Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Matérias

Argamassa para porcelanato: conheça tipos e diferenças entre elas

13/07/2018

Necessárias em diferentes fases de uma obra, as argamassas devem ser escolhidas com cuidado. Há um produto específico para cada ambiente, solução ou tipo de superfície. Acompanhe este artigo para encontrar a opção certa e garantir a qualidade do projeto.

Indispensável em qualquer construção, a argamassa tem como função unir, nivelar e impermeabilizar materiais. É importante prestar atenção na especificação, pois cada produto é ideal para determinado ambiente e revestimento.

A argamassa está presente em praticamente todas as etapas da obra, desde a vedação até o assentamento de revestimentos e colocação dos acabamentos.

Existem quatro tipos de argamassas estruturais, com funções que variam de acordo com a aplicação. Você vai encontrá-las nas versões em pó (para diluir e misturar com água) ou em pasta pronta para uso.

Abaixo vamos facilitar a escolha correta do produto e mostrar como aplicar argamassa em porcelanato. Boa leitura!

Terracotta-D’Argento

Quatro tipos de argamassa

Argamassas são compostas basicamente de uma mistura de areia, água e cimento. No entanto, hoje em dia elas contêm retentores de água e polímeros de vários tipos — substâncias que servem para melhorar a aderência, proporcionar secagem rápida e dar maior flexibilidade, o que às vezes torna o produto mais caro.

A escolha correta da argamassa vai garantir o bom desempenho e a qualidade na construção ou reforma, além de contribuir para o aumento do tempo de vida útil do revestimento. Veja abaixo os quatro tipos e suas características:

Assentamento de blocos (vedação ou estrutural)

É a mais comum. Usada em serviços de alvenaria, serve para assentar tijolos e blocos.

Emboço

Utilizada para nivelamento das paredes e fachadas, é aplicada sobre a superfície já construída, como as paredes cruas, por exemplo. Nesse caso, tem o poder de proteger a estrutura e fazer com que fique nivelada.

Geralmente o processo é realizado em três etapas. O chapisco é considerado a base e impede que as próximas camadas se soltem.

A segunda parte é responsável por preencher os buracos e nivelamento. A terceira é o reboco, uma opção do projetista. Se ele não for feito, as paredes devem estar niveladas antes de receberem revestimento ou pintura.

Contrapiso

Argamassa utilizada sobre a laje para nivelamento do piso para receber o revestimento.

Assentamento de revestimentos

Também chamada argamassa colante, é usada para fazer a ligação entre contrapiso ou emboço e o revestimento cerâmico.

Classificação das argamassas

Antes de iniciar a construção ou reforma, você deve entender como as argamassas são classificadas conforme o local de uso. Veja mais detalhes a seguir.

AC-1

Indicada para ser aplicada apenas em cerâmicas, na área interna de projetos em casas ou apartamentos e em cômodos secos ou molhados. Não deve ser utilizada em superfícies de estufas e saunas.

Quando o tamanho for igual ou menor que 30×30cm, é orientada a aplicação de camada dupla, ou seja, na peça e na superfície trabalhada (piso/parede).

AC-2

Bastante aderente, é recomendada para ambientes internos e externos. Resiste às variações climáticas, como chuvas e vento. Pode ser utilizada em pisos e paredes e, em alguns casos, em fachadas.

Mas atenção: se você está utilizando porcelanato, observe se a argamassa escolhida é indicada para esse tipo de revestimento.

AC-3

Extremamente resistente. É indicada para piscinas, saunas e churrasqueiras por apresentar aderência superior. Pode ser aplicada em fachadas, já que nessas superfícies o perigo de as peças se soltarem é maior.

AC-3E

Essa argamassa é especial e indicada para ambientes que exigem maior atenção, como indústrias ou obras urbanas. O que muda de uma ACI para ACII e ACIII é a quantidade de polímeros inseridos, que garantem maior aderência e flexibilidade.

Não aplique a argamassa do tipo AC-1 em porcelanatos. Para que a AC-2 tenha bom desempenho nesse tipo de revestimento, o ideal é que a argamassa tenha aderência química para não provocar o descolamento das peças.

Em relação às cerâmicas, qualquer uma delas pode ser utilizada. O que acontece é que, em alguns casos, a argamassa vai custar mais caro que o revestimento.

 

Aplicação de argamassa em porcelanato

Certifique-se de que o ambiente está “curado” (pronto) há pelo menos 14 dias e de que a superfície está limpa, livre de resíduos como pó, óleo e tinta.

Outro cuidado deve estar relacionado ao acabamento do revestimento: se as peças apresentarem cores claras, o ideal é priorizar a argamassa para porcelanato branca.

Também é importante planejar a disposição das peças antes de iniciar a aplicação. Isso pode ser feito a partir do projeto de paginação, que determina a ordem de colocação das placas e o tipo de desenho que será formado na superfície trabalhada.

Depois de tudo limpo e organizado, o primeiro passo é preparar a argamassa seguindo as orientações do fabricante. Se optar por um produto em pó, faça a mistura em um recipiente de plástico e mexa devagar até obter uma massa pastosa.

Deixe o conteúdo descansar por 15 minutos e comece a aplicação. Use uma desempenadeira (lado denteado) para espalhar a argamassa na superfície escolhida, de modo a formar cordões. Em seguida, coloque as placas uma a uma, sempre seguindo a ordem das setas apresentadas no tardoz.

Faça a aplicação utilizando as mãos e realizando pressão (pode usar um martelo de borracha) até que cada peça esteja colada. Não se esqueça de posicionar os espaçadores em todos os lados da placa para evitar deslocamentos e garantir o assentamento perfeito.

Com um pano úmido, limpe os resíduos de argamassa que ficarem sobre os revestimentos. Depois, aguarde em torno de 72 horas para finalizar o processo com o rejuntamento.

cor do rejunte pode ser diferente ou semelhante à do piso, mas tenha em mente que tons escuros disfarçam melhor a sujeira.

O passo final é limpar os resquícios do produto utilizado no rejuntamento e esperar a secagem. Pisos em geral ficam prontos para receber tráfego após sete dias da aplicação do revestimento, portanto, é essencial respeitar esse período.

Argamassa em piso sobre piso

Uma técnica bastante utilizada em obras para modificação de ambientes é a aplicação de revestimentos sobre pisos mais velhos. A solução é interessante porque evita a necessidade de quebra-quebra e gera menos entulho durante a reforma.

Apesar das vantagens, transformar o chão de um ambiente sem remover a base antiga exige cuidados específicos para o preparo da superfície. Inclusive, já existe argamassa para porcelanato piso sobre piso, um produto desenvolvido especialmente para esse tipo de trabalho.

Antes de começar, é preciso considerar que o novo revestimento vai acompanhar o caimento da superfície existente e, por consequência da sobreposição, vai aumentar a altura (espessura) da base.

Aplicação

Analise o piso antigo: cerâmicas e outras peças soltas devem ser removidas e substituídas antes do processo para evitar retrabalho.

Em seguida, limpe a região para eliminar resquícios de poeira, tinta, óleo ou qualquer outro material que prejudique a aderência das novas placas.

Também é importante reparar defeitos e possíveis irregularidades, a fim de manter a superfície plana e ter sucesso na hora de assentar o revestimento. Tudo pronto, basta preparar a argamassa para porcelanato piso sobre piso até obter uma consistência homogênea.

A mistura deve ser aplicada na base antiga e também no verso das placas novas. Vá limpando as peças logo após fixá-las na superfície, pois assim você facilita a remoção do excesso de argamassa. Para rejuntar, pode utilizar produtos piso sobre piso branco (após 3h), piso sobre piso interno (após 72h) e piso sobre piso externo (após 24h).

Assentamento de grandes formatos

Tendências para decoração de paredes, pisos, mobiliário e fachadas, as peças de maxiformato proporcionam baixa manutenção e diminuem a percepção do rejunte entre placas. As dimensões dos modelos variam, chegando às surpreendentes medidas de 100×300cm.

Aplicação

O processo para instalar esse tipo de revestimento é praticamente o mesmo realizado no assentamento de peças menores. A diferença está na aplicação da argamassa colante, que deve preencher, além da superfície (piso ou parede), o tardoz da placa (parte de trás).

Essa técnica é conhecida como dupla colagem e garante que todo o espaço entre o substrato e o revestimento seja preenchido com argamassa. Ela deve ser adotada na instalação de qualquer modelo com dimensões iguais ou maiores que 30×30cm (900cm²).

Após aplicar a argamassa em porcelanatos de grandes formatos e na superfície a ser trabalhada, siga os mesmos passos da instalação tradicional: coloque as placas contra o piso ou parede fazendo pressão com as mãos ou martelo de borracha, sempre utilizando os niveladores para conferir a qualidade do acabamento.

Cabe destacar que existem modelos em grandes formatos com bordas retas (retificados). Essa característica permite que as placas sejam colocadas com até 1,5mm de distância umas das outras, o que reduz a quantidade de rejunte necessária durante a instalação.

Outra informação importante: para peças de maxiformato que serão colocadas em pisos, o produto mais indicado é a argamassa colante do tipo fluida — não é possível utilizá-la em paredes.

Reparos e cuidados necessários

Queda de peças, fissuras, infiltrações e buracos podem surgir em superfícies trabalhadas com argamassa. Elas costumam ser causadas por excesso de água na mistura do pó, erros na aplicação do revestimento, falhas no processo de cura, entre outros.

Na observação de qualquer problema que indique a deterioração do substrato e do próprio porcelanato, é importante realizar os devidos reparos. Descolamentos, por exemplo, só podem ser resolvidos com a troca completa dos revestimentos. Nesses casos, deve-se remover as placas e a camada velha de argamassa, raspar e limpar a superfície para, então, iniciar o assentamento do zero.

Se o descolamento for pontual, ou seja, apenas em uma pequena área do piso ou parede, é possível fazer a substituição apenas das peças que faltam. Para isso, prepare a base no local afetado e aplique as novas placas.

Cuidados preventivos

Áreas com tráfego intenso de pessoas e de máquinas tendem a sofrer mais com o desgaste, afinal, suportam diferentes impactos e cargas estáticas que danificam os revestimentos. Com o passar do tempo, o uso de produtos agressivos para a limpeza de pisos e paredes também prejudica o acabamento.

Nesses casos, é essencial a aplicação de argamassas resistentes à compressão, com boa flexibilidade e aderência elevada. O rejuntamento também deve ser trabalhado com produtos resistentes a deformações, água, substâncias químicas e cargas pontuais.

Por fim, nada melhor para prevenir problemas que fazer a escolha certa da argamassa em porcelanato. Então, considere as orientações do fabricante, invista em produtos adequados e utilize a melhor técnica para colher bons resultados.

Gostou do post e quer acompanhar nossas publicações em outros espaços? Nos acompanhe também nas redes sociais: PinterestTwitterFacebookLinkedInGoogle+ e Instagram!

5 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *