Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Matérias

Arquitetura Clássica de A a Z: nosso guia sobre o assunto

21/08/2019

Os princípios da arquitetura clássica, como a beleza, solidez e funcionalidade, são usados em obras e decorações até hoje. Conheça mais sobre ela e saiba como utilizar em seus projetos!

Esteja de férias pela Europa ou no dia a dia agitado dos grandes centros urbanos atuais, é possível que você passe por grandes exemplos da influência da arquitetura clássica no mundo moderno. Desde o formato das nossas ruas até o uso de materiais na construção civil (como o concreto ou mármore), muitos dos elementos que damos como normais hoje vieram desse estilo arquitetônico.

Isso mostra que a idade não faz com que uma ideia esteja ultrapassada e que você também pode aplicar os princípios da arquitetura clássica nos seus projetos, inclusive, oferecendo interpretações para os seus conceitos. Mas, para isso, é necessário conhecer o estilo de A a Z. Se é isso que você deseja, siga a leitura até o fim!

O que é a arquitetura clássica e de onde ela veio?

Segundo John Summerson, autor do livro A Linguagem Clássica da Arquitetura, o estilo clássico é aquele que busca dar uma harmonia de fácil compreensão entre as partes de um projeto. O escritor continua a explicação ao afirmar que, na arquitetura clássica, o equilíbrio e combinação entre os elementos são originadas por funções matemáticas (como a proporção áurea) e a simetria.

Essa essência da arquitetura clássica aparece pelo seu desenvolvimento, realizado no que convencionou-se chamar de Mundo Clássico: a Grécia Antiga e Roma. Inicialmente, os arquitetos gregos buscavam a perfeição harmônica em suas construções, usando da matemática para construir edifícios que expressassem a racionalidade da Humanidade, unindo estética, ciência, política, religião e todos os elementos da vida naquela época.

Posteriormente, os romanos pegaram o estilo grego e misturaram com a influência que receberam dos etruscos para formatar os principais elementos do que entendemos como arquitetura clássica.

Quais as principais características da arquitetura clássica?

Entender de onde veio o estilo clássico é apenas uma parte para usá-lo na prática. Outro requisito é compreender quais as suas principais características e para poder obter esse entendimento, precisamos dividir o classicismo entre seu período grego e romano. Confira!

Arquitetura grega

arquitetura clássica

Ruínas do Templo de Parthenon, na Grécia

A arquitetura grega se baseava, principalmente, pelo uso de cálculos e perspectiva para alcançar a simetria e harmonia perfeita nas obras, além de expressar grandeza e racionalidade.

Conceitualmente, os principais elementos eram:

  • o equilíbrio perfeito entre as formas de uma construção;
  • simetria e proporções rigorosas;
  • valorização da estética perfeita (belo);
  • exatidão milimétrica em cada elemento arquitetônico.

Já fisicamente, a arquitetura grega se caracterizou pelo uso de colunas e pórticos, além das formas geométricas básicas (como o retângulo, triângulo ou círculo) nas suas construções.

A arquitetura grega se baseava, principalmente, pela utilização de cálculos e perspectiva para alcançar a simetria e harmonia perfeita nas obras, além de expressar grandeza e racionalidade.

Em termos de materiais, os gregos costumavam usar o mármore como base de todas as suas criações, com utilização ocasional de tijolos, pedras e madeiras em determinados lugares.

Arquitetura romana

arquitetura clássica

Linda vista do pôr do sol no Coliseu na cidade de Roma, Itália

Já os romanos, por sua vez, pegaram os principais conceitos da arquitetura grega e misturaram com o que foi ensinado pelos etruscos (povo que vivia na região que hoje é reconhecida como a Toscana) para criar um estilo próprio.

A arquitetura romana mantém a obsessão matemática e simétrica com as construções que veio dos gregos, mas também se preocupa com a funcionalidade de cada edifício, além da sua resistência e amplitude.

Uma das principais características da arquitetura de Roma é o uso de abóbadas e arcos, que permitiram que eles usassem menos colunas do que os gregos e, portanto, ganhassem espaços internos mais amplos.

Já uma das inovações dos romanos foi o uso do concreto em suas construções, aumentando a solidez e durabilidade delas (tanto é que, até hoje, muitas ainda estão em bom estado de conservação). Ainda sobre os materiais, os romanos voltaram a usar o mármore, depois que caiu em desuso.

Fisicamente, as construções romanas se destacam por paredes largas com janelas estreitas, amplitude interna e a combinação de colunas e arcos para maior resistência estrutural.

As 5 ordens

arquitetura clássica

Templo de Poseidon (Mar Egeu)

É claro que nem todas as criações da arquitetura grega ou romana seguiam exatamente os mesmos elementos. Dentro desses estilos, existiam 5 principais correntes de pensamento (3 da Grécia e 2 de Roma) que diferenciam as obras com base na região em que eram feitas e pela formação das suas colunas. São as seguintes:

  • Dórica: é a ordem mais antiga e a coluna representa a estética da proporção do corpo masculino. É robusta (com oito módulos de altura) e com decoração simples, focando na funcionalidade;
  • Jônica: representando a proporção feminina, é uma coluna mais esbelta (nove módulos de altura), com base um pouco mais larga e decorada com linhas orgânicas no topo;
  • Coríntia: é uma variação da corrente Jônica, com coluna ainda mais esbelta (dez módulos de altura) e com grande foco na decoração da parte superior, normalmente com brotos ou folhas esculpidos tridimensionalmente;
  • Toscana: é uma reinterpretação da ordem Dórica feita pelos romanos. A coluna é ainda mais simplificada, normalmente lisa em seu corpo. Também é menor: somente sete módulos de altura;
  • Compósita: é uma junção dos estilos Jônico e Coríntio feita pelos romanos. De todas, é a ordem com coluna mais rebuscada, com volutas no topo, acompanhado de brotos e folhas esculpidos tridimensionalmente. Tem dez módulos de altura.

Resumo

Uma boa maneira de resumir as características da arquitetura clássica é recorrer às palavras de um dos seus maiores mestres: Vitrúvio. O arquiteto romano, que viveu entre 80 a.C. e 15 a.C., é o autor de De Architectura, o único texto teórico sobre o estilo clássico que foi produzido na época.

Vitrúvio resume a arquitetura clássica em três principais conceitos: utilitas (utilidade), venustas (beleza) e firmitas (solidez). Esses são conhecidos como os princípios vitruvianos e regem todas as construções da época.

Quais os principais exemplos e arquitetos desse estilo?

arquitetura clássica

Panteão (Roma)

Se você pensa em incorporar a arquitetura clássica em seus projetos atuais e busca referências em exemplos reais, nós separamos algumas das principais obras do estilo para você conhecer e se inspirar. Confira!

  • Partenon (Atenas);
  • Templo de Poseidon (Mar Egeu);
  • Teatro de Dionísio Eleutério (Atenas);
  • Teatro de Epidauro (com uma acústica perfeita e que é usado até hoje para apresentações);
  • Coliseu (Roma);
  • Panteão (Roma);
  • Aquedutos romanos.

Já se você busca pelo trabalho de grandes mestres da arquitetura clássica para estudar e se aprofundar no tema, confira os artistas abaixo.

  • Marcos Vitrúvio (o principal teórico cujo trabalho da época sobreviveu até hoje);
  • Calícrates e Ictinos (projetaram o Partenon);
  • Mnesicles (projetou o Erecteion);
  • Teodoro de Samos (inventou o nível de água, esquadro, cadeado);
  • Policleto, o Jovem (um dos principais nomes da ordem Coríntia).

Como deu para ver, a arquitetura clássica é uma das grandes criações da Humanidade. Não é à toa que ela influencia, até hoje, grandes obras arquitetônicas (como o Palácio Imperial, no Rio de Janeiro) e projetos de decoração de interiores.

Agora que você já sabe mais sobre a arquitetura clássica, que tal cadastrar seus futuros projetos influenciados pelo estilo no Archtrends? É fácil, gratuito e aumenta a exposição dos seus trabalhos!

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *