Menu
Projetos e Obras
Busca
Porcelanato para cozinha pequena: como harmonizar com a decoração?

Conteúdo Tendências

Porcelanato para cozinha pequena: como harmonizar com a decoração?

14/11/2018

Quando é compacto, o cômodo precisa de uma atenção especial para trazer praticidade sem perder em estilo e sofisticação. Veja nossas dicas de como usar porcelanato nesse espaço!

Quando é compacto, o cômodo precisa de uma atenção especial para trazer praticidade sem perder em estilo e sofisticação. Veja nossas dicas de como usar porcelanato nesse espaço!

Quem nunca ouviu dizer que a cozinha é o coração da casa? Independentemente de ser uma cozinha pequena ou ampla, esse costuma ser mesmo o espaço perfeito para socializar — motivo pelo qual o cômodo vem recebendo cada vez mais a atenção dos moradores.

Os desafios na hora de elaborar um bom projeto de decoração são crescentes; afinal, os imóveis estão cada vez mais compactos. Para ter uma noção dessa tendência, um recente levantamento feito pelo SECOVI (Sindicato da Habitação de São Paulo) indica que mais de 57% das unidades lançadas na cidade têm área útil inferior a 45m².

As cozinhas também têm acompanhado essa onda de redução e estão menores dia após dias. Mas isso não impede que um toque de decoração e um projeto especial façam a diferença para deixar o ambiente compatível com o sonho de qualquer cliente.

Com o intuito de trazer boas ideias para as ambientações de cozinhas é que preparamos este artigo. Nele, listamos dicas certeiras para você usar e abusar do porcelanato em cozinha pequena com muito estilo. Confira!

Antes de decorar, defina o estilo da decoração

Cozinha moderna trabalhada em branco e contrastes.

A cozinha é um espaço de confraternização muito utilizado para receber pessoas queridas. Por isso, além de bonita, deve ser muito confortável.

O primeiro passo — e também o mais importante — para decorar a cozinha é respeitar o gosto das pessoas que vão utilizar o espaço. Para tanto, é essencial definir o estilo da decoração.

Esta é uma etapa em que a presença do cliente é fundamental. Afinal, serão traçadas as diretrizes básicas para o projeto. Listamos abaixo os principais estilos de decoração para facilitar o seu trabalho junto aos clientes (principalmente com os mais indecisos ou aqueles que não têm nenhuma referência em mente).

Clássico

Esse estilo de decoração remete à arquitetura grega e romana. Muito aplicável a ambientes amplos, o estilo clássico, facilmente adaptado a espaços menores, é marcado por linhas elegantes e requintadas, trazendo um ar de sofisticação. Materiais usuais nesse estilo são o mármore e as madeiras escuras, além de acabamentos em arcos e colunas, com detalhes dourados, prateados ou em tons de ferrugem.

Retrô

Com seu nascedouro entre as décadas de 1950 e 1970, o estilo retrô é bastante dinâmico, causando um forte impacto visual. Formas geométricas e abstratas são a marca desse estilo, que abusa de cores como amarelo, laranja, azul ou uma mescla do preto com vermelho e branco.

O mobiliário retrô é facilmente identificável: móveis baixos e longilíneos, com pernas pontiagudas e cantos arredondados. A famosa Egg Chair, criada pelo designer dinamarquês Arne Jacobsen, é um verdadeiro clássico — bem como o conjunto de mesa e cadeira Tulipa, criado pelo arquiteto e designer finlandês Eero Saarinen.

Minimalista

O minimalismo surgiu após a Segunda Guerra Mundial. O estado de “terra arrasada” que tomou conta de várias nações fez com que as pessoas aprendessem a viver (e sobreviver) apenas com o estritamente necessário.

Os excessos foram deixados de lado, surgindo um estilo centrado na funcionalidade e na estética. O arquiteto Mies van der Rohe foi um dos grandes nomes do minimalismo.

Caracterizada por formas simples e construções com poucas linhas, essa tendência ganhou força no Brasil somente na década de 1980. Cores neutras e tons de cinza e preto dão o toque refinado do “menos é mais”, aliado a poucos móveis e superfícies polidas.

Moderno

O estilo moderno é baseado nos preceitos do minimalismo, sendo funcionalidade e design suas palavras-chave. O excesso de acessórios é evitado, dando-se sempre prioridade a ambientes com poucos móveis.

A paleta de cores clássica da decoração moderna abrange tons neutros como branco, bege, cinza e marrom, aliados a mobiliário com layout assimétrico e móveis de linhas retas e simples.

Rústico

Inspirado no country, o estilo rústico traz ao ambiente o bucólico clima campestre. Aqui predomina o uso de patchwork e trabalhos artesanais, principalmente em colchas e mantas. Móveis antigos com acabamentos naturais, como vime e palha, formam a marca registrada desse estilo.

Romântico

O estilo romântico é voltado à criação de ambientes elegantes e confortáveis, fazendo uso de mobiliários curvilíneos e detalhes trabalhados — sendo os formatos redondos e ovais uma importante referência.

As cores predominantes são o lilás, o azul e o amarelo. As texturas aveludadas e acolchoadas são muito utilizadas. Ferro e estampas florais também são comuns ao compor ambientes românticos.

Escolha cores de piso que dialoguem bem com espaços pequenos

Cozinha tradicional trabalhada em revestimento geométrico em tons de branco e cinza.

Agora você já traçou as linhas gerais do seu projeto, definindo o estilo da decoração com o seu cliente. Então, chegou a hora de centrar esforços para escolher o piso ideal.

Quando se trata de piso, o porcelanato é praticamente uma unanimidade. Esse tipo de revestimento cerâmico é produzido mediante tratamento térmico que pode alcançar os 1200°C, apresentando baixa porosidade e alta resistência mecânica.

Uma das primeiras e principais definições, sem dúvidas, diz respeito à cor. Em ambientes como cozinhas, onde o espaço costuma ser mais compacto, prefira os porcelanatos em tons suaves.

Como já mostramos aqui, um piso branco ou bege dá a sensação de amplitude. Além disso, a cozinha com porcelanato branco cria um ambiente mais clean e tranquilo, se combinada com móveis em tons claros.

Deixe para trazer modernidade ao cômodo investindo em utensílios e eletrodomésticos diferenciados, com design arrojado. O resultado é sensacional.

Leia mais:

10 dicas para escolher o novo porcelanato para cozinha

Bancada de cozinha em porcelanato

Atente para os diversos tipos de porcelanato existentes

Cozinha com aspecto aconchegante trabalhada com revestimento em azulejos tradicional na cor azul e branco.

Como vimos no tópico anterior, a definição de cor é um item importantíssimo na elaboração de um projeto de decoração de cozinha. Mas ele não é o único. Escolher o tipo de piso adequado também é fundamental.

O porcelanato é unanimidade para projetos de cozinha, dada sua versatilidade, durabilidade e facilidade de limpeza e manutenção. Mesmo assim, é preciso tomar alguns cuidados na hora de escolher o tipo ideal a ser aplicado.

Isso porque existe no mercado uma infinidade de texturas, formatos e tamanhos, o que requer atenção do projetista para especificar o piso que se encaixe com o estilo definido para a decoração e que, ao mesmo tempo, atenda aos requisitos de segurança e conforto.

As diversas coleções existentes são criadas para resistir ao tempo, ser funcionais e duradouras, além de conferir um visual descontraído à cozinha.

Os principais tipos de porcelanato disponíveis são os listados abaixo.

Porcelanato Natural

Também conhecidos como porcelanatos técnicos, os porcelanatos naturais são aqueles produzidos por meio da prensagem de um composto cerâmico constituído de materiais nobre que são queimados em fornos de elevadas temperaturas.

Esse tipo de revestimento não recebe acabamento, o que o torna perfeito para uso em áreas com elevado tráfego, a exemplo de aeroportos e shoppings centers.

Tem baixíssima absorção de água (menor ou igual que 0,1%), alta resistência mecânica e acabamento retificado. Suas laterais são retas, por isso o rejunte fica bastante discreto.

Embora não passe por acabamento, o porcelanato técnico pode receber polimentos, resultando nos tipos acetinados, polido, com resistência ao escorregamento (antiderrapante) e com brilho.

Porcelanato Esmaltado

O porcelanato esmaltado é produzido do mesmo modo que um porcelanato natural, com a diferença de passar por uma etapa denominada de esmaltação, na qual recebe uma camada de esmalte.

É na etapa de esmaltação que são produzidos os efeitos existentes nos porcelanatos, transformando-o em um revestimento coringa.

A absorção de água dos porcelanatos esmaltados também é baixa, mas é um pouco maior que os porcelanatos técnicos (menor ou igual que 0,5%).

Leve em conta a resistência

O porcelanato para cozinha deve ser prático e fácil de limpar, afinal trata-se de um ambiente em que haverá respingos de gordura e água. No caso de cozinhas, o ideal é optar por revestimentos na versão natural ou acetinada, que são menos escorregadias.

Além dos cuidados com a manutenção, é preciso ter em mente ainda outra preocupação: a durabilidade. O piso precisa ser resistente o suficiente para durar anos. Nesse caso, é preciso pensar em sua resistência.

No caso dos porcelanatos esmaltados, é imprescindível atentar para a classificação PEI (sigla que, em inglês, significa Porcelain Enamel Institute). O número PEI relaciona-se com a resistência do porcelanato. Sua escala varia de 0 a 5 e, quanto maior o seu valor, maior será a resistência do esmalte.

Use pastilhas para dar destaque

Revestimento em pastilha de vidro com mesca de tons em azul claro e escuro.

O porcelanato é um tipo de revestimento que, por si só, já traz beleza ao ambiente. Mas, a depender do caso, é possível inserir outros revestimentos no projeto de paginação.

As pastilhas, muito utilizadas em detalhes nas paredes, são um exemplo de revestimento que dialoga bem com o porcelanato. Elas podem ser aplicadas em faixas em paredes específicas, como aquelas próximas da pia e do fogão.

Além de trazerem um excelente efeito estético, elas representam uma forma de proteção, já que o piso de porcelanato tem ótima absorção de água.

Linha Cúbica

Com texturas tridimensional, a linha Cúbica abre o leque de opções para a criatividade. O efeito geométrico complementa o acento descolado e moderno da proposta, atraindo os olhos e quebrando a monotonia em ambientes monocromáticos. Quer ver na prática? Dê uma olhada neste projeto da DRÖMMA ARQUITETURA e nesta cozinha corporativa do Espaço & Casa Arquitetura e Interiores.

Wall Mosaic

Outra boa pedida é a coleção Wall Mosaic, uma linha exclusiva para paredes que conta com os mais variados relevos e texturas.

Um lindo exemplo é este projeto de Patricia Antônio e Pollyana Garcia que usa o modelo Petit Tresor Blanc.

Essa coleção pode ser aplicada tanto como papel de parede como em sutis detalhes, trazendo um efeito de superfícies tridimensionais. Suas principais variações abrangem peças:

  • em tons brancos: com formatos que variam desde o 30×60 até o 30×90, as peças podem ser lisas ou com texturas, possuindo acabamento natural, mate ou com brilho, possibilitando o seu uso em todos os ambientes da casa.
  • reproduzindo materiais como madeira pedra ou concreto: conta com opções com superfície natural ou em acabamento mate que é uma tendência para a decoração e garante uma atmosfera atual ao ambiente.

Dicas práticas e ideias para especificação de porcelanatos em cozinhas pequenas

Revestimento em porcelanato grande com padronagem semelhante a mármore.

Se você chegou até este ponto da leitura, é bem provável que você já tenha se tornado um expert em projetos de cozinha com porcelanato.

Para aumentar ainda mais a sua expertise, separamos algumas dicas básicas a serem observadas na definição de pisos porcelanatos em projetos de ambientação de cozinhas pequenas. Tome nota:

  • para cozinhas separadas por bancadas, prefira o porcelanato neutro, com o mesmo padrão, para dar continuidade e uniformidade ao cômodo;
  • em cozinhas pequenas, a tendência é dar preferência a peças menores, com dimensões variando entre 50 e 60cm. Mas isso não significa que as placas grandes não possam ser usadas. Basta que o projeto de paginação seja feito com cuidado;
  • nos casos de cozinhas integradas com outros cômodos, como a sala de estar ou jantar, porcelanatos que reproduzam o efeito de madeira trazem elegância ao ambiente;
  • leve em consideração as especificações dos produtos no momento escolha. Para as paredes, opte pela sigla RI – Revestimento Interno. Já para o chão, invista no piso com a sigla RE – Residencial;
  • cuidado ao especificar os rejuntamentos. Defina tons de rejuntes parecidos com a cor escolhida para o porcelanato, o que vai garantir a sensação de amplitude;
  • para criar uma cozinha moderna e contemporânea, uma sugestão é aplicar o piso estampado. Eles são diferentes, versáteis, garantem um ar despojado e estão na moda. São uma interpretação muito contemporânea e autoral do ladrilho hidráulico.

Linha Algarve

A Linha Algarve surpreende pela sofisticação. Com formato 20×20cm e pintura levemente desgastada, que faz lembrar aquele jeans “stoned”, o azul e branco dos azulejos pode ser composto em mix de desenhos ou com a repetição de um mesmo padrão. É uma linha que amplia as opções de personalização de superfícies. Mais uma ferramenta para a criatividade em projetos.

Para evitar as manchas que podem aparecer com o tempo, uma saída é escolher o porcelanato que reproduz o cimento queimado. Nesse caso, as manchas ficam menos aparentes.

Linha Bauhaus

Inspirada na racionalidade e no minimalismo da arquitetura modernista, a Linha Bauhaus reproduz o concreto com relevo suave e cores urbanas.

Não se esqueça de alertar o seu cliente quanto à necessidade de manutenção do revestimento, realizando sempre limpeza adequada de modo a manter as características iniciais de cada peça, evitando especialmente produtos abrasivos.

E aí, preparado para arrasar nos projetos de decoração para cozinha pequena? Já sabe especificar o porcelanato com segurança? Então, aproveite e siga nossos perfis nas redes sociais para ficar por dentro do que há de mais moderno no universo da arquitetura. Estamos no Facebook, Twitter, Pinterest e Instagram!

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *