Menu
Projetos e Obras
Busca

Portobello Coleção

Coleção 2012 Portobello – Marmi Clássico

26/03/2012

A linha Marmi Clássico é uma reprodução dos mármores brancos gregos Bianco di Ariston e Pigues e do mármore Paonazzeto, com origem na Ásia Menor, atual regiāo Egea na Turquia. Reconhecido por sua nobreza, o mármore é original do calcário, que após um tempo exposto a altas incidências de calor e pressão se transforma em(…)

A linha Marmi Clássico é uma reprodução dos mármores brancos gregos Bianco di Ariston e Pigues e do mármore Paonazzeto, com origem na Ásia Menor, atual regiāo Egea na Turquia. Reconhecido por sua nobreza, o mármore é original do calcário, que após um tempo exposto a altas incidências de calor e pressão se transforma em belas pedras naturais.

Mas a beleza estética também denuncia sua delicadeza: cerca de 50% do que é extraído da natureza acaba se perdendo no corte das pedras para aplicação em construção civil, ao contrário do porcelanato, que não apresenta desperdícios.

Paonazzetto – Os veios em formato “paonazze” fazem uma referência às penas da cauda do pavão. As tonalidades violáceas acinzentadas com nuances douradas são a marca de autenticidade deste mármore.

Bianco di Ariston – Originário da cava de Drama na Grécia, também recebe o nome de Ariston Drama e é caracterizado por suaves veios lineares em tons fendi e chumbo.

Pigues – É um mármore sem veios, com superfície branca e nuances acinzentadas, reconhecido por sua intensidade. O tipo A1 é o mais suave e mais raro e pode ser encontrado em diversas partes do mundo, sendo que é na Grécia que ocorre com maior pureza e originalidade, como a lastra reproduzida em porcelanato Portobello.

Todos foram trabalhados nos formatos 60×120 e 90×90 e superfícies natural e com lapatura, efeito que dá um brilho suave ao material. Veja imagens do produto individual abaixo.

      

O desafio da linha Marmi Clássico foi atingir o toque na superfície que reproduz o toque da pedra natural. Para chegar ao resultado final, foram testadas inúmeras combinações entre matéria-prima, temperatura de queima e intensidade de brilho.

1 comentário

Deixe uma resposta para José Augusto Junior Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *