Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Matérias

Otimização de espaços: 5 dicas para projetos em áreas compactas

20/11/2017

Quer saber como criar um projeto diferenciado em ambientes menores? Então confira o post que preparamos pra você!

Pode esquecer aquela ideia de que quanto menor o local, mais limitado o projeto. A otimização de espaços vem sendo percebida nos últimos tempos a partir de projetos cada vez mais funcionais, o que prova que é possível decorar ambientes compactos de forma única e criativa.

Novas estratégias de decoração para áreas menores surgem com cada vez mais força no mercado, acompanhando o estilo de vida de uma população jovem que já não sonha com residências tão grandes quanto as do passado.

Quer conhecer as principais dicas e práticas para planejar e decorar áreas compactas sem perder a originalidade no projeto? Não perca tempo, acompanhe tudo que você precisa saber nesse post!

1. Utilização de espelhos ao redor do ambiente

Além da função tradicional que o espelho assume em cômodos como o quarto e banheiro, ele tem outra vantagem muito grande: a capacidade de ampliar ambientes compactos. Para que isso aconteça, é importante posicioná-lo em locais estratégicos.

Veja a seguir algumas formas de usar espelhos para a otimização de espaços:

  • escolher modelos que vão do chão até o teto;
  • posicionar os espelhos perto das janelas a fim de valorizar a iluminação natural;
  • deixá-lo próximo ou ao lado da mesa em salas de jantar;
  • investir em móveis com espelhos embutidos, como guarda-roupas, racks de TV e aparadores;
  • colocar espelhos no corredor para ganhar profundidade.

Lembre-se: quanto maior a área que o objeto abrange, maior a sensação de amplitude.

A parte do cômodo onde o espelho será posicionado também é importante. Pense em colocá-lo perto de móveis e elementos que merecem destaque, já que eles serão duplamente visualizados.

Cuidado para não posicionar o espelho junto a áreas que já estão “cheias de informação”, pois isso pode carregar muito o espaço.

2. Projeto de iluminação diferenciado

Na hora de criar um projeto que de fato funcione na prática, é preciso pensar no conforto (ou no desconforto) visual que a luz pode gerar para os moradores da casa.

Avalie a tonalidade das lâmpadas. Aquelas de luz amarelada, ou seja, de tom quente, proporcionam sensação de aconchego e conforto. Seu uso é aconselhado nos locais onde não é preciso trabalhar ou realizar atividades que demandam muito esforço da mente. Sala de estar, de TV, quarto e sala de jantar são ambientes que harmonizam bem com esse tipo de iluminação.

Já os modelos que emitem luz azulada e “fria” estimulam muito a atenção e a criatividade. Pensando nisso, é legal colocá-los em espaços como a cozinha, locais de trabalho ou estudo e nos banheiros, por exemplo.

Quer uma dica para aquelas áreas que podem ser usadas em mais de uma função, como a sala de jantar? Aplique focos de luz de ambas as tonalidades. Dessa forma, será possível intercalar as duas cores de acordo com as necessidades do momento.

Acenda as lâmpadas ou luminárias de tom frio na hora de estudar ou trabalhar. Já quando estiver recebendo visitas para um jantar, por exemplo, priorize a iluminação quente.

Agora é a hora de saber as melhores formas de posicionar cada um dos focos de luz pensando na otimização de espaços:

  • a iluminação natural é fator-chave para ampliar ambientes, já que muita luz artificial pode causar uma sensação de “aperto” ou de falta de espaço;
  • pequenos focos de luz artificial ajudam a destacar elementos que merecem atenção. Faça isso valorizando áreas que têm espelho perto ou aquelas nas quais a luz natural não chega de forma tão eficiente;
  • troque as paredes por objetos que possam servir de divisória, como estantes vazadas e bancadas (separando a cozinha do resto da sala sem a necessidade de colocar uma parede, que prejudica a iluminação dos ambientes integrados);
  • janelas grandes são uma ótima estratégia. Além de ajudarem na iluminação natural, dão a sensação de que o ambiente é maior por causa da vista de fora.

 

 

3. Escolha de um estilo de decoração minimalista

Imagine só ter um apartamento de 70 metros quadrados todo decorado com traços clássicos, cheios de móveis imponentes, cortinas grandes com várias camadas e colunas em cada um dos cômodos? Parece apertado, não é mesmo?

estilo minimalista cumpre muito bem a tarefa de auxiliar na organização e otimização de espaços. Seu pilar principal é definido pela seguinte frase: “menos é mais” — e é bom ter isso em mente em todos os momentos do projeto.

Sabendo disso, que tal focar em peças estratégicas? Você pode selecionar poucos móveis, porém com tamanhos maiores — uma excelente maneira de reproduzir a decoração minimalista. Materiais frios como o cobre, o vidro e o alumínio podem ser usados com destaque.

Invista nos detalhes e na qualidade dos materiais, e não na quantidade.

4. Seleção de paleta de cores com tons claros

Cores claras funcionam muito bem, pois elas têm a capacidade de ampliar e iluminar um cômodo. Além de pintar as paredes com tonalidades próximas do branco, é importante que o teto sempre acompanhe o padrão, já que tons escuros dão a sensação de que o ambiente é menor do que realmente é.

Já que estamos trabalhando com um cenário no qual os locais já são compactos, a última coisa que você quer é passar uma impressão de “sufoco”, não é mesmo?  Os tons em off-white são uma boa alternativa para fugir do branco tradicional, ou seja, não se preocupe: seu projeto não ficará monótono ou sem-graça.

Móveis e objetos de decoração servem para gerar contraste com a paleta de cores suave das paredes. Sinta-se livre para colorir o ambiente com quadros, vasos, almofadas, racks de TV, aparadores e cortinas.

5. Busca por revestimentos que deem sensação de profundidade

Inicialmente, é bom pensar no projeto com base em cores como o branco, o off-white e o bege. Caso você queira inovar um pouco, tons frios (porém não tão escuros) podem ser usados sem problema algum. Cinza-claro e revestimentos que fazem referência ao cimento também funcionam muito bem.

Tome nota de algumas dicas iniciais:

  • se o revestimento tiver linhas, posicione-as na direção que você pretende ampliar;
  • o contraste entre revestimentos claros e escuros é um dos melhores truques em matéria de otimização de espaços.

Para que seja possível realizar a oposição entre tons claros e escuros, é interessante usar revestimentos “opostos”. Por exemplo:

O porcelanato, que inclusive é a melhor opção de revestimentos para ambientes compactos, pode ser usado em um tom branco e gelado em toda a sala. Para que o contraste seja feito, aplique detalhes de madeira com tonalidade quente em bancadas ou até mesmo em uma parte da parede. Existem modelos de porcelanato que reproduzem a madeira que se encaixam bem nesse conceito.

Se o porcelanato amadeirado for frio, é possível aplicá-lo em todo o piso sem prejudicar o esquema de otimização de espaços do seu projeto. O contraste será sutil, visualmente bonito e moderno.

E então, preparado para arrasar na otimização de espaços e em toda a originalidade que um ambiente compacto pode ter? Compartilhe o post nas redes sociais e não deixe de comentar suas impressões abaixo!

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *