Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Colunistas

Círculo da Vida

06/04/2020

Linha Cobogó Sururu: lançamento da Pointer revela a importância do design e do investimento industrial em ações sociais que geram trabalho em escala para comunidades carentes.

Quem esteve no 3o ARCHTRENDS SUMMIT da PORTOBELLO, realizado nos dias 9 e 10 de março, projeto para o qual tive a honra de ser a curadora de conteúdo,  pode se emocionar, como eu, com mais um dos lindos projetos capitaneados pelo designer e conector de ideias e pessoas, Marcelo Rosenbaum e seu instituto A Gente Transforma (“AGT”).

Palco Archtrends Summit com Marcelo Rosenbaum, Itamacio dos  Santos e Rodrigo Ambrosio

Marcelo foi chamado pelo BID LAB, laboratório de inovação do Banco Interamericano de Desenvolvimento e pela Prefeitura de Maceió para contribuir com o projeto ‘Maceió mais Inclusiva através da Economia Circular’. Um dos problemas colocados à mesa foi a pesca do Sururu, molusco considerado patrimônio cultural de Alagoas, importante fonte de renda para a comunidade de Maceió, mas que ao mesmo tempo gera milhares de toneladas de resíduo por mês. Marcelo e o AGT se debruçaram sobre a pesca desse molusco realizada pela Comunidade do Vergel, às margens da Lagoa do Mundaú. Só ali são 300 toneladas de conchas ao mês que poluem a lagoa e seus arredores.

Conchas de sururu às margens da Lagoa Mundaú (Alagoas)

Marcelo e o AGT trabalham há mais de dez anos na melhoria do meio ambiente e na criação de oportunidades sociais para comunidades marginalizadas, através da valorização da sua cultura e saberes ancestrais e, especialmente, do resgate da sua autoestima. Neste processo de reconhecimento da comunidade do Vergel, Marcelo foi apresentado a Itamacio dos Santos, um artesão local que fazia caqueiras (vasos) de cimento. Juntos, Marcelo e Itamacio testaram colocar na massa das caqueiras as conchas do sururu moídas, substituindo assim a areia utilizada. Foram meses de testes, até se chegar ao ponto certo de trituração das conchas, para que a massa tivesse a liga e textura perfeitas.

Itamacio trabalhando com o cobogó de cimento com as conchas do sururu moídas

Agora, o que fazer com aquela massa para das vazão à reciclagem das conchas? Marcelo trouxe ao debate Rodrigo Ambrosio, designer alagoano seu parceiro em projetos anteriores. Ambos colocaram, literalmente, as mãos na massa para desenvolver um cobogó – elemento arquitetônico estrutural, originário do nordeste brasileiro, que permite a circulação do ar – com o centro vazado na forma da concha do sururu. Itamacio deu a palavra final sobre o tamanho do cobogó: “os primeiros moldes eram muito pequenos e minha escovinha de polimento não cabia na parte vazada para dar acabamento. Tivemos que aumentar um pouco a peça. Agora esta perfeita“.

Marcelo Rosenbaum, Itamacio dos  Santos e Rodrigo Ambrosio trabalham para desenvolver o Cobogó de Sururu da Mundaú (Foto: @mrosenbaum)

Cobogó Sururu pronto, nas mãos de Itamacio dos Santos

Graças à forca das mídias sociais, os posts de Rosenbaum sobre o processo de desenvolvimento deste cobogó chegaram ao conhecimento da diretora de inovação e branding da Portobello, Christiane Ferreira, que imediatamente escreveu a ele propondo a inserção deste produto no catálogo da Pointer, marca do grupo Portobello, com fábrica em Alagoas.

Por ora, já são 5 moradores do Vergel envolvidos na produção dos cobogós, sob a coordenação de Itamacio, responsável por desenvolver e capacitar a mão de obra local para viabilizar o aumento sustentável da produção.

Fruto deste casamento perfeito, a linha Cobogó Sururu foi lançada pela Pointer na EXPOREVESTIR , maior feira de revestimentos da América Latina que aconteceu em São Paulo de 10 a 13 de marco, dias antes do Brasil frear suas atividades por conta da disseminação do coronavírus.

Painel com Cobogó Mundaú no estande da Pointer, na EXPOREVESTIR 2020

Um lançamento que, mais do que nunca, revela a importância do design e do investimento industrial em ações sociais que geram trabalho em escala para comunidades carentes através da reciclagem de resíduos e outros materiais locais, proporcionando uma economia circular de valor agregado.

Obrigada Marcelo, BID LAB, Prefeitura de Maceió, Rodrigo Ambrosio, Itamacio, Christiane Ferreira, Pointer e Portobello! O mundo precisa cada vez mais de exemplos inspiradores como vocês!

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *