Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Colunistas

Design para uma saúde melhor

13/12/2017

Em projetos ao redor do mundo, a função ética do design recai sobre um direito básico do ser humano: a saúde.

O tema que guia o texto deste mês para o Archtrends é “design para uma vida melhor”. A expressão inspira uma abordagem do design para além do famoso binômio forma-função, ou da ideia de que o bom design se faz da adequação da primeira à segunda. No momento em que o design precisa ter como consequência uma “vida melhor” (um conceito relativo, ao qual podemos agregar condições como igualdade, liberdade e democracia), entramos no domínio da ética. O designer é imbuído da responsabilidade de que aquilo que ele cria deve ajudar a humanidade. Afinal, o design não é a priori uma ferramenta que visa ao bem; uma prova explícita são armas, fruto de projetos que demandam grande engenhosidade e inteligência.

Produzido com apenas $0,20, o Paperfuge realiza a tarefa de centrífugas de laboratório que podem custar até $1.000,00. A ferramenta é utilizada para separar, por exemplo, o plasma sanguíneo, etapa fundamental no diagnóstico de doenças infecciosas. Imagem: Divulgação Stanford University.

Produzido com apenas $0,20, o Paperfuge realiza a tarefa de centrífugas de laboratório que podem custar até $1.000,00. A ferramenta é utilizada para separar, por exemplo, o plasma sanguíneo, etapa fundamental no diagnóstico de doenças infecciosas. Imagem: Divulgação Stanford University.

Em meu primeiro texto aqui, falei sobre o prêmio dinamarquês Index, cujo lema é “Design to Improve Life” (em tradução livre, “design para melhorar a vida”). Analisando os finalistas, me chamou atenção o fato de um terço dos 56 projetos ter relação direta com a saúde, e o mesmo vale para dois entre os cinco vencedores, Zipline e Paperfuge, do qual falarei mais adiante. Não é acaso: o direito à saúde foi definido na Declaração Universal dos Direitos Humanos em 1948, mas seu êxito constitui um dos maiores desafios que enfrentamos em escala global. Nos países mais e menos desenvolvidos, governos despendem enormes quantias e empresas privadas têm dificuldade em fazer “a conta fechar” – o preço do acesso à boa saúde é, enfim, exorbitante.

Manu Prakash, da Universidade de Stanford, mostra como utilizar o Paperfuge. Lançando mão de recursos baratos e acessíveis, ele ajudou a criar a centrífuga mais rápida do mundo movida por força humana. Imagem: Divulgação Stanford University.

Manu Prakash, da Universidade de Stanford, mostra como utilizar o Paperfuge. Lançando mão de recursos baratos e acessíveis, ele ajudou a criar a centrífuga mais rápida do mundo movida por força humana. Imagem: Divulgação Stanford University.

Em um campo tão amplo e vital não faltam brechas para soluções inovadoras. Associados a médicos, engenheiros, hospitais e indústria farmacêutica, designers podem ser peças-chave para enfrentar problemas relacionados ao envelhecimento ou à obesidade da população, nos países ricos, e à falta de infraestrutura e processos hospitalares básicos, nos mais pobres.

Com potencial de salvar vidas, o Paperfuge tem um funcionamento simples baseado em um brinquedo milenar. Imagem: Divulgação Stanford University.

Vida melhor: com potencial de salvar vidas, o Paperfuge tem um funcionamento simples baseado em um brinquedo milenar. Imagem: Divulgação Stanford University.

Com 20 centavos de dólar e apenas 30 segundos é possível realizar testes sanguíneos que auxiliam o diagnóstico de três das mais graves doenças infecciosas existentes, malária, tuberculose e Aids. Essa é Paperfuge, ferramenta frugal construída com plástico, corda e papel que substitui centrífugas de laboratório tradicionais. A ideia surgiu depois que um dos criadores, o bioengenheiro Manu Prakash, viu o aparelho sendo usado como peso de porta em um posto de saúde de uma área carente da África subsaariana.

Kernel of Life é um aparelho de diagnóstico criado pelo Fuseproject, de Yves Béhar, a pedido da Gates Foundation e da revista Wired. Ele permite que pacientes com doenças crônicas recebam acompanhamento médico de maneira remota. Imagem: Divulgação Fuseproject.

Kernel of Life é um aparelho de diagnóstico criado pelo Fuseproject, de Yves Béhar, a pedido da Gates Foundation e da revista Wired. Ele permite que pacientes com doenças crônicas recebam acompanhamento médico de maneira remota. Imagem: Divulgação Fuseproject.

Aquela centrífuga, que poderia ter custado até mil dólares, havia se tornado inútil pois simplesmente não havia eletricidade no local. Paperfuge, cujo projeto se baseia em um brinquedo milenar que rotaciona um pequeno disco, tem o recorde de velocidade centrífuga movida apenas por força humana. Além de infinitamente mais barata, a centrífuga de papel é fácil de usar e transportar, e deve ajudar a salvar muitas vidas.

Esse projeto, criado por jovens da Universidade Stanford, carrega algumas semelhanças com outro idealizado por um vizinho no Vale do Silício, o escritório Fuseproject. Fundado pelo designer Yves Béhar, essa agência de design é uma das mais inovadoras do mundo, usando tecnologia e ideias disruptivas em produtos para clientes como Nike e Herman Miller. À convite da Fundação Gates e da revista Wired, o Fuseproject desenvolveu Kernel of Life, um pequeno dispositivo em forma de amuleto que analisa sangue, urina, saliva e hálito de pacientes com doenças crônicas.

A forma de amuleto do Kernel of Life é amigável e criada para estar sempre com o usuário. As análises de sangue, urina, saliva e hálito realizadas pelo pequeno dispositivo transformam-se em informações compartilhadas com médicos por meio de um aplicativo. Imagem: Divulgação Fuseproject.

Vida melhor: a forma de amuleto do Kernel of Life é amigável e criada para estar sempre com o usuário. As análises de sangue, urina, saliva e hálito realizadas pelo pequeno dispositivo transformam-se em informações compartilhadas com médicos por meio de um aplicativo. Imagem: Divulgação Fuseproject.

Conectado por Bluetooth a um aplicativo de celular, o dispositivo transforma o material biológico em informações que são enviadas a médicos. O visual desempenha uma função importante no entendimento do uso: dentro do pendente, que pode ser pendurado ao pescoço, há uma almofada microperfurada dividida em quadrantes coloridos vermelho para sangue, amarelo para urina, azul para saliva e verde para a respiração. Kernel elimina a necessidade de consultas regulares em regiões de difícil acesso e permite, por meio do aplicativo, que os pacientes monitorem continuamente sua saúde e contatem seu médico.

Em países desenvolvidos, como os EUA, o acesso a serviços e bons medicamentos não é exatamente o problema, mas o fato de medicamentos serem tomados da maneira errada, sim. Segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde e de artigos especializados, cerca de 125 mil mortes por ano no país podem estar relacionadas a falhas dos pacientes em seguir corretamente orientações do médicos ao administrar seus remédios. Pill Pack é um conceito inovador de farmácia, cujo coração é puro design.

vida melhor

O objetivo da inovadora farmácia virtual Pill Pack é facilitar a tarefa de tomar os medicamentos corretos na hora certa. O design dos pequenos pacotes e do dispenser são fundamentais para o sucesso da ideia, que teve consultoria da gigante IDEO. Imagem: Divulgação Pill Pack.

Em vez de ter de enfrentar filas, pedir novas receitas ou se perder em meio a potes de remédios, horários e instruções, o cliente recebe em casa uma caixa que contém, separadas em pequenos saquinhos, todos os comprimidos que devem ser tomados em determinado dia e hora (as receitas são enviadas pelo médico através do site). O design é pensado para impedir esquecimentos e erros: os saquinhos são destacados na sequência correta e letras grandes impressas facilitam a leitura dos idosos. Pill Pack, empresa criada por ex-alunos do MIT, foi incubada pela mais importante consultoria de design do mundo, a Ideo.

vida melhor

Vida melhor: cada pacote contém os comprimidos a serem tomados em um determinado dia e horário. As informações principais são impressas com fonte grande, para uma leitura descomplicada. Imagem: Divulgação Pill Pack.

O problema de remédios mal administrados, aliás, já havia chamado a atenção do francês Mathieu Lehanneur, um dos principais nomes do design de seu país, em seu trabalho de conclusão da faculdade. Ele criou remédios com formas lúdicas, que tinham como objetivo engajar o usuário a seguir corretamente o tratamento. Em vez de uma cartela de comprimidos, um antibiótico teria o formato inspirado em uma cebola, cada camada sendo uma dose. À medida que o tratamento avançasse, o remédio diminuiria de tamanho, chegando ao miolo, até desaparecer completamente – assim, o paciente saberia que a doença também estava sendo curada dentro do seu corpo e que o tratamento chegara ao fim. Os Objetos Terapêuticos, dez propostas no total, foram incorporados em 2001 à coleção do MoMA.

vida melhor

Objetos Terapêuticos, trabalho de conclusão de curso de Mathieu Lehanneur, um dos mais importantes designers franceses da atualidade, propunha repensar o design de remédios. Imagem: Divulgação.

vida melhor

De maneira lúdica, o projeto de Mathieu Lehanneur faz, por exemplo, com que antibióticos sejam tomados da maneira correta. Imagem: Divulgação.

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *