Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Matérias

Passo a passo: inove construindo painéis de azulejo decorativos

22/06/2018

Neste post, conversamos com arquitetas que utilizaram os azulejos em alguns projetos e nos contam truques para escolher a estampa ideal, fazer uma paginação criativa e mais!

A arquiteta Renata Leony, que está à frente de um escritório com as sócias Eliana Lyra e Alba Suerdieck, visitava um condomínio fechado em Goiânia, a fim de elaborar um projeto para uma família que vivia no local, quando percebeu que as casas ao redor eram semelhantes demais entre si: “A gente via fachadas muito parecidas, muito brancas, com portas lisas de madeira, e queria fazer alguma coisa diferente”.

A solução que as sócias encontraram foi investir em um painel de azulejos decorativos bem na fachada da casa. Elas escolheram peças que trazem um toque vintage ao ambiente de ares modernos, como as da Linha Rio Retrô.

Projeto de fachada de casa de Eliana Lyra e Alba Suerdieck

Para quem acha que não é possível inovar na utilização de peças desse tipo, o projeto delas dá uma aula: a parede decorada da fachada segue com o mesmo revestimento para dentro da sala de jantar da casa, marcando a continuidade estilística entre exterior e interior.

E não é apenas na fachada que se pode inovar com painéis de azulejo decorativos! No Archtrends Portobello, encontramos projetos de cozinhabanheiro e área gourmet, entre outros ambientes, que provam que, com ousadia e competência, é possível encaixar esse material em diversos lugares.

Quer saber como você pode levar estilo e inovação ao seu projeto? Continue lendo este artigo e encontre algumas dicas preciosas!

Cozinha com azulejos diferenciados do projeto de Jô Magalhâes

1. Escolha a estampa ideal

Quando falamos em azulejos decorativos, pode ser que você logo tenha imaginado peças com padrões elaborados como os que a Renata e as sócias utilizaram no projeto delas, da linha Rio Retrô. Em alguns casos, essa realmente é uma boa opção, mas não é a única!

A própria Renata esclarece: “A gente vai procurar um tipo de azulejo para cada obra. Pode estar atrás de algo mais décor, algo com mais textura ou uma coisa mais neutra, tom sobre tom. Depende muito da situação”.

A escolha da estampa deve seguir o estilo que se deseja alcançar em todo o ambiente. A arquiteta Marcella Peixoto sabe bem disso. Ela trabalhou com o discreto Reta Br, da linha Quadrante, em uma parede da cozinha de um apartamento. Os clientes eram um jovem casal que desejava um ambiente mais contemporâneo.

“Eles queriam um azulejo que fosse decorado, mas ao mesmo tempo não queriam uma decoração excessiva, que pudesse ficar cansativa.

Projeto de cozinha da arquiteta Marcella Peixoto

Então, a gente achou esse modelo muito bacana, porque ele dá personalidade ao espaço, mas sem ser enjoativo. Eles vão morar ali dois, cinco, dez anos e aquilo não vai incomodar, porque é uma estampa interessante, mas com branco no fundo”, ela explica.

2. Harmonize com o ambiente

Os painéis decorativos, como o próprio nome indica, são planejados, principalmente, como um item de decoração. Eles naturalmente chamam atenção para si em um ambiente, portanto, é essencial que estejam em equilíbrio com os outros elementos do espaço para tudo não se tornar uma grande bagunça visual.

Você pode trabalhar com a ideia de uma combinação mais próxima entre estilos e tons ou investir no contraste. Marcella Peixoto, por exemplo, buscou uma associação mais neutra entre os revestimentos da cozinha e da sala de estar, que são integrados.

Ela resume: “Quando você trabalha com ambientes integrados, é necessário harmonizar tudo, cozinha e sala. O painel de azulejos decorativos acaba sendo um ponto de atenção, para o qual a gente direciona o olhar, e os outros pontos a gente trabalha de forma mais neutra, para não haver excesso de informação.

O revestimento que a gente utilizou na sala é um tijolinho, que também é um ponto de atenção, mas não tem estampa, então é mais neutro”.

Projeto de sala com tijolinhos de Marcella Peixoto

Já a arquiteta Nana Okasaki, da Sala de Arquitetura, seguiu a linha do contraste em um projeto de área gourmet de um apartamento em Londrina. “A gente queria unir o estilo mais contemporâneo com o estilo rústico predominante”, ela diz.

Um dos revestimentos que predominam no local, trazendo esse tom rústico que ela comentou, é a madeira. O toque contemporâneo ficou por conta da geometria das peças Mini, da linha Ampla Design, que ela aplicou em um pilar na área de estar e em uma parede próxima à churrasqueira amadeirada. É um exemplo sobre como os painéis de azulejo decorativos podem transformar o conceito do ambiente.

Projeto de Nana Okasaki

3. Atente para a paginação

Após escolher a estampa dos azulejos e ter certeza de que eles harmonizam com o ambiente em que serão aplicados, é hora de se preocupar com a paginação. “A paginação vem antes de tudo na obra, então o conceito do azulejo tem que vir junto do projeto”, acredita Marcella Peixoto.

Ela explica que, em uma cozinha em que os azulejos serão aplicados atrás da pia — como no próprio projeto dela —, o ideal é que as peças sejam assentadas antes da bancada, para evitar cortes grosseiros nos azulejos e respeitar a paginação idealizada segundo o desenho e o tamanho deles. “Se você gostou de um azulejo 20×20 e depois troca para um de 15×15, não vai ter tanto sentido mais”, ela diz.

Nos projetos dela, primeiro vem a diagramação das peças, depois elas são agrupadas no chão e, só então, passam à parede. Em casos como o dela, em que a marmoraria mediria a bancada só após o assentamento dos azulejos, existe mais liberdade na escolha das peças.

Mas quando a bancada ou outro elemento do ambiente já está colocado, o mais indicado é escolher o formato de azulejos que comportem a paginação desejada sem precisar de muitos cortes.

Marcella também dá dicas para aproveitar as várias possibilidades de desenho que os azulejos permitem, tornando único cada projeto com esse tipo de peça.

Foi o que ela fez quando utilizou os azulejos Reta Br, que são simples linhas e, portanto, permitem diversas combinações.

“Eu não queria que o desenho formasse triângulos, algo, vamos dizer assim, clichê. Na época, eu vi o catálogo da Portobello e tinha uma paginação parecida com a que eu fiz, mais livre, que forma um desenho mais abstrato”, relembra. E também vale inovar na forma, como nos formatos retangulares da linha Azuleja e nos hexágonos decorados St. Barth.

E você, já utilizou painéis de azulejo decorativos em alguma obra? Que tal cadastrar esses e outros projetos no Archtrends Portobello? Nos próximos conteúdos, pode ser você falando sobre suas escolhas arquitetônicas!

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *