Menu
Projetos e Obras
Busca

Pavilhão da Serpentine 2021 é projetado por Sumaya Valley - ao centro (Crédito: Counterspace)

Conteúdo Colunistas

O que o Pavilhão da Serpentine representa para a arquitetura contemporânea?

17/02/2021

Em 20 anos de programação, a arquiteta Sumaya Valley (da África do Sul) é a terceira mulher escolhida para projetar o Pavilhão da Serpentine 2020 (adiado para 2021 por conta da pandemia).

O surgimento do pavilhão no gramado da Galeria Serpentine é um sinal de que o verão em Londres chegou.

Aperte o play abaixo para também escutar o áudio do artigo:

Há 20 anos a galeria Serpentine UK convida uma arquiteta ou um arquiteto que ainda não teve um projeto construído em Londres, para criar o pavilhão que já é marca registrada na paisagem londrina durante o verão.

O amplo gramado ao lado do Lago Serpentine é um papel em branco para os arquitetos criarem seu manifesto arquitetônico em forma de pavilhão.

Nomes como o de  Zaha Hadid (2000), Oscar Niemeyer (2003) e Rem Koolhaas (2006)  já estiveram em sua programação, respectivamente. Para destacar o quão notável é ser comissionado pela galeria, até 2015, 2/3 dos arquitetos que projetaram o pavilhão da Serpentine ganharam o Pritzker – a premiação conhecida como “o Nobel da arquitetura”.

Oscar Niemeyer foi o primeiro ganhador do Pritzker a ser comissionado pela Galeria e o único brasileiro dentro da programação.

Imagem da Galeria Serpentine no Hyde Park em Londres (Crédito: Serpentine)

O pavilhão é responsável por trazer uma reflexão inovadora para a cultura arquitetônica e por isso é tão aguardado pela comunidade de arquitetos. 

O projeto é desenvolvido durante seis meses, o que torna o processo todo mais intenso. Apesar do programa arquitetônico ser simples por se tratar basicamente de um espaço que promova o convívio da comunidade londrina, ele também é complexo, por carregar uma enorme subjetividade envolvida neste processo todo. 

Aqui eu chamo de “subjetividade” a ausência das mulheres ao longo da existência deste programa.

Em 20 anos de programação, a arquiteta Sumaya Valley (África do Sul) escolhida para projetar o Pavilhão da Serpentine 2020 (adiado para 2021 por conta da pandemia) é a terceira mulher convidada, sendo antecedida somente por Zaha Hadid (Iraque) e Frida Escobedo (México). É importante ressaltar a ausência de mulheres em grandes eventos e premiações de arquitetura, pois o não-reconhecimento das produções destas é uma lacuna a ser preenchida, que temos, a todo custo, tentar preencher. 

Essa crítica, além de construir minha pesquisa-ativista, me fez criar o Projeto Arquitetas Negras em 2018, que hoje tem mapeadas 625 arquitetas negras em todo o Brasil. As arquitetas negras brasileiras também sofrem com o não-reconhecimento de suas produções. 

Por isso, a partir deste mapeamento, tenho criado ações que geram reflexão acerca das desigualdades existentes no exercício da profissão de arquitetura. Desigualdades estas que partem de questões de raça, classe e gênero.

Por este motivo, destaco o pavilhão 2020 projetado pelo escritório Counterspace – liderado por Sumaya,  como um rompimento das barreiras coloniais e sexistas que escondem uma expressiva contribuição teórica, crítica e prática para o campo da arquitetura.

Counterspace – Joanesburgo, África do Sul

Da esquerda para a direita: Amina Kaskar, Sumaya Valley e Sarah de Villiers
(Crédito: Counterspace)

CounterSpace é um escritório interdisciplinar de arquitetura, localizado em Joanesburgo, África do Sul. Liderado pela arquiteta Sumaya Valley – que eu tive a alegria de tomar conhecimento a partir de uma participação que fizemos em 2020 como juradas da disciplina do mestrado de arquitetura da Universidade Columbia, Nova York, a convite da professora arquiteta Amina Blackshear – que eu falarei sobre o trabalho em outros textos.

O projeto é inspirado nas comunidades da periferia de Londres, que é majoritariamente ocupada por estrangeiros. O conceito é construído tendo como base a sobreposição de diferentes lugares de importância significativa para essas comunidades, que a partir de um jogo de adição e subtração de formas, geram uma nova forma arquitetônica convidativa à celebração da diversidade da periferia de Londres.

Projeto de Sumaya Valley para o Pavilhão da Serpentine

Sumaya descreve seu projeto assim:

O próprio pavilhão é concebido como um evento – nele a reunião de uma variedade de formas de toda a cidade de Londres serão apresentadas durante toda sua permanência. Essas formas são impressões de alguns lugares, espaços e artefatos que contribuíram para construção de parte da identidade de Londres.

As quebras, gradientes e distinções de cor e textura entre as diferentes partes do Pavilhão tornam essa reconstrução legível à primeira vista. Como um objeto, experimentado por meio do movimento, o pavilhão tem continuidade e consistência, mas a diferença e a variação estão embutidas no gesto essencial entendido a cada passo. ”

Pavilhão da Serpentine
Projeto de Sumaya Valley para o Pavilhão da Serpentine

Como a própria Sumaya descreve, a forma é concebida a partir da releitura de recortes sobrepostos de imagem de lugares significativos para as comunidades periféricas de Londres. Os materiais construtivos escolhidos também contribuem para a validação do conceito, que diz sobre a junção, a aglomeração, o hibridismo. O tijolo reciclado, é o resultado da mistura de resíduos de construção. Já a cortiça, é escolhida por ser extraída somente da casca do Sobreiro e desta forma evita que o mesmo seja derrubado, contribuindo para a sustentabilidade da obra.

Muito temos a aprender com a experiência de escritórios de arquitetura no sul da África e até mesmo aqui, com nossos vizinhos da América do Sul.

Pois como diz Sumaya:

Não há território neutro. Todos os territórios estão vinculados. 

A experiência de uma arquiteta na África do Sul possui mais vínculos com a experiência das arquitetas negras da América do Sul do que podemos imaginar. Contextos sociais, econômicos e outros tantos reafirmam a ligação África-Brasil que, ainda bem, nunca será perdida.

Sobre estes vínculos, também falarei em outro texto.

Por ora, celebro o fato de termos mulheres do sul global ocupando espaços de prestígio no campo da arquitetura.

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *