “frias” para concepção de projetos mais humanos, Roberto Loeb foi vencedor por duas oportunidades seguidas da condecoração máxima no Prêmio AsBEA, da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura. Já trabalhou com os mestres Rino Levi e Fabio Penteado, e atua em projetos de programas complexos, trazendo a eles inovações tecnológicas e de sustentabilidade.

O Brasil Arquitetura, dos sócios Marcelo Ferraz e Francisco Fanucci, é outro escritório cujo trabalho condiz com as diretrizes do prêmio. Merecedor de diversas condecorações nacionais e internacionais, também foi finalista do MCHAP em 2014, com sua Praça das Artes, e por isso entra na minha lista de possíveis candidatos ao Pritzker.

Inaugurado em agosto passado, o novo Sesc da capital paulista está localizado no centro da cidade. Desenhado por Paulo Mendes da Rocha e pelo MMBB Arquitetos (Foto: Nelson Kon/Divulgação)

Seguindo essa linha de raciocínio, de acordo com aspectos formais, ideológicos e técnicos, caberiam na premiação escritórios como UNA e MMBB, extensamente premiados e merecedores desse salto ao ápice da carreira arquitetônica. Esses dois últimos merecem aposta também devido ao fato de até hoje apenas três mulheres terem sido condecoradas na história do prêmio – Carme Pigem, do escritório espanhol RCR, a japonesa Kazuyo Sejima, do Sanaa, e a iraquiana Zaha Hadid, única a ter sido homenageada sozinha. Fernanda Barbara e Cristiane Muniz, do UNA, e Marta Moreira, do MMBB, possuem todas as condições de trilhar esse mesmo caminho, neste caso, juntas a Fernando Viegas e Fabio Valentim, e Milton Braga, respectivamente.

Ateliê Walz, obra de destaque mais recente de Gustavo Penna, eleito pela UNESCO o melhor projeto de restaurante no Prix Versailles 2018 (Foto: Divulgação)

Grandes nomes nacionais ainda poderiam entrar nessa lista, como Ruy Ohtake, Márcio Kogan e Isay Weinfeld. Porém, se fosse para escolher um único nome, uma solitária opção nesse universo tão rico que é a arquitetura nacional, apostaria no mineiro Gustavo Penna.

Extensamente premiado no Brasil e exterior, Penna me seduz pela forma, pelos materiais, mas principalmente por seu discurso. O chamado “poeta da arquitetura” não se restringe a apenas refletir suas ideias em suas obras, mas também busca disseminar incansavelmente o seu pensamento – romântico e emocionante – em palestras, entrevistas, artigos e livros. Seu mais recente conceito, parte de seu próximo livro, é o das “generoscidades”. Segundo ele, em entrevista recente ao Estado de Minas, são “cidades generosas, mais do que gentis, pois gentileza é uma coisa que passa rápido, é um gesto de elegância e cidadania, mas passa. (…) A ‘generoscidade’ implica em compromisso, durabilidade do gesto”, disse. O poeta da arquitetura, na mesma entrevista, ainda emenda: “Para mim, a arquitetura não é dentro e nem fora, é através. Da conversa, dos espaços, dos sentimentos”.

Projetado por Gustavo Penna e Mariza Machado Coelho, pavilhão criado em 2008 para celebrar o centenário da imigração japonesa no Brasil é carregado de simbolismo (Foto: Jomar Bragança/Divulgação)

Baseando-me na citação oficial do júri para conceder o Pritzker a Paulo Mendes da Rocha, na qual fora declarado que aquele prêmio era destinado  “à criação de uma arquitetura guiada pelo senso de responsabilidade aos habitantes de seus projetos, assim como para uma sociedade mais abrangente”, no “uso inteligente de materiais simples, criando uma arquitetura arrojada” e na “monumentalidade de seus edifícios”, penso que minha aposta, teoricamente, é bastante certeira. E você, apostaria em quem?

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *