Menu
Projetos e Obras
Busca

(Arquivo: Pedro Andrade)

Conteúdo Colunistas

Entre Mundos

27/10/2021

Decidi apostar em uma série leve que gerasse questionamentos, humanizasse manchetes e incentivasse conversas relevantes.

Durante cinco anos me dediquei a um projeto – do qual me orgulho muito – que me levava para lugares passando por transformações irreversíveis. Essas mudanças podiam ser políticas, climáticas, sociais ou econômicas. O conceito do programa girava em torno da ideia que nada é para sempre. Nem o bom, nem o ruim. 

Arquivo: Pedro Andrade

Tive o privilégio de visitar o Egito depois da Primavera Árabe, Mianmar após uma ditadura militar brutal que isolou o país por quase oito décadas, o boom econômico da Etiópia, as relações conturbadas do México com os Estados Unidos, a saída da Inglaterra da União Europeia e assim por diante. 

O que hoje percebo com muita clareza é que não foram só esses destinos que mudaram. Eu mudei também. 

Minha ideia do que é viajar evoluiu e se antes eu precisava estar em um avião (como esse onde estou agora) para me sentir desbravando o planeta, hoje enxergo isso de outra forma. 

Entre Mundos
Arquivo: Pedro Andrade

No fundo, no fundo, minha busca não era só pelo aspecto geográfico daquelas aventuras, mas sim, pelo ângulo humano. 

Não trocaria por nada minhas memórias no Irã, no Japão, em Botsuana ou no Líbano. Serão sempre alguns dos meus países prediletos, no entanto, hoje me dou conta de que gastronomia, paisagens, tradições e natureza só abastecem metade do meu interesse; o resto tem que vir do povo. Eu gosto de gente. Sempre gostei. 

Hoje vejo que viajar é muito mais que ir do ponto A ao ponto B. Viajar é abrir a cabeça para outras histórias, culturas, opiniões e perspectivas. 

Arquivo: Pedro Andrade

Um viajante nato é capaz de enxergar uma visita a outro bairro, uma conversa com o cozinheiro da padaria da esquina, um segredo ao pé do ouvido e um jantar à luz de velas como uma nova jornada. 

Com isso em mente, decidi pesquisar o motivo por trás das características mais marcantes de muitos lugares. O japonês, por exemplo, é um povo meticuloso e perfeccionista. Um arranjo de flores feito em Tóquio, a arquitetura de Tadao Ando em Naoshina ou um sushi inesquecível em Osaka, têm algo muito forte em comum: o minimalismo. A cultura de um lugar vem atrelada ao aspecto humano daquele destino. Não dá para separar os dois. 

Arquivo: Pedro Andrade

A comida italiana não seria a mesma sem o estilo de vida do povo local. O mesmo pode ser dito sobre a religião no Marrocos, o design dinamarquês, a música brasileira e a pretensão francesa (ok… ok… francesa não, parisiense).

O fato é que para entender a essência de um país, a gente tem que mergulhar de cabeça nas comunidades que lá existem. 

No ano passado, no auge da pandemia, me vi pensando nos meus próximos passos profissionais. Quando recebi um convite para trabalhar com a CNN, o maior canal de notícias do mundo, imediatamente sugeri que criássemos um programa sobre esse outro conceito de viagem. Um projeto que me permitisse uma exploração ainda mais profunda nessas emoções. 

A emissora não titubeou. Acreditaram na ideia, demonstraram uma atitude absolutamente alinhada com a minha visão e me deram uma liberdade rara de se encontrar. Serei eternamente grato pela total confiança em mim. 

Apesar do Entre Mundos ser uma obra autoral onde exerço o papel de apresentador e produtor executivo, uma atração como essa não nasce sem uma equipe talentosa e em sintonia. 

A produtora DUO (criada pela Rogéria Vianna e pelo Fernando Andrade) foi responsável pela difícil tarefa de montar um time invejável capaz de suprir minhas expectativas.

Lembro bem da nossa primeira reunião – via Zoom, é claro. Expliquei a ideia e pedi encarecidamente que todos valorizassem a preciosidade que tínhamos em mãos. Me referia não só ao conceito, mas também à oportunidade de criarmos algo realmente único. Fiz questão de dizer que esse era o momento de ser criativo e ousar. Sempre tive vontade de trabalhar em uma série original onde cada episódio tivesse um DNA, uma cor, um som e um ritmo diferentes – para a minha sorte, a hora havia chegado.  

Fazer televisão não é barato. É compreensível que canais, investidores e anunciantes se apeguem a um molde e fujam de grandes riscos enquanto buscam uma fórmula já testada. O problema com essa linha de pensamento é que copiar algo que deu certo, de cara tira a autenticidade da atração. Replicar um projeto é o equivalente a preencher uma “lacuna” já preenchida.   

Para oferecer algo efetivamente inusitado, a gente tem que estar pronto para ouvir críticas, engolir decepções e lidar com “Notas Zeros”. 

No meu caso, meu compromisso sempre foi com o telespectador. Nunca acreditei em subestimar a inteligência de quem dedica o próprio tempo ao ato generoso de me assistir. A “dona de casa”, o “universitário” e o “aposentado” são bem mais inteligentes e sensíveis do que muita gente imagina. 

Arquivo: Pedro Andrade

Exatamente por isso, decidi apostar em uma série leve que gerasse questionamentos, humanizasse manchetes e incentivasse conversas relevantes. Seria impossível atingir esse objetivo mostrando apenas as melhores lagostas de Cape Cod. Prefiro entender o estilo de vida dos pescadores, que abrem mão da convivência com suas famílias para se dedicar a uma rotina cruel, porém necessária.

Nesse projeto, tive o privilégio de mergulhar no universo impenetrável dos judeus ultraortodoxos, observar paralelos entre indígenas americanos e brasileiros, me apaixonar pelas escolhas de pessoas que largaram tudo para viver numa van, me solidarizar com a comunidade asiática em um período tão cheio de xenofobia, brindar as recentes conquistas de profissionais do sexo e, até de fumar maconha pela primeira vez na vida (no Oregon, onde a prática é 100% legalizada). 

Arquivo: Pedro Andrade

O resultado final não seria o que é sem a contribuição fundamental do meu diretor e cinegrafista Gustavo Nasr. Ninguém entende meu olhar como ele e qualquer mundo é mais interessante por via de suas lentes. 

Arquivo: Pedro Andrade

Apesar de ter aprendido muito com a contribuição dos nossos convidados, talvez a maior lição dessa experiência tenha sido que mudanças são tão indigestas quanto necessárias… No meu caso, estamos falando de um projeto novo, em uma emissora diferente, com uma atitude ambiciosa, após o mundo virar de cabeça para baixo e, isso tudo, em um momento pessoal transformador. 

No fim das contas, apesar de todos os altos e baixos, completo essa etapa da minha vida com uma certeza: o melhor da gente nunca está em um lugar só, mas sim, Entre Mundos. 

Entre Mundos
Arquivo: Pedro Andrade

21 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • José Luiz Dantas says:

    Programa fantástico, parabéns ao Pedro e toda equipe.

  • Kleyd Taboada says:

    Eu amei sua cronica. Que bom um novo programa pra nos tirar da mesmoce.
    E no GNT? Javtem dia e horario? Abracos, sucesso!

  • Pedro Aguiar says:

    Eu só desejo que tenhamos mais programas assim na TV. Para que possamos nos permitir enxergar “o que há dentro do vidro, não somente além”. E tenha certeza que alguns de nós viajamos além de geograficamente junto com você Pedro. Porque é uma troca e identificação incrível entre nossos tão diversos mundos. Que orgulho de você Xará e toda equipe de mentes brilhantes. Bring it on!

  • Franklin Roosevelt says:

    Cara parabéns pelo trabalho, acho que toda essa mudança aconteceu pela sua dedicação, profissionalismo e amor ao que faz. Vc conduz seus programas com maior leveza e com análise totalmente compreensível. A CNN acertou em cheio na sua contratação, sucesso e que venha mais temporadas.

  • Janaina says:

    Como sempre a inteligência, o catisma e tudo mais neste artigo. Ti amo Pedro

  • Maria Fernanda Amorim da Silva says:

    Vc sempre se expressa de forma sensível e muito humana. Aprendo com cada viagem sua, com suas conclusões serenas e profundas ao final de cada episódio. Só posso ser grata pelo lindo trabalho que sr dispõe a fazer! Que Pedro continue pelo mundo, entre mundos e dentro dos nossos lares. Parabéns, sou sua fã!

  • Claudete Ceglys says:

    É uma delícia, sempre, ler os seus textos, tão claros e tão leves! O segredo do seu sucesso é você colocar o lado humano à frente de tudo. Em tempos onde todos estão ficando mais distantes, você diz que gosta de gente, do contato com pessoas; que no seu dia-a-dia, nessa troca que você adquire experiências com aqueles que cruzam o seu caminho, denota a sua grandeza, talvez por isso sou tão fã, rs Achei engraçado o comentário da pretensão “parisiense” rs Verdade! rs Ansiosa pelos próximos episódios. Beijos

    • Rita Freitas says:

      Linda experiência de Vida. Entrevista marcante com as Comunidades, onde há mais solidariedade entre pessoas neste Mundo de Pandemia, que perante Deus no Mundo, todos somos iquais.

  • Kika Faria says:

    Querido Pedro, sempre tive o privilégio de assistir aos seus programas. No Pedro pelo mundo viaja com você. Agora em Entre Mundos me vejo mergulhada em cultura, costumes de gente como a gente. Continue sendo esta pessoa que apresenta seu programa com simplicidade e para gente como a gente. Adoro seu programa. Muito sucesso pra você, pois sem sombra de dúvidas você merece. Continue sendo esse Pedro ok

  • Luiz Agusto says:

    Para mim o trabalho do Pedro se resume em sofisticação.
    Parabéns!

    • Helida says:

      Viajar é literalmente crescer!!! Como sempre excelente texto interessante saber de vc o “por trás da câmera” Equipe 10 junta a sua amiga querida Rogéria…parabéns msm Pedro! Na sua torcida!

  • Vera Lúcia Bueno says:

    Li o texto, muito bem escrito pelo Pedro, ele é incrivel, sensível, conhece seu público como ninguém, valoriza o telespectador, dona de casa, aposentados etc… por isso o sucesso, entre mundos um programa incrível, humano, cultural, e vem episódios inéditos pelo que li no texto. Parabéns Pedro pelo seu trabalho e dedicação. Não é fácil sair da zona de conforto e começar um projeto novo. Adoro seu trabalho.

  • Maria gloria Assis Fernandes says:

    Pedro ! Parabéns , gratidão, pelo teu trabalho amigo eu vejo o mundo através da tua ótica e gosto de tudo conta comigo. Obrigado.

  • Cicero Carvalho Costa says:

    Parabéns belo texto.

  • Helida says:

    Viajar é literalmente crescer!!! Como sempre excelente texto interessante saber de vc o “por trás da câmera” Equipe 10 junta a sua amiga querida Rogéria…parabéns msm Pedro! Na sua torcida!

  • Márcio Barcelos do Nascimento says:

    Parabéns Pedro, pelo excelente trabalho que realiza e nos
    brindando com imagens, pensamentos e questionamentos e que o de tudo se revela qdo absorvemos a sua visão de Mundo, e tudo que se relaciona ao ser humano. Conforme no seu texto, de fato vc atinge a todos os telespectadores (eu sou aposentado). Sempre sigo seus trabalhos, rede social e viajo junto e aprendendo mais ora no “Pedro pelo Mundo” e agora no “Entre Mundos” e assim seguimos nossa jornada afim de um ” Mundo Melhor”.
    Um grande abraço Nobre Amigo ! Continue esse caminho que escolheste é um lindo caminho, e a história que vc escreve é uma linda historia !

  • Luana Porfirio says:

    Seu objetivo foi alcançado, Pedro. Conheci seu trabalho através da minha sogra de 82 anos, uma mulher simples que trabalhou a vida inteira para criar seus 10 filhos e é grande da do seu trabalho. Ela conta entusiasmada os detalhes dos episódios favoritos.

  • Andréa Brenn says:

    Pedro está amadurecendo!! Que lindo!!
    Sou muito sua fã. Sucesso meu querido.
    Estamos torcendo muito por você.

  • Dora says:

    Incrível! É pra todas as idades.
    De uma empatia e sensibilidade ímpar!
    Tenho 71 anos e adoro o programa!
    Ah e gosto de fazer tricô e crochê também. Rsrs

  • Rita de cassia says:

    FELICIDADES… MIL PARABÉNS, PEDRO.