Menu
Projetos e Obras
Busca

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Portobello Matérias

Lombardia: uma viagem na arquitetura do norte da Itália

07/10/2020

Embarque em uma viagem pela Lombardia e descubra a riqueza da arquitetura do norte da Itália, que inspirou a linha Pietra Lombarda, da Portobello!

A Lombardia pode passar despercebida para algumas pessoas quando elas visitam a Itália. Porém, essa região ao norte do país guarda uma série de encantos e, claro, de inspirações incríveis para a arquitetura. Assim, deslumbra profissionais ao redor de todo o mundo.

É lá que está uma das principais cidades italianas: Milão. Além da importante capital da moda, a Lombardia ainda conta com uma riquíssima variedade de artes, cultura e turismo. Quer viajar sem sair de casa? Siga com a gente nesse roteiro!

Geografia: a região da Lombardia e suas principais cidades

Localizada ao norte da Itália, a Lombardia é uma região deslumbrante, com florestas, picos nevados, lagos e cidades belíssimas. O cenário convida à prática de inúmeras atividades ao ar livre e os centros urbanos guardam ricos tesouros históricos e culturais.

Com quase 10 milhões de habitantes, essa é a sexta maior região em termos populacionais da Itália. Mais de 1/5 do Produto Interno Bruto (PIB) do país é produzido na área, tornando-a uma das mais ricas, populosas e produtivas.

Para os amantes da moda, é impossível falarmos da Lombardia sem citarmos Milão. A capital da região é também um eixo fashion do mundo. Nas boutiques do bairro Quadrilatero D’Oro e na Galleria Vitório Emanuele II, o que não faltam são roupas de grifes e designers famosos.

Fachada da Galleria Vitório Emanuele II, um dos principais pontos turísticos de Milão (Foto: Riccardo Bresciani)

Fachada da Galleria Vitório Emanuele II, um dos principais pontos turísticos de Milão (Foto: Riccardo Bresciani)

Mas a cidade ainda guarda outros encantos, como as obras de Leonardo da Vinci no refeitório do convento Santa Maria delle Grazie e os detalhes arquitetônicos incríveis da Catedral de Milão em estilo gótico.

A sudoeste de Milão está Mântua, uma cidade renascentista repleta de tesouros arquitetônicos. Por exemplo, o imponente Palácio Ducal e a catedral, que datam do final do século XIV. Continue o passeio e faça uma parada em Pavia, conhecida como a Cidade das 100 Torres na Idade Média, para apreciar as que ainda restam.

É claro que a natureza também é um convite à parte na Lombardia. Nada melhor do que esquiar nos resorts de Livigno e Bormio, caminhar pelas montanhas cobertas de videiras da Franciacorta, apreciar a beleza do Lago Como, do Lago Garda ou do Lago Maggiore, passear pelas cidadelas ao redor dos lagos, visitar as igrejas de Bellagio ou passear pelo Castelo Scaliger em Garda.

Detalhe do Lago de Garda, considerado o maior da Itália (Foto: Markus Bernet)

Detalhe do Lago de Garda, considerado o maior da Itália (Foto: Markus Bernet)

Aliás, em termos geográficos, os lagos da Lombardia são um dos principais destaques da região, com relevância para o Lago de Garda, o maior da Itália.

Apesar de pouco ter restado da vegetação original, a Lombardia conta com muitas áreas protegidas, sendo as mais importantes o Parque Nacional Stelvio, o maior parque natural da Itália, e o Parque Natural do Vale do Ticino, criado para preservar o Rio Ticino e um dos últimos exemplares das florestas fluviais do norte do país.

A variação climática na Lombardia é outro atrativo, afinal, é possível tanto esquiar nos picos nevados quanto curtir passeios ao ar livre e muito sol nos lagos. Tudo isso torna a região uma das pérolas da Itália.

História, cultura e arquitetura da Lombardia

A história, a cultura e a arquitetura vibram na Lombardia. Afinal, essa é a região com a maioria dos patrimônios mundiais da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) de toda a Itália.

Além disso, a Lombardia foi a casa de importantes figuras históricas, como Caravaggio, Virgílio, Plínio, Cesare Beccaria, Alessandro Volta, os papas João XXIII e Paulo VI e muitos outros.

Os patrimônios mundiais da Unesco

A Lombardia conta com nove patrimônios mundiais. Em Monte San Giorgio, na fronteira com o cantão suíço e ao sul do Lago Lugano, está uma variedade de fósseis marinhos do período Triássico (cerca de 240 milhões de anos atrás). Os fósseis são de répteis, peixes, crustáceos e alguns insetos.

Outro patrimônio são os desenhos rupestres em Valcamonica, que remontam ao período entre 8000 a.C. e 1000 a.C. As gravuras mostram representações de uma ampla gama de tópicos, desde cenas agrícolas e de guerra até símbolos abstratos.

Ainda da pré-história há as habitações em torno dos Alpes, que incluem 111 objetos individuais compartilhados entre vários países. Desses, dez se localizam na Lombardia. São restos de edifícios erguidos entre 5000 a.C. e 500 a.C.

Igreja de Santa Maria, um dos patrimônios italianos (Foto: Adelchi)

Igreja de Santa Maria, um dos patrimônios italianos (Foto: Adelchi)

Para contar a história do período Lombard, que deu nome à região, existem sete locais tombados. Dois desses estão na área moderna da Lombardia: as fortificações (Torre Torba e o castrum) e a Igreja de Santa Maria. Também há o complexo monástico de San Salvatore-Santa Giulia, que fica em Brescia.

Ainda constam na lista de patrimônios da Unesco:

  • a Estrada de Ferro Rhatien, nas paisagens entre Albula e Bernina, que se estende até a fronteira com a Suíça, em Tirano. As duas ferrovias foram abertas entre 1904 e 1910 e são exemplos de uma complexa engenharia ferroviária, com túneis, viadutos e galerias;
  • as cidades de Mântua, reconstruída nos séculos XV e XVI de acordo com os princípios renascentistas, e Sabbioneta, planejada como uma nova cidade no século XVI;
A cidade de Mântua (Mantova, em italiano) também foi tombada pela Unesco graças à sua arquitetura preservada (Foto: Massimo Telò)

A cidade de Mântua (Mantova, em italiano) também foi tombada pela Unesco graças à sua arquitetura preservada (Foto: Massimo Telò)

  • o Stato da Terra e o Stato da Mar, sistema de fortificações construído pela República de Veneza, incluindo a cidade fortificada de Bérgamo;
  • a igreja e o convento dominicano de Santa Maria delle Grazie, em Milão, que guarda A Última Ceia, de Leonardo da Vinci;
  • a Crespi d’Adda, uma cidade fundada em 1878 para acomodar os trabalhadores de uma fábrica têxtil local;
  • a Sacri Monti do Piemonte, uma montanha sagrada que também é um centro de peregrinação.

Os museus

A Lombardia abriga uma diversidade de museus — mais de 300 — de tipos distintos que são testemunhas do grande desenvolvimento histórico-cultural da região.

Tempio Voltiano, um dos importantes museus da Lombardia (Foto: Daniel Caso)

Tempio Voltiano, um dos importantes museus da Lombardia (Foto: Daniel Caso)

Os principais são:

  • a Basílica de Santa Maria Assunta e o Museu de Arte Sacra da Natividade, em Gandino;
  • o Museu Nacional de Ciência e Tecnologia Leonardo da Vinci, em Milão;
  • a Mille Miglia e o Museu Santa Giulia, em Brescia;
  • o Tempio Voltiano e o Villa Olmo, em Como;
  • a Accademia Carrara, em Bérgamo;
  • o Museu Stadivardi, em Cremona;
  • o Vila Real de Monza, em Monza;
  • o Palazzo Te, em Mântua.

Os palácios de Milão

A arquitetura das cidades da Lombardia, principalmente de Milão, é muito rica. E existem inúmeros palácios que remontam a história e o estilo milanês. Alguns de destaque são:

  • Grattacielo Pirelli: arranha-céu de 127 m projetado por Pier Luigi Nervi e Gio Ponti em 1950 que representa o razionalismo italiano. Foi criado para abrigar os escritórios da Pirelli. Em 2002, o prédio foi atingido por um pequeno avião e hoje, no 26º andar, conta com um memorial para as vítimas;
  • Palazzo di Brera: foi projetado em 1572 e hoje é sede da Pinacoteca de Brera, da Biblioteca Nacional Braidense, do Observatório Astronômico, do Instituto Lombardo de Ciências e Letras, do Jardim Botânico e da Academia de Belas Artes;
Pátio do Palazzo di Brera com uma cópia em bronze da estátua Napoleão de Antonio Canova (Foto: Karl Montague)

Pátio do Palazzo di Brera com uma cópia em bronze da estátua Napoleão de Antonio Canova (Foto: Karl Montague)

  • Arengario: construção dos anos 30 que visava dar maior monumentalidade à Praça do Duomo, fazendo parte do processo de renovação urbanística do centro de Milão durante o regime fascista. Hoje, é a sede do Museu Novecento;
  • Palazzo Reale: antigo palácio ducal do século XIV que foi restaurado em 1773. É uma construção austera e sóbria que inaugura o estilo neoclássico em Milão;
  • Casa di Alessandro Mazoni: casa comprada pelo escritor em 1813, com uma fachada renascentista de tijolos aparentes que foi projetada por Andrea Boni;
  • Palazzo Belgioioso: obra neoclássica de Piermarini construída entre 1772 a 1781, inspirada no modelo do Palácio Real de Caserta de Luigi Vanvitelli;
  • Casa Fontana Silvestri: construída pela família Fontana no final do século XV, a casa é um dos poucos exemplares dos palácios renascentistas;
  • Palazzo Begatti Valsecchi: palácio neorrenascentista comprado por Giuseppe e Fausto em 1883 e reestruturado no final do século XIX;
  • Palazzo Castiglione: construído entre 1901 e 1904, é um dos exemplos do estilo Liberty milanês;
  • Palazzo dela Ragione ou Broletto Nuovo: um dos símbolos do período medieval lombardo;
  • Palazzo Borromeo: um dos exemplos mais importantes da arquitetura gótica em Milão.

Outros pontos de destaque

Além desses, não poderíamos deixar de fora outros pontos de destaque da arquitetura e da história da Lombardia.

Um exemplo é o Duomo de Milão, construído a partir de 1386 no estilo gótico internacional, com a famosa Madonnina (estátua de Virgem Maria).

A construção, que durou mais de 400 anos, fez dessa uma das arquiteturas mais fascinantes da Europa. A Catedral de Milão é a terceira maior igreja católica do mundo.

Duomo de Milão, uma das principais obras arquitetônicas da Lombardia (Foto: Jiuguang Wang)

Duomo de Milão, uma das principais obras arquitetônicas da Lombardia (Foto: Jiuguang Wang)

Gian Galezzo, o mesmo que iniciou a construção do Duomo, em 1396 deu ordens para construir a Cartuxa de Pavia, uma obra-prima do estilo gótico renascentista.

A Cartuxa é um santuário e um monastério ainda ativo, além de um monumento nacional. Com a sua fachada de mármore e os seus afrescos de Bergognone, é um dos pontos de destaque da arquitetura lombarda.

É claro que também não poderíamos deixar de citar a Pietà Rondanini de Michelangelo, que fica no Castelo Sforzesco, e a Piazza Vecchia de Bérgamo, considerada por Le Corbusier como a praça mais bonita do mundo.

Viva a Lombardia nos seus projetos: conheça a linha Pietra Lombarda

Já deu para notar que a Lombardia é uma região riquíssima em termos históricos, culturais e arquitetônicos, não é mesmo? Com criações fascinantes que vão desde a pré-história até a contemporaneidade, passando por belíssimos retratos da vida medieval, do renascentismo e de muitos outros.

Para levar toda essa emoção e singularidade aos seus projetos, a Portobello conta com a aliada perfeita: a linha Pietra Lombarda, com porcelanatos inspirados na rocha sedimentar Ceppo di Gré, formada nas margens do Lago de Iseo, ao norte de Milão, que é muito usada em diferentes projetos arquitetônicos da região.

Pietra Lombarda 60x120 aplicada em locais comerciais ajuda a trazer sofisticação e elegância (Foto: Portobello S.A.)

Pietra Lombarda 60×120 aplicada em locais comerciais ajuda a trazer sofisticação e elegância (Foto: Portobello S.A.)

Essa é uma pedra cinza com pedaços de outras rochas em sua composição — por isso o seu nome, cepp, que no dialeto milanês significa “pedra com seixos”.

A rocha é conhecida por marcar a arquitetura lombarda. Os blocos chegavam por meio do Rio Adda até a região do Naviglio, em Milão, abastecendo as grandes obras da cidade.

Para trazer de volta toda a elegância e personalidade da arquitetura tão rica da Lombardia é que nasceu a Pietra Lombarda, interpretada em dois tons naturais (grigio e off white), em porcelanatos de grandíssimo formato (120×120 cm) e agora também em versões de 60×120 cm.

Aplicação da linha Pietra Lombarda 60x120 em pisos e parede traz mais versatilidade aos projetos (Projeto: Portobello S.A.)

Aplicação da linha Pietra Lombarda 60×120 em pisos e parede traz mais versatilidade aos projetos (Projeto: Portobello S.A.)

Esse é um material único, que combina a sobriedade e o arrojo, expressando o vigor da estética milanesa e trazendo muito mais personalidade a qualquer projeto.

Neste artigo, você viajou conosco pela região da Lombardia e viu o quanto o norte da Itália é repleto de história e cultura, com uma arquitetura primorosa.

Para retratar toda essa singularidade nos seus projetos, saiba mais sobre a linha Pietra Lombarda, da Portobello, e se inspire!

Foto de destaque: Nascer do sol na cidade velha de Bérgamo, na Lombardia (Foto: Hozinja)

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *