Menu
Projetos e Obras
Busca
Passarela de um desfile de moda (Imagem de Pexels por Pixabay)

Conteúdo Correspondentes Internacionais

Uma breve história sobre os desfiles de moda

13/05/2020

De showrooms privativos para grandes espetáculos. Veja como os desfiles de moda evoluíram ao longo da história e o que podemos aprender com isso.

Já parou para pensar como eram os desfiles antigamente e de que maneira eles evoluíram ao longo dos anos? O comportamento das pessoas mudando ao longo do tempo teve diretamente influência na forma como as marcas mostram seus novos lançamentos hoje em dia. Entenda por quê.

Considera-se que os desfiles nasceram na década de 1860 com o designer de moda Charles Frederick Worth (considerado o “pai da alta costura”) ao usar modelos ao vivo invés de manequins para apresentar sua nova coleção em Paris. Com a virada do século, os desfiles se espalharam para Londres e Nova York, mas ainda muito sutil, pequenos eventos somente para compradores onde eram proibidos de serem fotografados por medo dos modelos serem copiados. Somente após a Segunda Guerra Mundial esses eventos passaram a ser abertos ao público, com o objetivo de fazer publicidade e alcançar mais clientes. Porém, foi entre os anos 80 e 90 que os desfiles se transformaram em grandes produções, com efeitos de luz, som e elaborados cenários.

Desfile de moda no ano 1932, exclusivo e para poucas pessoas   (Fonte da imagen: Vancouver 125)

Desfile de moda no ano 1932, exclusivo e para poucas pessoas (Fonte da imagem: Vancouver 125)

Antes, fotógrafos eram proibidos dentro de desfiles e showrooms, hoje as marcas apelam para influencers usufruindo da disseminação instantânea das mídias sociais para gerar publicidade para marca. Antes, desfiles e showrooms eram pequenos eventos privativos para poucos compradores, hoje tornaram-se grandes espetáculos, fazendo parte do business das marcas, no qual investem-se milhões de dólares. Antes, os clientes precisavam esperar uma temporada para comprar as roupas vistas no desfile, hoje podem comprar ao mesmo tempo que o desfile está acontecendo.

O mundo vai mudando e com ele a percepção das marcas e consumidores também. É interessante ver essa mudança e adaptação no design e nas cenografias. Hoje, para gerar impacto, os desfiles possuem muito mais que apenas modelos e roupas, eles contam histórias através de espetáculos. Desde o design gráfico do convite, passando pelo cenário, mobiliário, localização, até o sistema de luz e som.

Na época em que todas as marcas faziam seus desfiles em uma tenda ao lado do Museu do Louvre, o designer de moda Martin Margiela ignorou essa tradição, fazendo com que as modelos desfilassem em plena rua. A partir daí os desfiles mudaram de curso. Localização é essencial para gerar mais repercussão. Escolher um bom local faz parte do cenário, transportando os convidados à sua experiência. Hoje em dia as marcas até ultrapassam fronteiras para gerar mais impacto e publicidade, como foi o caso da Louis Vuitton em Niterói, no Rio de Janeiro, da Dior e Marrakesh e da Chanel em Havana.

Um desfile com a vista para o Burj Khalifa, em Dubai, ressalta a importância da localização e experiência do evento  (Imagem de Ahmad Ardity por Pixabay)

Um desfile com a vista para o Burj Khalifa, em Dubai, ressalta a importância da localização e experiência do evento (Imagem de Ahmad Ardity por Pixabay)

Todo esse contexto cria conteúdo e repercussão para a marca. Alexandre de Betak, fundador da agência Bureau Betak afirma que um cenário de um desfile deve ser desenhado e adaptado para caber na palma da sua mão. Através da tecnologia que a sua audiência possui: um iPhone.

Agora, o que podemos tirar de lição desse exemplo da moda? Que o comportamento de consumo e a tecnologia avança e com eles devemos adaptar-se, inovando cada vez mais para seguir influenciando e se ressaltando no mercado. Mas, como serão reinventadas essas mostras de coleções após a pandemia que estamos vivendo atualmente?

Como mostra um artigo publicado no Archtrends, pesquisadores, arquitetos e outros profissionais do universo do design fazem algumas previsões para a transformação do mundo pós-crise da Covid-19.  Li Edelkoort, a pesquisadora de tendências, enfatiza: “De repente desfiles de moda se tornaram bizarros, propagandas de companhias aéreas, ridículas. Pensar em projetos futuros é vago e inconclusivo. Será que vai sequer importar?”.

Será então que estamos vivendo a próxima evolução nessa história da moda? Como fazer para se destacar e continuar ganhando influência com essas mudanças? Como serão apresentados os desfiles presenciais nos próximos tempos? Queremos saber também a sua opinião!

Convidados e influencers na primeira fila filmando e fotografando o desfile através do seu iPhone   (Imagem de Brunel Johnson por Unsplash)

Convidados e influencers na primeira fila filmando e fotografando o desfile através do seu iPhone (Imagem de Brunel Johnson por Unsplash)

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *