Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Matérias

Arquitetura para refletir . . .

21/10/2010

Passeando pelo site do Isay Weinfeld, um dos mais conceituados arquitetos brasileiros da atualidade, encontramos além de seus projetos maravilhosos, textos muito bons. Não sabemos se foi ele ou algum de seus colegas de escritório quem escreveu, mas vamos compartilhar com vocês, um texto que mostra outra visão sobre o luxo. AQUILO QUE NOS DEIXA(…)

Passeando pelo site do Isay Weinfeld, um dos mais conceituados arquitetos brasileiros da atualidade, encontramos além de seus projetos maravilhosos, textos muito bons.

Não sabemos se foi ele ou algum de seus colegas de escritório quem escreveu, mas vamos compartilhar com vocês, um texto que mostra outra visão sobre o luxo.

AQUILO QUE NOS DEIXA FELIZES

Vogue | 2004

O luxo na arquitetura não é diferente do luxo na vida. Luxo é ter em sua casa aquilo que te deixa feliz.

Luxo são os espaços que te levam a respirar profundamente, a se espantar, a pensar, estranhar, se emocionar…

Pode-se tentar ser feliz com o mínimo, abolir os excessos, mas se para você o mínimo deve ser o máximo, pois que fique com muito. Luxo é não ter regras.

Luxo não é ter móveis “Bombé”, “Délavé” ou “Flambe”, mas pode eventualmente ser. Luxo é não ter vergonha de dizer que gosta quando gosta ou não sei quando não sabe. Luxo não é uma coleção de etiquetas de grife, mas tampouco é a camiseta branca básica. Luxo é poder misturar essas coisas naturalmente.

É não dever nada a ninguém.

O travesseiro pode ser feito de pluma de ganso ou de crina de cavalo. Luxo é poder deitar a cabeça nele, tranquilamente.

Para alguns, luxo pode ser comprar um bilhete de primeira classe. Para mim, é devorar um quarteirão com queijo no aeroporto antes de embarcar em vez de comer a horrorosa comida que é servida.

Luxo é poder mudar seus planos a qualquer momento.

É ser independente, avulso, livre. É dizer não, é dizer sim, é dizer talvez, sempre que se queira.

É poder ficar mais um pouco, se tiver vontade.

Luxo é sentar à beira da lareira num fim de tarde de inverno, usando um surrado cashmere, um par de meias escocesas meio furadas, um pequeno copo de botequim cheio de pinga, um cocker spaniel ao seu lado e um CD interminável da Blossom Dearie. Isso pode ser no interior da Inglaterra, mas com o passar do tempo e a chegada da maturidade, a gente percebe que também pode ser no interior de São Paulo.

Esta percepção é que é um luxo.

Não deixe de visitar o site e ver a super arquitetura de Isay Weinfeld e aproveite para ler os outros textos publicados.

LogoASSINATURAbranco Em sua reforma ou construção escolha um piso ou revestimento em porcelanato Portobello

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *