Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Arquitetura

Entenda o que é a Arquitetura Moderna e quais são suas influências

14/08/2017

A influência da Arquitetura Moderna se estende a diversas áreas (como a arte e o design) e perdura até hoje em cidades do mundo inteiro!

A influência da Arquitetura Moderna se estende a diversas áreas, incluindo a arte e o design, e perdura até hoje em cidades do mundo inteiro.

Assimilar o seu conceito é importante para compreender diversas características arquitetônicas, sejam elas contemporâneas, de décadas passadas e, possivelmente, até futuras.

Neste post, você vai descobrir aspectos relevantes da Arquitetura Moderna e conhecer alguns dos principais nomes influenciados por essa vertente que mudou a forma com que as construções integram os ambientes. Confira!

Qual é a diferença entre Moderno e Contemporâneo?

No dia a dia, é comum confundir o significado de “moderno” e “contemporâneo”. Provavelmente você já viu esse primeiro termo sendo usado para se referir a algo atual. Está incorreto? Sim e não! Vamos explicar.

O engano acontece porque há uma associação da palavra “moderno” com tudo aquilo que é novo ou diferente. No entanto, oficialmente, “moderno” remete aos ideais que surgiram na Europa e se alastraram pelo mundo no período entre 1453, com a tomada de Constantinopla pelos turcos otomanos, até 1789, com o início da Revolução Francesa.

Já o período que sucede à Revolução Francesa, ou seja, dos anos 1789 até os dias atuais, é conhecido por Idade Contemporânea.

Então por que não é equivocado se referir a algo recente como “moderno”? Porque as influências do modernismo continuam muito fortes e se desdobram até hoje em muitos aspectos da nossa vida. Além disso, abrange todas as áreas do conhecimento humano: as artes, a ciência e até o modo como a História é interpretada.

Afinal, o que é a Arquitetura Moderna?

Como dito, diversos campos foram e ainda são influenciados pelos ideais modernos, incluindo a arquitetura. No contexto arquitetônico, a influência desses ideais foi tão grande que deu origem a uma nova maneira de criar, planejar e arquitetar obras e construções. 

Principalmente nas primeiras décadas do século XX, a Arquitetura Moderna marcou-se como um período de rejeição aos estilos tradicionais.

Nesse momento, ocorreram modificações em diversos aspectos que deram forma a muito do que é construído até hoje em cidades do mundo inteiro.

Quem conseguiu resumir bem esse espírito foi o alemão Mies van der Rohe (1886 – 1969), em uma frase que é, ela própria, exemplo do seu significado: “menos é mais”.

Esse estilo moderno privilegia tudo o que é simples, mas nunca o que é simplório. Tal característica se manifesta, principalmente, nas formas — que são básicas — e na matéria-prima utilizada, como o concreto aparente, o aço e o vidro (os materiais favoritos da Arquitetura Moderna).

É importante ressaltar que o mundo vivia um período propício a todas essas transformações na forma de fazer arquitetura, pois havia passado pela Revolução Industrial que mudou a maneira de produzir e revolucionou a qualidade dos materiais de construção por meio de novas tecnologias.

Ao redor de todas as peculiaridades que marcam essa vertente, também está a valorização das funções sociais das construções.

Em diferentes graus, todos os grandes arquitetos modernos preocupam-se com a forma como suas criações serão utilizadas, na prática, pelas pessoas.

Um exemplo interessante disso é um dos grandes ícones da Arquitetura Moderna no Brasil: o vão livre do Museu de Arte Contemporânea de São Paulo (MASP), projetado por Lina Bo Bardi e inaugurado em 1947.

O vão é um elemento recorrente em várias obras modernistas. O MASP sintetiza uma característica arquitetônica muito valorizada: a integração das construções com a vida urbana. Ele é palco de diversos eventos e também de encontros cotidianos, tornando-se quase uma praça.

Como se deu a Arquitetura Moderna no Brasil?

Internacionalmente, a Arquitetura Moderna se embasou nos ideais da Idade Moderna e se fortaleceu com as facilidades advindas de um novo meio de produção proporcionado pela Revolução Industrial.

No Brasil, esse movimento foi influenciado pela transformação do modo de entender a arte dada em um dos marcos da nossa história: a Semana de Arte Moderna de 1922.

A Arquitetura Moderna brasileira se deu de maneira mais expressiva entre 1930 e 1950, com as propostas da Semana de 1922.

O movimento pregava a expressão do nacional de forma autônoma e independente dos ideais europeus. Isso marcou o movimento arquitetônico nacional e fez com que um novo estilo de pensar arquitetonicamente fosse desenvolvido, adaptado à nossa cultura, nossas formas e nossos materiais.

Além do MASP, diversas outras obras e seus respectivos arquitetos se destacaram como símbolos da Arquitetura Moderna no Brasil:

Quais são os seus expoentes?

A Arquitetura Moderna é marcada por grandes nomes. Os profissionais foram elevados ao status de artistas e, hoje, fala-se até em starchitects (arquitetos estrelas).

Sendo assim, a melhor maneira de compreender os principais aspectos da Arquitetura Moderna é conhecer um pouco mais dessas grandes personalidades e analisar suas contribuições importantes. Vamos lá?

Le Corbusier

Le Corbusier é o pseudônimo do franco-suíço Charles-Edouard Jeanneret-Gris (1887 – 1965). O arquiteto tem um legado de cerca de 30 obras em diversos países e mais da metade do seu trabalho é considerada Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Fortemente influenciado por conceitos matemáticos — como a Proporção Áurea e a Sequência de Fibonacci —, Le Corbusier foi um mestre do concreto armado.

O aspecto clean de seus desenhos é traduzido em longas janelas em fita e pilotis que permitem ampla circulação.

Outra preocupação essencialmente moderna do arquiteto era a utilização dos ambientes pelas pessoas. Essa atenção fica evidente, por exemplo, no Unité d’Habitation, conjunto habitacional inaugurado em 1952 na cidade francesa de Marselha. Ele foi concebido como uma “cidade-jardim” vertical e privilegia a vida comunitária com diversos espaços para uso público.

Mais uma obra que destaca a sua vocação urbana é a Cidade Radiante. O projeto de 1924 nunca foi tirado do papel, mas permanece um atestado das preocupações urbanísticas de Le Corbusier.

Ele divide a cidade em diversas áreas planejadas que, segundo o arquiteto, seriam capazes de desenvolver uma sociedade melhor.

A contribuição de Le Corbusier para a Arquitetura Moderna foi tamanha que, ainda hoje, cinco de seus princípios são utilizados ao redor de todo mundo e ficaram conhecidos como “Os Cinco Pontos da Arquitetura Moderna de Le Corbusier”. São eles:

  • fachada livre — fachadas sem vedações e divisórias em suas estruturas, conferindo liberdade para projetos de variados formatos;
  • janelas em fita — janelas que percorrem as edificações com o intuito de fornecer mais iluminação aos ambientes;
  • pilotis — em que colunas substituem paredes estruturais para a criação de espaços abertos e vãos livres para a circulação de pessoas;
  • terraço-jardim — utilização das coberturas e telhados como terraços e jardins feitos para o lazer dos usuários;
  • planta livre — ambientes abertos nos quais diferentes cômodos interagem e se integram.

A Escola Bauhaus

O período de funcionamento da Escola Bauhaus já torna evidente a sua veia modernista. Criada logo após o final da Primeira Guerra Mundial, em 1919, pelo alemão Walter Gropius (1833 – 1969), teve suas atividades encerradas em 1933 — ano que também está relacionado a um fato marcante para a modernidade: a ascensão do nazismo.

Apesar de sua breve existência, a Bauhaus ainda influencia a arquitetura e o design até hoje. Ela valorizava a simplicidade das formas e orientava os projetos para uma questão central: a funcionalidade.

A frase “a forma segue a função” resume a motivação da Escola — e de todo o funcionalismo. Quem a expressou, porém, foi um norte-americano, ainda no final dos anos 1890: o arquiteto Louis Sullivan (1856 – 1924), que ajudou a moldar o horizonte de Chicago.

Um dos grandes trunfos da Bauhaus foi aliar diversas vertentes das artes, do design e da arquitetura. Ela trabalhava com a idealização de prédios inteiros, de móveis, de cerâmicas, entre outros.

Até hoje as marcas dessa tendência no design são acentuadas. O aspecto clean dos produtos da Apple, por exemplo, é descendente direto da escola alemã.

Oscar Niemeyer

É impossível falar em Arquitetura Moderna sem citar o maior modernista brasileiro e um dos grandes nomes do movimento no mundo.

Oscar Niemeyer (1907 – 2012) define bem o que inspira todo o seu trabalho: “De Pampulha a Brasília, eu segui o mesmo caminho, preocupado com a forma nova, com a invenção arquitetural. Fazer um projeto que não representasse nada de novo, uma repetição do que já existia, não me interessa”.

O arquiteto estava intimamente engajado com o modernismo e elevou ao máximo a valorização das formas mais simples. As curvas tornaram-se sua assinatura inesquecível e são referenciadas até hoje por outros grandes nomes — como a iraquiana Zaha Hadid (1950 – 2016).

construção de Brasília, durante a década de 50, é um marco não apenas da arquitetura e política nacionais ou da carreira de Niemeyer, mas também do modernismo mundial.

A capital brasileira foi a primeira cidade a ser toda planejada com ideias modernistas em mente.

Lina Bo Bardi

A ítalo-brasileira Lina Bo Bardi (1914 – 1992) já dava sinais de influência modernista na faculdade. Ela graduou-se em 1939 na Faculdade de Arquitetura de Roma com o trabalho Núcleo Assistencial da Maternidade e da Infância.

Aliando um aspecto modernista à motivação social da arquiteta, o projeto teve foco na família e pretendia ser um refúgio para as mães solteiras da Itália pré-guerra.

Quando veio com o marido para o Brasil, em 1946, decidiu construir a residência do casal. O resultado foi a sua primeira obra no país e também um marco para o modernismo em solo brasileiro: a Casa de Vidro.

Finalizada em 1951, ela fica no Morumbi, rodeada por Mata Atlântica. O nome não é em vão: apoiada por finas colunas no meio das árvores, a fachada da casa é inteiramente de vidro, em contraste com os fundos maciços.

Curiosamente, na mesma época outros dois projetos similares foram construídos por modernistas famosos: a Glass House, de Philip Johnson (1906 — 2005) e a Casa Farnsworth, de Mies van der Rohe.

Lúcio Costa

Lúcio Costa (1902 — 1988) nasceu na França, estudou em diversos países da Europa e, em 1917, deu início a seus estudos no Brasil, tornando-se arquiteto em 1924 pela Escola Nacional de Belas Artes.

A princípio, entre 1922 e 1929, as obras de Lúcio Costa seguiam os padrões neoclássico e colonial. No entanto, ao ter contato com obras modernas, o arquiteto desenvolveu interesse pelo estilo e passou a se inspirar em arquitetos como Le Corbusier e Mies van der Rohe.

Costa tornou-se professor na Escola Nacional de Belas Artes, onde teve a oportunidade de conhecer seu futuro parceiro de projetos, Oscar Niemeyer.

Em 1935, Costa assumiu o projeto da sede do Ministério da Educação do Rio de Janeiro e montou com uma equipe formada não só por Niemeyer, mas também por Le Corbusier.

A partir desse ponto, a carreira de Lúcio Costa não parou de crescer, chegando ao ápice de se tornar o responsável pelo projeto urbanístico da nova capital federal, trabalho ao qual se dedicou entre 1957 a 1960, ano em que também recebeu o título de Professor Honorário de Harvard.

Affonso Eduardo Reidy

Nascido em Paris, Affonso Eduardo Reidy (1906 — 1964) cresceu e viveu no Rio de Janeiro. Assim como Lúcio Costa, o arquiteto se graduou pela Escola Nacional de Belas Artes e foi responsável por projetos arquitetônicos baseados nos grandes nomes da Arquitetura Moderna Mundial, como Le Corbusier.

Em 1936, Reidy integrou a equipe de Lúcio Costa e participou do planejamento da sede do Ministério da Educação. Com ideais voltados para a construção de metrópoles modernas, ele acreditava que as edificações eram como um organismo integrado ao espaço urbano.

Em 1953, o arquiteto concluiu a maior e mais expressiva obra moderna, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, que ficou conhecido não só pelo seu estilo arquitetônico, mas também por ser uma das primeiras obras ricas em pórticos de concreto armado do Brasil.

Esses são apenas alguns dos principais nomes da Arquitetura Moderna, que foi desenvolvida por vários outros grandes arquitetos.

Ela continua inspirando incontáveis profissionais a pensarem em edificações que se integram ao ambiente e encantam com formas simples e materiais do dia a dia.

E o seu trabalho, também é inspirado por essa vertente? Faça parte do Archtrends Portobello e compartilhe seus projetos com a gente!

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *