Menu
Projetos e Obras
Busca
O-Museu-Mais-Doce-do-Mundo-museu-temporário-que-ocupa-casa-nos-Jardins.-Foto-divulgação

Conteúdo Tendências

5 programas para fazer em São Paulo em julho

28/06/2019

Exposições, lojas e restaurantes que valem a visita de quem está no maior centro urbano do Brasil – incluindo locais instagramáveis para arrasar nas redes sociais.

1 Vaivém

Diferente das artes visuais, as exposições de design de mobiliário são menos comuns, mesmo em uma metrópole cultural como São Paulo. Por isso, quando ocorrem, nenhum profissional de arquitetura quer perder. Ainda mais se for organizada por uma instituição respeitada como o Centro Cultural Banco do Brasil, como é o caso de Vaivém, que trata da rede.

Duhigo Tukano, Rede do Nascimento Tukano. Obra da exposição Vaivém do CCBB. Foto Luiz Ribeiro

Duhigo Tukano, Rede do Nascimento Tukano. Obra da exposição Vaivém do CCBB. Foto Luiz Ribeiro

Símbolo da cultura indígena e da identidade brasileira, a rede é tema de mais de 300 obras da exposição, que vão dos séculos 16 a 21. Entre os cerca de 140 artistas, estão grandes nomes como Bispo do Rosário, Claudia Andujar, Ernesto Neto, Tarsila do Amaral e Tunga, além de 30 artistas contemporâneos indígenas, muitos com trabalhos criados especialmente para o projeto.

Vaivém investiga as origens da rede e suas representações iconográficas, desde símbolo e objeto onipresente da cultura dos povos originários do Brasil, até homenagem póstuma a Tunga, um dos mais importantes artistas contemporâneos brasileiros, que faleceu em 2016, autor da performance 100 Rede.

Tunga, 100 rede, 1997. A performance é relembrada na exposição Vaivém, no CCBB. Foto Wilton Montenegro

Tunga, 100 rede, 1997. A performance é relembrada na exposição Vaivém, no CCBB. Foto Wilton Montenegro

Quem não puder visitar a exposição em São Paulo, poderá conferir também nos CCBBs de Brasília (setembro), Rio de Janeiro (dezembro) e Belo Horizonte (março).

Serviço:

Período: 22 de maio a 29 de julho

Horários: quarta a segunda, das 9h às 21h

Localização: Rua Álvares Penteado, 112, Centro

Entrada gratuita

Dicas: essa região do centro tem muitas ruas exclusivas para pedestres, então metrô é uma boa opção. A estação São Bento, das linhas azul e amarela, é a mais próxima do CCBB. Para quem realmente quiser ir de carro, há estacionamento conveniado na Rua Santo Amaro, 272, por R$ 15, com translado gratuito até o CCBB.

O Museu Mais Doce do Mundo, museu temporário que ocupa casa nos Jardins. Foto divulgação

O Museu Mais Doce do Mundo, museu temporário que ocupa casa nos Jardins. Foto divulgação

2 O Museu Mais Doce do Mundo

Recentemente, se tornou uma preocupação dos profissionais de arquitetura criar ambientes instagramáveis, ou seja, bons cenários para fotos para o Instagram. Como o nome diz, no Museu Mais Doce do Mundo o mote é conhecer e degustar doces. Porém, a verdadeira vocação do museu é ser cenário para muitas fotos.

O projeto itinerante já rodou várias cidades do mundo, e agora foi montado em São Paulo. São 15 ambientes, todos em cor de rosa – o instagramável millennial pink –, com doces gigantes, num mundo de fantasia. Além de tirar muitas fotos, é possível “nadar” em uma piscina de marshmallows, entrar em um donut gigante e pular em uma grande batedeira. 

Serviço

Período: 20 de junho a 18 de agosto

Horários: terça a domingo, das 11h às 21h

Localização: Rua Colômbia, 157, Jardins

Entrada: R$ 60 inteira, R$ 30 meia

Dicas: o museu não conta com estacionamento ou serviço de manobrista. É uma boa ir de metrô, na estação Oscar Freire, da linha amarela, ou de uber.

Galeria Melissa por Houssein Jarouche. Foto divulgação

Galeria Melissa por Houssein Jarouche. Foto divulgação

3 Galeria Melissa

Muito antes do Instagram existir, a Galeria Melissa já era o local mais instagramável de São Paulo. Desde 2005, a flagship da rua Oscar Freire apresenta as últimas novidades da marca de calçados, em um espaço com fachada que recebe intervenções artísticas, numa espécie de galeria de arte. A fachada já foi assinada pelo estilista brasileiro Alexandre Herchcovitch, pela designer inglesa Vivienne Westwood e pela arquiteta iraniana Zaha Hadid.

Após 40 intervenções artísticas, a galeria passou por reforma de quatro meses, com projeto de Houssein Jarouche, nome por trás da loja de mobiliário Micasa. A nova Galeria Melissa é revestida com 20 mil tijolos de plástico reciclado dos calçados. Além da fachada, os tijolos revestem o interior da flagship. A inspiração foi o ambiente fabril da Melissa.

Serviço

Horário: segunda a sábado, a partir das 10h

Localização: Rua Oscar Freire, 827, Cerqueira Cesar

Dicas: a Oscar Freire é uma rua de comércio de luxo, principalmente de moda, como um shopping a céu aberto. É difícil estacionar ali. Recentemente, foi aberta a estação de metrô Oscar Freire, da linha amarela. Uber é outra opção.

oja Ê, no shopping Cidade Jardim. Foto Felco_divulgação Pistache Ganache

Loja Ê, no shopping Cidade Jardim. Foto Felco_divulgação Pistache Ganache

4 Loja Ê

Falando em locais instagramáveis, a Loja Ê é certamente um deles. Recém-inaugurada no shopping Cidade Jardim, a loja de moda feminina tem projeto do Atelier Pistache Ganache. Os arquitetos se inspiraram numa piscina abandonada, toda revestida de azulejos cor de rosa – mais uma vez o millennial pink. Cerca de 10% dos 10.345 azulejos foram garimpados em cemitérios de azulejos, dando o clima nostálgico.

As plantas que decoram o espaço também são reflexo do comportamento dos millennials, no conceito de urban jungle. E as próprias roupas comercializadas são pensadas para essa geração, com selos que informam se são sustentáveis, eco-friendly, feitas à mão ou se colaboram com ações sociais.

Serviço

Horário: segunda a sábado, das 10h às 22h; domingo, das 14h às 20h

Localização: Avenida Magalhães de Castro, 12000, Butantã

Dicas: o shopping Cidade Jardim tem fama de luxuoso e inacessível. Não é bem assim. Apesar da localização afastada, traz várias opções de lojas e restaurantes, além de lindo paisagismo interno e na cobertura. Vale o deslocamento para passear lá. 

Restaurante Tuju, duas estrelas Michelin. Foto divulgação

Restaurante Tuju, duas estrelas Michelin. Foto divulgação

5 Jantar estrelado

A gastronomia é um dos destaques da cidade de São Paulo. São vários os restaurantes de nível internacional. Recentemente saiu a nova lista Michelin, que avalia os melhores com uma, duas ou três estrelas. Temos dois restaurantes duas estrelas em São Paulo: DOM e Tuju. Ambos exigem investimento financeiro alto, mas proporcionam experiências gastronômicas únicas. Valem a pena comer neles pelo menos uma vez na vida.

O DOM é o principal restaurante do renomado chef Alex Atala. Foi pioneiro na valorização da gastronomia brasileira, difundindo pelo mundo ingredientes como açaí, jambu e tucupi. O ambiente é sofisticado, em endereço nobre nos Jardins.

Bem mais jovem e descolado é o Tuju, do chef Ivan Ralston. Na Vila Madalena, com arquitetura contemporânea e horta própria, traz uma cozinha criativa, com muita técnica e ingredientes locais.

Serviço

DOM

Horário: segunda a sexta, das 12h às 15h; segunda a quinta, das 19h às 23h; sexta e sábado, das 19h às 0h

Localização: Rua Barão de Capanema, 549, Jardins

Tuju

Horário: terça a sexta, das 19h30 às 23h; sábados e feriados, das 13h às 16h e das 19h30 às 23h

Localização: Rua Fradique Coutinho, 1248, Vila Madalena

Dicas: principalmente no jantar e aos finais de semana, reservar. Ambos contam com serviço de manobrista.

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *