Menu
Projetos e Obras
Busca

Entrada principal do Centro Pecci (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

Conteúdo Correspondentes Internacionais

Centro Pecci e a arte contemporânea na Itália

11/04/2022

Compartilhamos os detalhes do projeto contemporâneo Centro Pecci, em meio à cidade histórica de Prato, na Itália

Já imaginou caminhar por uma pequena cidade italiana e se deparar com um edifício inesperado e com uma arquitetura contemporânea? É o que acontece com muitas pessoas ao visitar o Centro Pecci, na cidade de Prato, situado nos arredores de Florença. 

O Centro de Arte Contemporânea Luigi Pecci (o museu Centro Pecci) hoje é composto por duas partes: o edifício projetado na década de 1980 pelo arquiteto Italo Gamberini e a extensão projetada pelo estúdio Maurice Nio / NIO architecten, em Rotterdam

Fachada do Museu Pecci em Prato
Centro Pecci em Prato (Imagem cortesia: Luiza vegini)
Exposições do Museu Pecci em Prato
Exposições do Centro Pecci em Prato (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

O novo edifício acolhe as instalações de Gamberini e duplica a sua área de exposições. 

O projeto de expansão foi pensado para valorizar e intensificar a programação e a oferta cultural, atendendo aos requisitos fundamentais de duplicação do espaço expositivo disponível. 

Assim, permitiu uma ampla apresentação do patrimônio permanente do Centro Pecci, a subdivisão de espaços e a alternância de projetos.

Corredores do Museu Pecci em Prato
Corredores do Museu Pecci, em Prato (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

A largura do novo piso expositivo, de altura variável e dividido em duas alas que se estreitam e ligam as atuais salas do museu, pode também garantir várias soluções e modulações espaciais adequadas às características das obras de arte contemporâneas.

Pático externo do Museu Pecci em Prato
Pático externo do Centro Pecci (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

A arquitetura futurista desenhada por Nio circunda a “fábrica de cultura” de Gamberini e resume melhor a nova centralidade que a instituição pretende assumir num contexto urbano de transformação, declarando a sua propensão a abrir-se e irradiar-se para fora.

Janela da fachada do Museu Pecci em Prato
Janela da fachada do Centro Pecci (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

O edifício Gamberini desenvolve-se acima de um subsolo, que abriga os espaços técnicos do museu, em dois pavimentos que alternam formas assimétricas e simétricas, volumes orgânicos e racionais, seguindo uma planta segmentada em forma de U.

No piso térreo, são criados desde 2003 espaços dedicados a projetos de artistas e intervenções temporárias específicas, ao lado dos laboratórios didáticos, do bar-restaurante, da loja e do auditório situados nesta área desde a inauguração. 

Loja do Museu Pecci em Prato
Loja do museu de arte contemporânea (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

No primeiro piso encontram-se a recepção e as salas do museu de planta quadrada que, em 2003, sofreram uma radical remodelação arquitetônica. A entrada para o piso principal, introduzida externamente por uma ponte aberta elevada de um lado do jardim, é conectada internamente por meio de um túnel coberto pelo edifício lateral.

Recepção do Museu Pecci em Prato
Recepção do Centro Pecci (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

O projeto arquitetônico de Maurice Nio, Sensing the Waves, faz parte de uma análise do projeto de Italo Gamberini e dos problemas apontados no uso do edifício. 

Durante a fase de projeto, o arquiteto identificou dois tipos de problemas: a falta de continuidade entre os percursos de visita e circulação – o percurso do edifício existente é linear, fortemente direcionado e obriga o visitante a refazer o mesmo percurso no final da exposição – e a pouca visibilidade da entrada principal.

Corredores de exposição do Museu Pecci em Prato
Corredores de exposição do Museu Pecci (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

Para abordar essas questões, o arquiteto holandês partiu do sugestivo paralelo entre o museu e o palácio imperial de Tóquio, que, embora visível a todos e extremamente reconhecível, não deixa de ser inacessível. 

Um dos problemas foi resolvido com a criação, no primeiro piso – onde estão atualmente divididas todas as salas de exposição – de um novo percurso, de forma a criar uma diversificação dos eixos de utilização. 

Entrada principal do Museu Pecci em Prato
Entrada principal do Centro Pecci (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

O segundo ponto foi resolvido colocando no térreo todas as funções destinadas ao público, como a recepção, o centro de informação, a bilheteira e a livraria. Por fim, a entrada principal estava claramente orientada na direção do cruzamento das estradas principais.

Pátio externo do Museu Pecci em Prato
Pátio externo do Museu Pecci (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

A nova extensão do Centro surge, em relação ao carácter do edifício existente, por um lado como uma intervenção rígida e mecanicista, inspirada nas oficinas têxteis de Prato, por outro, como elástica e sonhadora. 

A nova estrutura circunda o edifício existente, cruzando-o apenas quando necessário ao longo do circuito expositivo. Como o ângulo do piso expositivo varia continuamente, surgem no edifício espaços com atmosferas diferenciadas, adequadas para acomodar as diversas possibilidades expositivas. 

Janela com bordas arredondadas do Museu Pecci em Prato
Janela o Museu Pecci (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

A “torre” é um objeto peculiar do novo Centro Pecci, um elemento simbólico e, ao mesmo tempo, um elemento que lembra uma buzina e uma antena juntos. 

Para Maurice Nio, na verdade, tem a função de representar tanto uma bandeira orgulhosamente hasteada para visitantes, quanto uma sonda que capta movimentos culturais, constantemente em busca de novas correntes e tendências.

A torre escultórica do Museu Pecci em Prato
A torre escultórica do Museu Pecci em Prato (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

Exposição do Superstudio no Centro Pecci

Além da visita ao museu e da análise das características arquitetônicas, tive o prazer de conferir uma exposição narrativa sobre a história do Superstudio.

Exposição do Superstudio no Museu Pecci
Exposição do Superstudio no Centro Pecci (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

Na década de 1960, Cristiano Toraldo di Francia e Adolfo Natalini, dois estudantes de arquitetura de vinte e poucos anos, de Florença, decidiram empreender a tarefa substancial de projetar uma nova maneira para os cidadãos habitarem a terra. 

Impulsionados pelas possibilidades apresentadas nos romances de ficção científica e pelo desejo de prescrever o design para resolver os problemas de sua época, a dupla, que se autodenominou Superstudio, buscou reinventar continuamente seu papel no que significa ser arquiteto. 

A solução deles foi a criação de uma cultura “anti-design” como forma de comentar a política, o capitalismo e o urbanismo, criando ideias nas quais cada um recebe um espaço funcional que se liberta do tempo, do lugar e da necessidade de objetos excessivos.

Exposição do Superstudio no Museu Pecci em Prato
Exposição do Superstudio (Imagem cortesia: Luiza Vegini)

Em 2015, tive o prazer de participar de um projeto de workshop diretamente com Cristiano Toraldo, projetando uma exposição do Superstudio para o museu MAXXI em Roma. Foi incrível poder ver novamente de perto um pouco mais sobre a história de grandes arquitetos que deixaram seus nomes e criações marcados na história.

Quer conferir outras exposições e museus na Itália? Acesse:

Gostou do post? Compartilhe sua opinião com a gente!

Nenhum comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *