Menu
Projetos e Obras
Busca
cozinhas-planejadas

Conteúdo Arquitetura

Cozinhas planejadas: como elaborar um projeto personalizado?

09/12/2019

Com um papel central nas casas, é importante que a cozinha seja funcional e confortável para que os moradores possam usufruir o melhor do cômodo, transformando o ambiente em uma área de convivência ideal para curtir com amigos e família. Neste post, damos algumas dicas para planejar e garantir o sucesso do seu projeto!

Uma cozinha planejada é o sonho de consumo de muitas pessoas, principalmente de quem gosta de cozinhar e passa muito tempo no ambiente. Por isso, é fundamental um lugar que aproveite todo o espaço para, assim, assegurar o conforto na hora de preparar as refeições, seja no dia a dia ou para receber convidados.

Como em todo projeto, é importante que o arquiteto consiga entregar um resultado bonito e funcional, combinando o estilo do cliente com o espaço disponível na casa. Para criar este conteúdo, contamos com a colaboração da arquiteta Lilian Dutra, que nos deu dicas do que fazer na hora de elaborar o projeto de cozinha planejada. Confira o perfil da profissional no Archtrends Portobello!

Por que construir cozinhas planejadas?

cozinhas-planejadas

Cozinha planejada com parede revestida de St Barth e piso Concretissyma Match Off White | Lilian Dutra

O ambiente é personalizado, feito sob medida para as necessidades dos moradores de uma casa e pensado para se adaptar perfeitamente ao espaço disponível. Ou seja, busca muito mais do que a beleza: a ergonomia e o conforto das pessoas estão em primeiro lugar.

Uma cozinha planejada pressupõe um ambiente organizado onde todos os espaços são utilizados da melhor forma possível, a fim de garantir praticidade e conforto.

Segundo Lilian, “planejar uma cozinha é fundamental na vida de uma casa, seja em família ou morando sozinho, uma distribuição correta e fluida em uma cozinha pode diminuir o trabalho, evitar acidentes e facilitar a vida cotidiana”. Além disso, é importante lembrar que uma cozinha planejada aumenta o valor do imóvel e chama a atenção dos compradores, facilitando a venda.

A única desvantagem é que ela dificilmente poderá ser levada e instalada em outro lugar, caso os moradores se mudem. Como ela foi pensada para ficar em um cômodo específico, é provável que não tenha a mesma funcionalidade que tinha antes da mudança.

O que é importante considerar na hora de fazer uma cozinha planejada?

cozinhas-planejadas

Linda cozinha planejada em tons de cinza e banco em azul | Lilian Dutra

No planejamento, é fundamental saber quais são as medidas do ambiente e dos eletrodomésticos, além de pensar na direção para a qual as portas e gavetas se abrem. Isso garante que você consiga encaixar todos os móveis e ainda tenha espaço para a circulação.

Ainda sobre esse assunto, Lilian aponta: “no planejamento de uma cozinha, não podemos nos esquecer de facilitar a circulação, criando fluxo direto entre os equipamentos como fogão, forno, geladeira e pia, assim como locais de fácil acesso para utensílios de uso habitual e ingredientes também são fundamentais para uma cozinha funcional e atrativa”.

Bancadas bem dimensionadas ajudam muito a preparar as refeições e são praticamente indispensáveis. Se a cozinha for pequena, vale a pena optar por eletrodomésticos menores para ter um espaço confortável no dia a dia. Outra boa dica para ampliar o ambiente é investir em tons claros e contrastes minimalistas, como a mistura de tons de cinza da linha Bossa.

O interessante é saber que a diversidade de materiais é imensa, por isso, fica mais fácil chegar ao resultado esperado e, ainda, inovar em diversos tipos de acabamento, nos móveis, nos revestimentos e no design. Desde porcelanatos até pedras naturais, é possível misturar os recursos para dar vida a uma cozinha com a cara do cliente.

Dicas para elaborar cozinhas planejadas

cozinhas-planejadas

Lindo projeto de cozinha planejada feito por Lilian Dutra

As dicas, a seguir, vão ajudar na realização do projeto de cozinha sem complicações. Se ficar atento a esses pontos, certamente ele será funcional e organizado.

Ter em mente o pedido do cliente

Para qualquer projeto, é essencial considerar o que o cliente pensou para o próprio lar. Seguindo a vertente proposta por ele, faça pesquisas e levante soluções que possam ser aplicadas, especialmente por meio dos revestimentos.

Se ele gostaria de ter uma cozinha que mistura o moderno e o clássico, por exemplo, que tal pensar em uma releitura dos ladrilhos hidráulicos com formas geométricas inovadoras? Se ele quiser uma cozinha mais rústica, você pode misturar acabamentos em madeira com um revestimento claro, que também seja prático e elegante, como a linha Liverpool.

Conversar e fazer entrevistas

Pesquisas feitas? Hora de validar as opções com o cliente. Para chegar ao que ele deseja e aproveitar ao máximo o tamanho e o formato do cômodo, é preciso conversar, fazer entrevistas e trocar ideias sobre referências até descobrir o que é melhor para o projeto de cozinha em questão.

Se for um projeto de reforma, observe a cozinha que ele já tem e pergunte sobre os seus hábitos: se costuma receber visitas ou só prepara comida para ele mesmo. Isso ajuda a definir as prioridades na hora de construir o ambiente e a ir além do que foi mencionado nas conversas, superando as expectativas do cliente.

Verificar quem cozinha mais na casa

Essa informação é importante porque ajuda a definir uma altura confortável para as bancadas, os armários e a pia. Planejar uma cozinha acessível a todos, mas que privilegie a altura da pessoa que mais utiliza o ambiente, é uma forma de deixar o lugar confortável.

Além disso, o morador que tem o hábito de cozinhar precisa dar ideias e propor soluções que vão ajudá-lo no dia a dia.

Elaborar um projeto de iluminação adequado

A cozinha, além de ser um ambiente de reunião e lazer, é também um local de trabalho. Portanto, é necessário que se elabore um projeto de iluminação adequado, que permita sua utilização de forma eficaz em qualquer horário do dia e da noite

Valorize e aproveite ao máximo a iluminação natural. Ela não é somente econômica, como também engrandece as questões estéticas e trazem sensações de aconchego e relaxamento, que são muito importantes nesse local.

O uso de lâmpadas de LED é recomendado, já que o espaço precisa de iluminação forte e clara, além dela ser econômica. É interessante que se tenha uma iluminação geral sobre o centro do teto ou sobre a mesa, mas cuidado para não torná-la desconfortável aos olhos.

Iluminação pontual para realçar detalhes e acabar com pontos de sombreamento causado por móveis também é bastante adequado. Ela pode ser feita com o uso de spots ou fitas de LED.

Um objeto que está em alta quando se fala de luz, são os pendentes. Eles lembrar lustres, porém sem as ramificações e são colocados mais abaixo, com menor intensidade. De fato, eles trazem elegância e aumentam a beleza, mas lembre-se de colocá-lo numa altura adequada.

Escolher os móveis

O projeto de cozinha que é permitido ao se optar por uma planejada é vasto. Os móveis serão feitos conforme a vontade do cliente e, por isso, é preciso que a escolha seja feita com cuidado, tanto em fatores estéticos quanto em sua funcionalidade.

Antes dessa decisão, pesquise bastante o estilo de cozinha desejada e qual o mobiliário adequado. Se for optado uma cozinha vintage, por exemplo, pense em qual década deseja localizar o aposento, quais cores e formas combinam com o espaço. Já se for minimalista, não abra mão de trazer detalhes que, sem carregar o ambiente, o complemente e mantenha suas principais funções.

Pensar em um lugar de fácil acesso para pequenos eletrodomésticos

É importante separar um lugar específico para guardar liquidificador, batedeira, fritadeira elétrica, entre outros. Deixe também um espaço para os eletrodomésticos que podem ser comprados no futuro. Isso agrega valor ao seu projeto e faz com que ele continue funcional por muito tempo.

Definir o layout da cozinha

O layout pode ser definido como um esboço, um desenho do projeto que mostra as ideias, distribuições e organizações da obra a ser edificada. Na cozinha planejada as possibilidades para a elaboração dessa etapa é amplificada e é de extrema importância, já que as peças serão fabricadas conforme os tamanhos e encaixes que ali foram decididos.

Uma reclamação comum no uso desse ambiente é a dificuldade de utilização simultânea entre duas ou mais pessoas, bem como a circulação e encaixe dos móveis. Portanto, esses são bons fatores para iniciar o seu plano, decidir o encaixe dos móveis e a localização de portas e janelas.

Um outro ponto de partida é saber qual forma de cozinha o seu cliente prefere e está adequada a área disponível. As mais comuns são as lineares, em que as peças são dispostas em linhas paralelas, as que tem formato de L e as que tem formato de U. Lembre-se sempre que todas as decisões devem ser embasadas naquilo que o seu contratante pediu, conforme o uso do cômodo e suas prioridades em relação a ele.

Estabelecer um sistema de exaustão

Por sua própria finalidade, é impossível que os preparos realizados na cozinha não liberem odores e fumaça, além de ser comum o surgimento de mofo em alguns pontos. Para resolver esse problema, é preciso que se estabeleça um sistema de exaustão adequado ao ambiente.

Existem três tipos mais comuns: o exaustor, a coifa e o depurador. O exaustor é um aparelho instalado a cerca de 2,5 m do chão, que possui uma hélice. Sua função é, com essa hélice, retirar o ar quente com partículas gorduras que se concentram no alto e trocar por ar frio que se está do lado de fora. Em relação a temperatura, ele é o que melhor propicia conforto térmico. Porém, é menos eficaz no que diz respeito a eliminação de gorduras e cheiros.

Já a coifa é um sistema de parede ou de ilha que possui dois modos: o exaustor e o depurador. No modo exaustor, ela realiza mesma função do que fora citado anteriormente, fazendo a troca de ar. Já na função depurador, ela captura o ar quente e gorduroso, passa por um filtro e o devolve puro ao ambiente, sendo bem mais eficiente nesse aspecto.

Por fim, o depurador realiza também a limpeza de gordura, através de uma placa de inox. É menos potente que uma coifa e necessita de higienização constante. Caso contrário, sua eficácia é diminuída e a gordura volta a impregnar o ambiente. Ele é bastante indicado para cozinhas menores, visto que a coifa possui um duto que lembra uma chaminé, que nem todo ambiente comporta, o que não é o caso do depurador.

Integrar ambientes é uma tendência que deve ser pensada

Integrar os ambientes pode ser interessante para ampliar o espaço da cozinha. Essa solução de arquitetura proporciona momentos de relaxamento e conveniência com a família e os amigos.

Uma bancada de refeições vinculada à bancada de trabalho ou à sala, na própria cozinha, também pode estimular interações e conversas agradáveis.

É um conceito vantajoso para casas que não têm copa, ou para cozinhas muito pequenas que precisam de uma forma de se expandir. Nesses projetos, uma das paredes dá lugar a uma bancada que pode funcionar como mesa ou como base para cooktop.

Escolher bem o tipo de revestimento

cozinhas-planejadas

Lindo projeto de cozinha planejada feito por Lilian Dutra

O revestimento da cozinha é importante não só pelo aspecto decorativo. É uma área que precisa de resistência, impermeabilidade e durabilidade, visto que reformas ali causam grande transtorno para os moradores. Os três pontos de revestimento são as paredes, os pisos e o backsplash.

Para a parede é recomendado revestimentos que sejam de fácil higienização, visto que acúmulo de sujeira é comum nesse ambiente. Já os pisos precisam suportar o peso que será transitado ali e a escolha vai depender da frequência de utilização.

O backsplash é a parte da parede que se localiza entre bancadas ou pias e armários superiores. Além de criar um detalhe estético, com um revestimento diferente, pode-se pensar que são as áreas mais molhadas e com maior tendência a se sujar — optar por um revestimento mais escuro pode ser uma ótima escolha.

Definir o material da bancada

As bancadas necessitam de resistência, visto que vão aguentar peso e ali serão manuseados alimentos e utensílios. Os materiais comumente usados são o inox, azulejos e pedras, em especial o granito.

As bancadas de inox são mais usadas em cozinhas profissionais, porém começaram a se espalhar também nas residenciais, pois ela não oxida e sua higienização é simples. Os azulejos permitem uma decoração com mais personalidade, se adequando melhor ao restante da estética. Porém, necessita da construção de uma superfície para ser assentado.

Já o granito é duro e precisa de pouca manutenção. Sua desvantagem é não oferecer muita variedade em relação a sua aparência, porém, dependendo do estilo do seu cômodo, ele pode servir perfeitamente.

Pensando em um espaço mais gourmet, as bancadas de porcelanatos estão em alta, não só pela beleza, mas pela qualidade, alta resistência à água e facilidade de limpeza. O uso de uma cuba moderna e materiais de porcelanato, com certeza, trarão beleza e classe para a sua cozinha.

Elas são superfuncionais e versáteis, podemos investir nas bancadas de porcelanatos em diversos estilos e decorações, desde o estilo rústicosofisticadominimalista até o vintage, para isso, nada melhor do que contar com superfícies feitas com produtos de excelente qualidade.

Devido à versatilidade das peças, podemos encontrá-la em tamanhos grandes, com acabamento retificado, modelo extrafino, cortes diferenciados etc. Como estamos falando de cozinha, tome cuidado ao instalar o cooktop: antes da instalação, é preciso ter um local pronto para ele. Também não se esqueça de colocar um exaustor para diminuir a presença de odores de comida ou de fumaça pela morada.

A Officina Portobello oferece soluções únicas na arte da porcelanateria. Combinação de maestria artesanal e tecnologia de ponta para cortes especiais, objetos de design, mobiliário e bancadas. Não deixe de conferir!

Verificar a funcionalidade do ambiente

É comum que o espaço já exista na hora de fazer o projeto de cozinha, por isso as saídas de água e as tomadas já estarão colocadas. Na hora de planejar, é preciso se adequar a essas condições ou fazer uma obra ainda maior para mudar as instalações do lugar. Tenha a certeza de que os fios não ficarão pendurados e que todos os aparelhos poderão ser ligados sem que um atrapalhe o outro.

Outro ponto importante é a abertura das gavetas e das portas do fogão, dos armários e do próprio cômodo. Nenhuma delas deve bater na outra e nem impedir a circulação de pessoas. Em locais muito pequenos, opte pelos modelos que deslizam ou por displays giratórios que não precisam de portas.

Armários com muitas gavetas não são tão usados atualmente. Agora, a tendência são os gavetões que podem abrigar panelas e potes ou até mesmo servir como despensa ou lugar para colocar temperos.

Não esquecer dos detalhes

O projeto de cozinha não é feito somente de móveis, paredes e piso. Os detalhes, como torneiras, puxadores e o acabamento, ajudam a valorizar o produto final.

Portanto, não deixe de mostrar aos seus clientes as possibilidades que existem nesse campo, quais mais combinam com o desejo deles e mostrar a diferença que esses pormenores fazem. Só assim você garante a total satisfação na hora de entregar o seu trabalho.

Gostou das nossas dicas? Achou as informações úteis? Então compartilhe agora mesmo o conteúdo nas suas redes sociais para que seus contatos também conheçam as vantagens de uma cozinha planejada!

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *