Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Arquitetura

Incorpore os conceitos da arquitetura lúdica em locais inusitados

09/03/2018

Projetos que têm como foco a arquitetura lúdica podem transformar por completo a experiência de qualquer pessoa que entrar em contato com o ambiente. Descubra como inserir os conceitos dessa técnica em locais nunca (ou muito pouco) pensados antes!

A arquitetura lúdica promete transformar ambientes comuns em espaços inovadores para pessoas de qualquer faixa etária, não apenas o tradicional público infanto-juvenil.

Ao ouvir falar do termo “lúdico”, é muito comum que as pessoas pensem automaticamente nas crianças. Não está errado, mas a prática de desenvolver projetos da categoria vem tomando rumos diferenciados que fogem desses espaços.

Conheça as melhores formas de desenvolver e reproduzir a arquitetura lúdica a partir de ideias inovadoras e criativas!

Os benefícios de investir na dimensão lúdica da arquitetura

Projetos lúdicos já são muito conhecidos por profissionais que têm como foco o público infantil. Eles são responsáveis por transformar os ambientes frequentados pela criança em locais onde é possível ter uma interação divertida, que estimula a criatividade e incentiva o desenvolvimento da personalidade.

Por exemplo: escolas que têm projetos de arquitetura lúdica aumentam consideravelmente o interesse da criança pelo aprendizado (que pode se tornar tedioso com o passar do tempo para várias delas).

Isso pode ser feito das seguintes maneiras:

  • ambientes confortáveis;
  • paleta de cores que estimula os sentidos;
  • disposição da mobília de forma inusitada, como nas salas de aula onde as mesas são posicionadas em círculos;
  • acesso fácil a brinquedos e objetos que incentivam a criatividade, como instrumentos musicais.

Com o passar do tempo, porém, uma nova pergunta começou a ser feita: por que investimos na dimensão lúdica da arquitetura apenas no dia a dia das crianças? Esse questionamento está cada vez mais forte, principalmente depois que percebemos os inúmeros benefícios dessa iniciativa para a personalidade e o desenvolvimento das crianças.

Elas se tornaram mais criativas, autônomas e curiosas, além de bem menos estressadas. Sabemos que a sociedade atual está extremamente presa à rotina, ao tempo corrido e a tarefas que parecem não terminar nunca. Pense, no meio disso tudo, como seria bom ter um espaço capaz de estimular os mesmos sentidos em uma pessoa adulta?

É importante lidar com a arquitetura lúdica esquecendo a ideia de “diversão” por alguns minutos. Sim, ela envolve inúmeros projetos de lazer e tempo livre. Mas seu diferencial — que vem conquistando escritórios de arquitetura renomados internacionalmente — é a possibilidade de adequar o conceito também no escritório, na cozinha, na sala de televisão ou em qualquer outro ambiente.

A possibilidade de criar projetos inovadores

Depois de sair das áreas de lazer e das escolas infantis, a arquitetura lúdica começou a sofrer alterações e ser adaptada para ambientes usados estritamente pelo público adulto. Escritórios de grandes empresas, inclusive, adotaram o conceito em seus projetos e transformaram por completo a interação dos funcionários com o espaço em questão.

Separamos abaixo alguns projetos muito interessantes que afirmaram o poder da arquitetura lúdica:

Escritório da Google

Tenho certeza que você já ouviu falar sobre os escritórios criativos da Google. Os projetos, que têm diversas versões em todos os escritórios internacionais, usaram o conceito da arquitetura lúdica em espaços profissionais de forma pioneira e iniciaram uma série de mudanças em empresas ao redor do mundo.

Os escritórios utilizam uma paleta de cor diversificada e alegre, além de estimularem a criatividade com elementos tradicionalmente associados a crianças. Tobogãs que dão acesso a outros andares e salas da empresa, piscinas de bolinha e salas de jogos são apenas alguns dos exemplos que ilustram muito bem o conceito.

Além disso, cada uma das salas é desenvolvida de maneira diferente da outra: algumas simulam o fundo do mar, outras fazem referência a florestas e, no meio disso, existem alusões a cidades e países de todo o mundo em uma arquitetura que permite que o funcionário trabalhe diretamente de um pufe ou de uma espreguiçadeira.

Os novos hábitos pregados pela Google transformaram a maneira como os funcionários lidam com a rotina. A consequência é o aumento da produtividade e satisfação, como contam vários deles em suas redes sociais.

Aaron Lichtig e Katy Levinson, ambos americanos, são apenas dois exemplos de centenas de funcionários realizados. A estratégia é responsável por subir consideravelmente os números da companhia e alcançar resultados ainda melhores.

Piano House

Ao ver a construção, que foi feita na China, é possível que você pense em alguma obra da ficção, e o motivo está logo na fachada: o prédio é um piano gigante!

O local, que funciona como escola de música e centro de informações culturais, é um exemplo claro de como a arquitetura lúdica é uma ótima opção para espaços de produção, criatividade e aprendizado.

Palais Bulles

Agora que você tem exemplos de escritório e de escola de música, é hora de ver como a arquitetura lúdica foi incorporada em uma mansão na França. O “palácio de bolhas”, em tradução literal, é uma vila que foi construída entre os anos 70 e 80 na região de Cannes.

O objetivo do projeto, de acordo com os arquitetos responsáveis, era proporcionar a sensação de morar nas cavernas, da mesma forma que nossos ancestrais viviam. Assim, é possível interagir com a arquitetura do local e obter experiências a partir dela, o que se enquadra perfeitamente na definição de “lúdico”.

Melhores formas de reproduzir a ideia

Por mais que os projetos notáveis de arquitetura lúdica sejam esplêndidos, é preciso pensar em ideias funcionais e que sejam de fácil reprodução, afinal, não é todo mundo que consegue pagar US$ 11 mil para passar um dia no palácio das bolhas.

Sabendo do poder de transformação que um projeto dinâmico e lúdico pode ter na vida do seu cliente, vamos dar algumas dicas sobre o que funciona bem em qualquer lugar.

Dê uma companhia para a escada

Já pensou em criar uma alternativa para que o seu cliente transite entre os andares da casa? Escorregadores ou “postes de bombeiro” fazem sucesso principalmente entre pessoas mais jovens, que buscam por projetos modernos e fora do comum.

Mesmo que ele não seja usado diariamente pelos moradores, podemos garantir que servirá como um ótimo objeto de decoração e forma de divertir as visitas.

Pense em temas para os cômodos

Outra ideia muito válida é a escolha de ambientes temáticos. Inspire-se na Google, por exemplo, e invista em cômodos inusitados de acordo com os gostos do cliente. Faça referência a alguma série ou filme, inspire-se em cidades pelas quais os moradores têm um carinho especial ou busque temas mais abrangentes, como miniparaísos tropicais no jardim e na área da piscina.

Estimule os cinco sentidos

Não foque apenas na decoração visual. A arquitetura lúdica também deve se preocupar em instigar sentidos como o tato, o olfato e até o paladar. Isso pode ser feito por meio do uso de revestimentos em 3D, texturas em geral, aromatizantes de ambiente etc.

Veja algumas maneiras de desenvolver o que chamamos de sinestesia na arquitetura:

  • escolha sofás fofinhos e outros móveis de materiais aconchegantes, como plumas, algodão e o suede;
  • aplique revestimentos que causem sensações agradáveis ao toque. O porcelanato é uma ótima opção;
  • invista nas plantinhas, mesmo que sejam artificiais;
  • aposte em lareiras, minifontes e caixas de som embutidas nos cômodos.

Ao compreender que a arquitetura lúdica é algo muito mais comum do que se imagina e que suas reproduções não funcionam apenas para os pequenos, é possível desenvolver projetos incríveis, notáveis e capazes de conquistar o coração dos seus clientes.

Depois de conhecer a arquitetura lúdica, que tal saber tudo sobre a arquitetura oriental? Temos o conteúdo perfeito para você!

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *