Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Colunistas

O poder do design no contexto urbano

12/01/2018

Foi-se o tempo em que o bom design era restrito aos objetos de desejo para o lar, ou a uma cadeira ergonômica para o trabalho. Design é tudo e é para todos. É o desenho em prol do benefício, seja em um objeto decorativo, funcional, em edificações ou num contexto mais amplo, o urbano.

Quando falamos em design, a primeira imagem que vem à mente é a de um objeto. No Brasil, os cursos de graduação em desenho industrial, criados a partir da década de 1960 – denominados cursos de ‘projética’ –, foram primeiramente transformados em ‘design industrial’, depois se espalharam como design de objeto, automotivo, de interiores, de móveis etc. O termo em inglês é tão difundido que deparamos até com designers de sobrancelhas. Sim. Como se diz nos tempos atuais, o termo viralizou.

Quando se fala em design para todos, traduz-se como democracia. E nenhuma escala de projeto é mais democrática do que o planejamento urbano. Algumas iniciativas recentes trouxeram à tona um debate saudável sobre o tema, e começam a aparecer no cotidiano dos brasileiros.

A começar pelo mobiliário urbano, que durante décadas era concreto sobre concreto, em qualquer praça do país. Hoje, incentivados pela latente demanda por espaços públicos com qualidade paisagística e material, além das oportunidades advindas de leis como a Cidade Limpa, de São Paulo, fabricantes passaram a investir no desenvolvimento (outro termo possível para traduzir design) e comercialização de bancos, equipamentos esportivos e abrigos de ônibus, entre outros.

Foi comum, no início, o estranhamento do poder público em relação ao custo (hoje mais competitivo) e aos motivos pelos quais deveriam largar mão do banco de praça tradicional e passarem a olhar esses equipamentos como instrumentos de bem-estar para a população.

Na orla da Barra, em Salvador, foram instalados bancos da mmcite8, adaptados com um sistema de remoção sofisticado, para retirada periódica durante o carnaval (Foto: Divulgação)

Licitações públicas, no geral, não consideram a qualidade do design, ergonomia e projeto urbano. Com isso, algumas empresas adotaram modelo pelo qual os projetos são previamente financiados por patrocinadores, e depois apresentados às prefeituras para que permitam a instalação. É o modelo mais comum no caso de parklets e equipamentos esportivos.

Especializada em equipamentos esportivos, a Mude implantou estações de ginástica em toda a orla do Rio de Janeiro, com financiamento privado (Crédito: Divulgação)

Parque Linear do Rio Piracicaba, projeto de Stuchi & Leite intenção de tirar as pessoas de casa e trazer qualidade de vida aos moradores da região (Foto: Maíra Acayaba)

Áreas antes sem condições para uso do pedestre, hoje são ocupadas pelas famílias, também no Parque Linear do Rio Piracicaba (Foto: Maíra Acayaba)

Um dos designers mais reconhecidos do país, o premiado Guto Índio da Costa pode ser considerado um expert em equipamentos urbanos. De sua autoria, podem ser vistos desde os abrigos de ônibus da cidade de São Paulo – a maior concessão de mobiliário urbano na história do Brasil –, passando pelos quiosques de Copacabana, no Rio de Janeiro, até o recente VLT Carioca, um exemplo literal de design aplicado ao bem-estar e à mobilidade urbana.

Quatro tipologias de abrigos de ônibus foram criadas por Guto Índio da Costa para cidade de São Paulo brutalista, minimalista, high-tech e caos (foto) ( Crédito: Divulgação)

VLT Carioca urbanismo e design reforçam a identidade do transporte público no Rio de Janeiro. (Foto: Leonardo Lopes)

Em escala um pouco maior, projetos de escritórios renomados justamente pelo ativismo urbano começam a aparecer como diferenciais em relação ao contexto passado. Em ávida luta juntos aos contratantes – as prefeituras –, conseguem impor novas formas, necessidades e pensamento coletivo, com diferenciais agudos que saltam aos olhos.

Requalificação da orla de Ilha Comprida, projeto de Boldarini Arquitetos. Intermediação com acessibilidade. (Foto: Boldarini/ Divulgação)

Projeto vencedor do terceiro URBAN21 propõe a requalificação de duas áreas no 4º Distrito de Porto Alegre – desenvolvido por equipe de estudantes da PUCRS (Foto: Divulgação)

Exemplos como a orla de Ilha Comprida, o Cantinho do Céu, ou o Parque Linear do Rio Piracicaba, no estado de São Paulo, são cada vez mais comuns. No intuito de formar uma geração de pensadores urbanos dentro das universidades, uma iniciativa da revista Projeto em conjunto com a Alphaville Urbanismo ganhou recente destaque no meio dos medalhões do urbanismo nacional. Com a ideia de discutir uma escala intermediária, entre a polarizada relação da edificação versus plano urbano, o Urban21 – Concurso Universitário de Urbanismo, indo para sua quarta edição e com participação de centenas de universidades de todo o país, traz o debate sobre pequenas possibilidades de ações locais, o estudo de áreas menores de intervenção, feito pelos estudantes que estão, in loco, vivenciando a questão. No médio prazo, esses futuros profissionais certamente trarão um olhar especial para as cidades brasileiras. Uma literal luz no fim dos túneis. Que haja, para cada via criada pela histórica política rodoviarista do último século, uma praça agradável para contemplar a vida urbana.

  • Crédito da foto em destaque: Boldarini / Divulgação

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *