Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Arquitetura com opinião

Arquiteto abre seu refúgio no meio da natureza

26/12/2018

Dividir-se entre atendimento ao cliente, criação de projetos, especificação de produtos e acompanhamento de obras pode ser um tanto quanto exaustivo. O Archtrends foi até o Rio de Janeiro para conhecer o refúgio do carioca Bruno Madeira e conferir como ele aproveita o contato com a natureza para lidar com o agito do dia a dia.

Nem o pouco mais de mil quilômetros, que separam a nossa equipe do arquiteto Bruno Madeira foram suficientes para deixar de notar o bom humor e a simplicidade desse profissional. Desde o primeiro contato, via telefone, Madeira se mostrou bastante interessado em compartilhar o seu trabalho, mas especialmente, sua vida pessoal com o Archtrends. Dono de uma simpatia cativante, o arquiteto conta como suas escolhas pessoais influenciam na vida profissional. “Sou uma pessoa descontraída, autêntica, esportiva, mas acima de tudo, profissional. E confiante no que faço, pois minha profissão me levou a isto”, relata.

Madeira ressalta que o sucesso demanda esforço, dedicação e vontade em tempo integral. O dia a dia exaustivo se divide em projetos, especificações, reuniões com clientes, visitas a obras e colaboradores; e, segundo ele, exige muito amor e entrega de quem está realizando. Por isso, o arquiteto faz questão de enfatizar que para tudo dar certo, os momentos em contato com a natureza são essenciais para repor as energias.

Pensando nos momentos de lazer, há alguns anos Madeira apostou na construção da casa de campo em Visconde de Mauá, no estado do Rio de Janeiro. O refúgio para o arquiteto foi feito em um lugar que descobriu ainda na época da faculdade. “Íamos nos fins de semana para relaxar, fazer caminhadas e tomar banhos de rio. Anos mais tarde, tive a oportunidade de adquirir o terreno. Me apaixonei pelo lugar, senti uma energia muito boa, e estou nele até os dias de hoje”, explica com entusiasmo.

Visconde de Mauá, no Rio de Janeiro, chamou a atenção do arquiteto pela natureza exuberante

A simplicidade e a proximidade com o meio ambiente foram o carro chefe do projeto. A ‘casinha da roça’ – denominada carinhosamente por ele -, possui todo o clima de casa de montanha. Ela foi construída com mão de obra local e todos os materiais e mobiliário adquiridos em Mauá. As esquadrias foram de reaproveitamento de outras obras realizadas pelo profissional, que iriam ser desperdiçadas.

A proposta era criar um ambiente sustentável e ao mesmo tempo aconchegante. Por isso, todas as madeiras de sustentação da estrutura da varanda e dos telhados foram reutilizadas de obras feitas pelo escritório, inclusive, o pergolado da casa toda. As madeiras dos pisos dos quartos e da sala de televisão, também foram retiradas de obras de demolição e empregadas na residência.

A sustentabilidade foi o pré-requisito para a construção da casa de campo do arquiteto

O aconchego e paz da casa no meio da natureza

O pergolado com madeiras reaproveitadas é um dos cantinhos especiais da construção

A casa fica no alto do Vale, com vista para as montanhas e florestas. De quebra, o rio com águas cristalinas fica bem próximo. “Ali faço minhas meditações, minhas caminhadas, trilhas de moto e bicicleta. Além de tomar muitos banhos de rio, renovando todas as energias para voltar ao trabalho”. E completa: “Respiro, medito e principalmente, agradeço cada momento da vida por ter o privilégio de poder usufruir de um lugar tão mágico e paradisíaco como este”.

A Casa da Colina reúne tudo o que o arquiteto precisa. A simplicidade da casa de campo, aliada ao bem estar proporcionado pelo contato com a natureza

Com mais de 350 projetos residenciais, comerciais e de interiores no currículo, o arquiteto carioca ainda contabiliza mais duas participações na Casa Design (2014-2015).

Além disso, desenvolve trabalhos de viabilizações, programações visuais, mobiliários, cenografias e iluminação. Ele conta que desde pequeno frequentava os canteiros de obra acompanhado pelo pai, que nas suas palavras, tinha mania de construir. O dia a dia na construção civil, mesmo que na infância era apenas como diversão, mais tarde despertou o desejo pela profissão.

Inicialmente, Bruno Madeira concluiu o curso de Desenho Industrial. Mas, na época, o jovem almejava mais. Daí, a formação em Arquitetura e Urbanismo foi quase que automática. “A arquitetura como a decoração, estão totalmente ligadas na vida das pessoas de um modo geral. Um bom trabalho possibilita ao seu cliente um bem estar e uma harmonia para seu viver”, pontua.

Questionado por nossa equipe em relação a algum projeto que gostaria de dar destaque, faz questão de enfatizar que todos são merecedores de reconhecimento. Mas ressalta um trabalho desenvolvido para a rede Padaria Pão e Etc, em Niterói – RJ. Todas tem um clima de Bistrô Nova-iorquino, de onde veio a inspiração. No projeto, Bruno Madeira utilizou a versão Ibirapuera Mix (20X120) natural, no chão. E nas paredes, o modelo Indonesia Lava (30X60) natural bold. “Por serem linhas modernas, arrojadas e ao mesmo tempo, conseguir recriar um clima urbano chique e aconchegante. Tudo junto e misturado. Além, também das cores e texturas que as linhas escolhidas oferecem”, finaliza.

Os revestimentos proporcionaram um clima descontraído e moderno ao projeto (Foto: Antonio Schumacher)

O clima aconchegante ficou por conta do porcelanato que reproduz madeira (Foto: Antonio Schumacher)

Os revestimentos Portobello proporcionaram um clima urbano e ao mesmo tempo aconchegante ao projeto

E você? Como utiliza o tempo livre? Quais são seus hobbies e sua maneira de repor as energias? Conte pra gente.

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *