Menu
Projetos e Obras
Busca

Museu do Ipiranga tem previsão de reabertura para 7 de setembro de 2022 (Foto: Felipe Lange Borges/Flickr)

Conteúdo Matérias

Museu do Ipiranga: arquitetura monumental renovada

19/05/2022

Em reforma desde 2019, o Museu do Ipiranga tem previsão de abertura para 2022, ano do Bicentenário da Independência. Leia o artigo para saber mais

O Museu do Ipiranga, nome pelo qual é chamado o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, é o museu público mais antigo e um dos espaços culturais mais importantes da cidade de São Paulo.

Faz parte do conjunto arquitetônico do Parque da Independência, localizado no bairro do Ipiranga.

A arquitetura monumental do museu é uma das características que mais atraem a atenção dos visitantes. Fazem parte de seu acervo importantes obras de arte, mobiliário e diversos objetos relevantes historicamente.

Muitas das peças presentes no museu têm uma relação forte com a Independência do Brasil, momento que impulsionou o nascimento deste espaço cultural e educacional tão valioso.

Fechado desde 2017, o Museu do Ipiranga promete reabrir as portas em 2022, ano de comemoração dos 200 anos da Independência.

Continue lendo para saber mais sobre o museu, sua arquitetura, seu acervo e muito mais!

Conheça um pouco da história do Museu do Ipiranga

Museu do Ipiranga é o grande símbolo da Independência do Brasil (Foto: Governo do Estado de São Paulo/Flickr)

A inauguração do Museu do Ipiranga aconteceu em 7 de setembro de 1896. Na época, ele foi criado para ser um Museu de História Natural e, de certa forma, demarcar a proclamação da Independência do Brasil, um episódio nebuloso no imaginário popular.

A coleção particular do Coronel Joaquim Sertório formou o primeiro núcleo de acervo do museu.

Mas foi em 1922, época do Centenário da Independência, que a instituição reforçou seu papel histórico, criando novos acervos. A parte interna do edifício foi decorada com pinturas e esculturas que narram a história do Brasil.

Desde 1963, o museu funciona como um órgão da Universidade de São Paulo. Por isso, além de exposições, realiza diversas atividades de pesquisa, ensino e extensão.

Até ser fechado para reformas, o Museu do Ipiranga abrigava mais de 125 mil itens – incluindo objetos, iconografia e documentos – que ajudam a compreender a história paulista e de toda a sociedade brasileira.

Arquitetura monumental do século XIX

A ideia de construir um edifício no local onde ocorreu o evento da Independência do Brasil existia deste quando ele se deu. Porém, o projeto só começou a ser desenvolvido em 1884, com a contratação do arquiteto e engenheiro italiano Tommaso Gaudenzio Bezzi.

Um ano depois, o edifício começou a ser construído, ganhando forma em conjunto com diversos elementos decorativos. Apesar da inspiração renascentista, o estilo arquitetônico do Museu do Ipiranga é considerado eclético.

Imagem da construção do Museu do Ipiranga, 3 anos após o início das obras (Foto: Domínio Público/Wikipedia)

Esse estilo é marcado tanto pela configuração arquitetônica quanto pelas técnicas construtivas. Naquela época, em que as construções eram de taipa de pilão, o uso da técnica de alvenaria, com tijolos cerâmicos, chamou a atenção.

Mas a construção também usou técnicas coloniais a partir das estruturas de madeira, pedra argamassada e paredes de tabique. Entre outras características que marcam a estética do museu estão os grandes arcos, pé direito de 6 metros e abóbadas de tijolos de barro.

Além disso, o ecletismo também está presente na integração do museu com o conjunto do Parque da Independência. O Salão Nobre, que marca o centro do edifício, está em simetria com o Monumento da Independência e a avenida Dom Pedro I.

Essa configuração é reflexo dos modelos urbanísticos criados em Paris no século XVIII e levados para outras partes do mundo nos séculos seguintes.

Vista aérea do edifício do Museu do Ipiranga e seu jardim (Foto: Governo do Estado de São Paulo/Flickr)

Durante a sua construção, a obra foi uma verdadeira escola de arquitetura, que depois forneceu mão de obra para diversos projetos na cidade. O resultado disso foi a criação de um museu que passou a ser visto como monumento.

Além dos arcos e colunas nas fachadas, cheias de ornamento, o interior se destaca pela elegância das escadarias de mármore, piso de cerâmica, esculturas, grandes pinturas e galerias abertas.

Obras sobre os episódios da história de São Paulo

A escadaria do Museu do Ipiranga representa o rio Tietê, de onde partiram os bandeirantes em direção ao interior do país. Ainda é possível observar outros importantes rios representados no corrimão por esferas com águas.

Estátuas de alguns bandeirantes presentes no salão do Museu do Ipiranga (Foto: Mike Peel/Wikimedia)

O Museu também conta com estátuas de bandeirantes, mostrando as regiões por onde eles passaram. Isso sem falar nas pinturas que narram outros acontecimentos ligados ao ciclo do ouro, à caça aos indígenas e à conquista de outros locais.

No centro do salão principal, está a estátua de Dom Pedro I, representado como o herói da Independência do Brasil.

Reabertura que marca os 200 anos da independência do Brasil

Mesmo tendo o status de monumento, a estrutura do museu foi afetada por rachaduras, e infiltrações levaram ao seu fechamento em 2013. Desde então, está fechado para visitação e grande parte do acervo teve que ser transferida.

Em 2019, começaram as obras de restauração e modernização. Trata-se de uma obra complexa, que conta com cerca de 300 profissionais. Só para reduzir a passagem de calor nas áreas internas, mais de 450 janelas e portas tiveram que ser restauradas e receber vidros especiais.

Por isso, o projeto foi dividido em diversas etapas: elaboração de Programa de Necessidades, Diagnóstico Estrutural e das Fachadas, Concurso Público para Seleção do Projeto Arquitetônico e de Restauro, Estudo Preliminar, Projeto Básico, Projeto Executivo, licitação e execução da Obra e implantação de novas exposições e áreas técnicas.

Reformas também estão sendo feitas na parte interna (Foto: Governo do Estado de São Paulo/Flickr)

Esse é o primeiro caso de restauração de patrimônio tombado que inclui uma ampliação. Além de aumentar a parte destinada à visitação, passando de 7 mil para 14 mil m², outra área está sendo construída.

Ela inclui um auditório com capacidade para receber 200 pessoas, salas de exposições temporárias, loja, café, sala para atendimento do programa educativo, entre outros. A proposta é elevar o Museu ao nível dos grandes museus internacionais.

Quando estiver pronto, o edifício inteiro estará disponível para visitação pública, com capacidade para receber mais de 500 mil visitantes ao ano. Os espaços que antes eram usados pela administração, biblioteca, reservas de acervo e laboratórios serão transformados em salas de exposição. No total, o Museu do Ipiranga vai contar com 49 salas abertas.

Além de espaços renovados de exposição, contará com completa acessibilidade e integração com o Parque da Independência. O projeto também inclui a parte paisagística do jardim francês e a recuperação de fontes, iluminação e outros aspectos.

Vista do jardim que faz parte do conjunto urbanístico do Parque da Independência (Foto: Mike Peel/Wikimedia)

Por conta da dimensão, algumas obras do acervo não puderam ser retiradas do Museu. Esse é o caso da famosa tela “Independência ou Morte”, de Pedro Américo. Com 7 metros de comprimento e 4 metros de altura, a obra não passa pelas portas do edifício. Por conta disso, teve que passar pelo processo de restauro no Salão Nobre, onde já estava exposta.

Além dessa, outras obras estão sendo restauradas pelas equipes, seguindo todos os cuidados que esse tipo de trabalho exige. Enquanto algumas precisam de restauro para retirada de manchas, outras demandam um processo para corrigir o envelhecimento da tinta.

Todas as exposições permanentes serão repaginadas e ampliadas para a reabertura ao público. Iluminação, mobiliários e projetos de multimídia também estão sendo renovados.

Não deixe de fazer uma visita assim que o Museu do Ipiranga reabrir!

A previsão é que a reforma seja concluída em breve para que suas portas possam ser reabertas ao público em 7 de setembro de 2022, no Bicentenário da Independência do Brasil.

Portanto, você pode planejar sua visita ao novo Museu do Ipiranga a partir dessa data prevista.

É uma oportunidade de apreciar a sua arquitetura monumental e as obras que fazem parte do acervo, aprender mais sobre a história do Brasil e passear pelo parque.

Acesse o site do novo Museu do Ipiranga e acompanhe as novidades!

Imagem de destaque: Museu do Ipiranga tem previsão de reabertura para 7 de setembro de 2022 (Foto: Felipe Lange Borges/Flickr)

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *