Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Caderno de Ensaios

Portobello convida arquitetos | Primeiros ensaios sensoriais com Marea

12/07/2021

No Caderno de Ensaios Sensoriais, arquitetos renomados inspiram-se no lançamento Marea para criar ambientes sinestésicos.

“A individualidade de cada um dos elementos que encontramos na natureza nos proporciona sentir sensações únicas e nos permite estabelecer relações”. A frase define o conceito do segundo Caderno de Ensaios Portobello que, dessa vez, busca revelar a essência da arquitetura sensorial para proporcionar experiências únicas, ajudando a compreender e a sentir o movimento dos lugares aonde vamos e dos ambientes de onde viemos.

Nesta edição, grandes nomes da arquitetura brasileira – Ilana Santiago, Jayme Bernardo e Glei Tomazi e Juliana Pippi, – são convidados a expor os primeiros projetos a partir das sensações provocadas pelo lançamento Marea, design Portobello inspirado na suavidade, força e beleza das águas, um relevo cimentício surpreendente que se transforma com a incidência da luz.

Para acalmar a alma – Juliana Pippi

A catarinense Juliana Pippi é uma das arquitetas mais prestigiadas do Brasil, sendo eleita pelo World Design Rankings uma das maiores profissionais do setor no país. Recentemente, ela recebeu o troféu Destaque Regional na Festa de Premiação Portobello+arquitetura. Por estar sempre em busca da verdade dos materiais e pureza das formas, ela inspirou-se no relevo Marea para expor seu mais novo trabalho sinestésico.

Juliana Pippi acredita que a arquitetura sinestésica tem o poder de estimular várias sensações a partir do toque, por exemplo. “Acho que toda provocação sensorial é rica, pois cada pessoa pode ter a sua própria experiência de sentir. Também acredito que a escala dos materiais fazem nossa relação sensorial com cada um deles”, aponta a arquiteta que integra leveza e a contemporaneidade em seus diversos projetos.

Para ela, os relevos têm papel fundamental nesses estímulos, ao trazer um movimento para o olhar, ao estimular, ao descansar, ou mesmo ao fazer o pensamento fluir. “Eles trazem novas camadas ao ambiente e também trabalham muito bem a relação de luz e sombra. Os mais sutis trazem delicadeza e leveza, enquanto os relevos maiores ou mais profundos trazem uma personalidade mais marcante para os ambientes e, com isso, a nossa relação muda também”, diz.

Ao conferir o relevo Marea, Juliana inspirou-se na brisa, no movimento suave do mar e do vento. Assim, criou um quarto como um convite a se conectar com a natureza, para “acalmar a alma e relaxar”. “Marea estimula a vontade de sentir o relevo, de tocar e de se deixar levar. Pensei em um ambiente que tivesse relação com a natureza ao seu redor. Tudo muito leve e aproveitando ao máximo a luz natural. Além disso, a relação de luz e sombra que muda ao longo do dia traz um outro sentido de tempo. O espaço, portanto, também é um estímulo para observar a passagem desse tempo”, conta.

ensaios sensoriais
Projeto: Juliana Pippi

Sofisticação elevada – Jayme Bernardo e Glei Tomazi

“As linhas de Marea são fortes, mas quando você olha a peça do topo, encontra curvas, isto é muito interessante porque são duas leituras diferentes. Daí, pensamos, vamos explorar isso!”, afirmou o arquiteto paulista Jayme Bernardo que, junto ao arquiteto paranaense Glei Tomazi, criou exclusivamente para o Caderno de Ensaios uma imponente fachada de residência, com a intenção de despertar curiosidade e de transmitir sofisticação.

Segundo Jayme, seu projeto compõe um grande painel vertical que dá altura e valoriza o espaço externo da fachada, o cartão de visitas da casa. “A nova linha da Portobello é linda e criar um espaço com essa novidade deu um gostinho especial. Usamos o Marea Travertino Grigio para conseguir o efeito desejado”, declara, acrescentando que não vê restrições para o uso desse novo cimentício nos projetos, bastando apenas uma boa dose de criatividade e de bom gosto.

Jayme Bernardo, renomado arquiteto contemporâneo com diversos projetos no Brasil e no mundo, dispensa apresentações. Ele participou da primeira Mostra Unlimited Portobello com o uso de lastras de porcelanato, criando o ambiente Sala de Banho, também em parceria com Tomazi. “Nos projetos, buscamos referências de diversas áreas, não nos limitamos à arquitetura, buscamos o mercado da arte e até da moda. Após uma pré-seleção, começamos os primeiros rabiscos. Não há receita de bolo, mas o caminho é esse”, ressalta.

Para Jayme, é importante pensar num ambiente que una, no mesmo espaço, vários elementos sensoriais, como sonorização, aromatizador, textura de um material aplicado na parede, a exemplo dos relevos. “Usamos muito o relevo nos projetos porque exploram uma terceira dimensão. Tudo que estimula uma sensação, que proporciona um vínculo emocional nos traz lembranças e também fixa em nossa memória uma experiência positiva. A grande virtude é saber trabalhar os elementos da forma correta para canalizar bons estímulos”, conclui.

ensaios sensoriais
Projeto: Jayme Bernardo e Glei Tomazy

Sutileza na organicidade – Ilana Santiago

Um detalhe na estante com um design inovador faz toda a diferença para a arquiteta Ilana Santiago, de Cuiabá (MT). A grande parceira da Portobello, Destaque Regional São Paulo e Mato Grosso na Festa de Premiação Portobello+arquitetura 2021, criou para o Caderno de Ensaios uma sala intimista com a aplicação do relevo Marea. “Ele foi inserido de forma sutil e bem entrosado no móvel, que é o ponto-chave da decoração do ambiente. Por meio da iluminação, o revestimento tornou-se ainda mais sofisticado e, ao mesmo tempo, acolhedor”, declara.

Para Ilana, a organicidade de Marea permite uma experiência sensorial agradável e singular. “A forma despretensiosa do material desperta a sua versatilidade, agregando movimento sutil aos olhos de quem o observa. Seu design despojado e orgânico possibilita sua aplicação tanto em espaços mais sóbrios e discretos, quanto em ambientes lúdicos e descontraídos. Assim, seu uso residencial e comercial aplica-se facilmente a um conceito projetual, podendo atuar como elemento de destaque em um ambiente ou como um complemento harmônico”, sugere a arquiteta.

Ilana também acredita que a textura e o design provocam sensações substanciais em um projeto e são importantes dentro dessa nova realidade que estamos vivendo, na qual as pessoas passam mais tempo em casa. “Devemos conseguir causar sensações agradáveis ao cliente, fazê-lo sentir-se confortável e acolhido para que possam criar memórias afetivas com seu espaço. Os toques sutis, como apresentamos com Marea neste projeto, aliam conforto e sofisticação para que a questão sensorial seja ainda mais aflorada nele”, afirma.

ensaios sensoriais
Projeto: Ilana Santiago
Projeto: Ilana Santiago

Clique no play abaixo para ouvir o artigo completo:

LEIA TAMBÉM:

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *