Menu
Projetos e Obras
Busca
Jardins do Palácio de Veralhes

Conteúdo Design

Palácio de Versalhes: Google Arts & Culture convida a uma visita

11/11/2019

Com o Google Arts & Culture, você poderá visitar o Palácio de Versalhes sem sair do conforto da sua casa.

Grande símbolo do poder dos monarcas na França absolutista, o Palácio de Versalhes é, sem exageros, um dos mais belos e conhecidos pontos turísticos do mundo.

Além de ser um grande ícone de toda uma época, a sua arquitetura e decoração representam o padrão de vida luxuoso da nobreza, uma vez que o local foi moradia dos reis franceses entre 1682 e 1789.

Conhecer o Palácio de Versalhes é um dos grandes sonhos de qualquer pessoa que seja amante das artes e do design. E a boa notícia é que agora isso ficou fácil graças à tecnologia. O Google Arts & Culture possibilita que você aprecie toda a beleza da obra renascentista sem sair de casa.

Continue conosco e saiba como!

A história do Palácio de Versalhes: da compra ao redesign

Luís XIV, o rei Sol, foi quem idealizou o Palácio dos Versalhes como conhecemos hoje

Luís XIV, o rei Sol, foi quem idealizou o Palácio dos Versalhes como conhecemos hoje (Foto: Anthony Choren)

O rei Luís XIII da França foi o responsável pela compra do Palácio de Versalhes, um opulento castelo que fica a apenas 20 km de Paris.

Antes da idealização do palácio no século XVII, Versalhes era um vilarejo rural, que contava com apenas uma igreja e um pequeno castelo. Luís XIII, que gostava muito de caçar, costumava ir até à região para encontrar as suas presas.

Quando foi nomeado o senhor de Versalhes, Luís XIII comprou o castelo que havia na vila e decidiu expandi-lo, adquirindo mais terras e propriedades nos arredores. Ele morreu em 1643.

O próximo governante francês que se encantou por Versalhes foi Luís XIV, conhecido como o “rei Sol”, por conta de sua crença de que um governo só funcionaria bem se fosse centralizado em seu senhor.

A mais famosa pintura do Rei XIV mostra o quanto ele gostava de trajes finos e ornamentações

A mais famosa pintura do Rei XIV mostra o quanto ele gostava de trajes finos e ornamentações (Pintura: Hyacinthe Rigaud)

Luís XIV via o palácio em Versalhes como um domicílio pequeno e insignificante. Por isso, planejou reestruturá-lo, acrescentando alas norte e sul, bem como outros edifícios nos terrenos vizinhos. Foi feito, assim, um redesign da obra original.

Em 1662, Luís XIV, que até então vivia onde hoje é o Museu do Louvre, em Paris, resolveu se mudar para o Palácio de Versalhes. O motivo da troca de endereço se deveu ao fato de o nobre governante ter se sentido ameaçado por forças políticas parisienses, que ganhavam força.

Portanto, foi Luís XIV quem planejou a reconstrução do magnífico palácio. Para isso, ele contratou o arquiteto Louis Le Vau e o artista Charles Le Brun. Começaram assim as obras da residência real, barroca e ornamentada, que se tornou referência para os demais castelos europeus.

Luís XIV transferiu todo o governo francês e a sua corte para o Palácio de Versalhes em 1682, quando as obras foram finalizadas.

Arquitetura do Palácio de Versalhes: o barraco e o gótico lembrando o medieval

A Galeria dos Espelhos é um dos cômodos mais conhecidos do Palácio de Versalhes

A Galeria dos Espelhos é um dos cômodos mais conhecidos do Palácio de Versalhes (Foto: Paris City Vision)

Um dos ambientes mais conhecidos do Palácio de Versalhes é a Galeria dos Espelhos. A ideia de sua criação partiu do próprio Luís XIV, que imaginou uma grande sala com 17 arcos espelhados, que refletem em 17 janelas com arcadas voltadas para um jardim.

Cada arco tem 21 espelhos, perfazendo um total de 357 refletores de imagem. O salão ainda conta com estátuas e bustos alinhados, responsáveis por atrair milhões de visitantes todos os anos.

A Galeria dos Espelhos também tem grande relevância histórica. Afinal, foi lá que os governantes alemães assinaram o Tratado de Versalhes, que colocou um ponto final na Primeira Guerra Mundial, em 1919.

A Capela Real é um dos principais pontos do Palácio de Versalhes

A Capela Real é um dos principais pontos do Palácio de Versalhes (Foto: S. Eid)

Outro ponto impressionante do Palácio de Versalhes é a Capela Real, que mescla os estilos gótico e barroco. Muitas das suas características lembram as catedrais medievais, tendo um telhado pontiagudo e gárgulas.

Apesar disso, boa parte do design da capela foi baseado em motivos do século XVII, como colunas ornamentadas, pilares esculpidos e pisos coloridos de mármore. No segundo andar da há uma tribuna, na qual o rei acomodava os seus convidados especiais durante as missas.

Toda a decoração traz pinturas e esculturas que representavam o poder da monarquia, exaltando o “direito divino” que o rei tinha de liderar o seu povo.

Visita ao Palácio de Versalhes: Google Arts & Culture proporciona experiência incrível

A cama que pertenceu a Luís XIV pode ser vista no Palácio de Versalhes

A cama que pertenceu a Luís XIV pode ser vista no Palácio de Versalhes (Foto: Paris City Vision)

O Google Arts & Culture é um site mantido pela gigante da tecnologia em parceria com museus espalhados por diversos países. Oferecendo uma tecnologia similar à do Google Street View, que mapeia as cidades em 3D, são oferecidas visitas virtuais gratuitas a algumas das maiores galerias de arte do mundo.

Um desses locais é o Palácio de Versalhes. Por meio da fotometria, o Google recriou todas as 24 salas da edificação em um ambiente virtual. Assim, você pode visualizar o ponto turístico sem ter que sair de casa.

A experiência imersiva permite até mesmo explorar a Galeria dos Espelhos, em seus 73 metros de comprimento. A cama do rei Luís XIV e as belíssimas joias que pertenceram à rainha Maria Antonieta também podem ser visualizadas com riqueza de detalhes.

Maria Antonieta foi a última rainha consorte da França antes do início da Revolução Francesa

Maria Antonieta foi a última rainha consorte da França antes do início da Revolução Francesa (Pintura: Jean-Baptiste-André Gautier-Dagoty)

Para visitar o Palácio de Versalhes de forma virtual é muito simples: basta acessar o site do Google Arts & Culture e começar a experiência imersiva. Temos certeza de que você ficará encantado com tudo o que verá.

É claro que a visita presencial ainda leva vantagem. Porém, a experiência virtual é tão interessante quanto e possibilita que você escolha quais partes do palácio mais deseja ver pessoalmente, em uma viagem futura.

A visita virtual ao Palácio de Versalhes também é interessante para quem busca insights para obras com os estilos gótico e barroco, bem como para os amantes de história e arquitetura.

Não perca mais tempo! Acesse agora mesmo o Google Arts & Culture e visite o Palácio de Versalhes.

E para continuar aprendendo sobre a arquitetura gótica, não deixe de acessar o nosso artigo que mostra as suas principais características e onde encontrar esse estilo.

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *