Menu
Projetos e Obras
Busca

Conteúdo Colunistas

100 Lives depois: o que muda na casa?

24/06/2020

Da reconfiguração dos hábitos, passando pela nova ergonomia doméstica até as tecnologias revolucionárias – uma compilação futurologista sobre os possíveis rumos da arquitetura no mundo pós-pandemia.

Já faz alguns anos que Paulo Mendes da Rocha (cânone da Escola Paulista, uma das mais prolíficas do Brutalismo-Modernismo brasileiro, vencedor do prêmio Pritzker e do Leão de Ouro da Bienal de Veneza) nos contou em entrevista que “a arquitetura foi feita para amparar a imprevisibilidade da vida”. Aquilo jamais sairia das nossas cabeças. Mas foi durante a pandemia da Covid-19, situação mais imprevisível do século, que o mundo percebeu que ela, a arquitetura, é, de fato, uma das principais aliadas da própria ciência na preservação e evolução da espécie humana. Primeiro, pela sua condição elementar de abrigo diante da emergência sanitária que conduz ao isolamento, seja em casa, na organização das metrópoles, nos hospitais de referência ou nas unidades de campanha que precisaram brotar na velocidade da luz para contingenciar o eventual colapso do sistema público de saúde. Depois pela capacidade de compactar novas necessidades e anseios escoltados pelas paredes que chamamos de nossas – a segunda pele que habitamos e a que nos protege do resto do mundo durante “apocalipses” contemporâneos como o provocado pelo novo Coronavírus. Sob esse aspecto, na era em que fomos confrontados intensamente com nossas escolhas (ou melhor, oportunidades) de morar, o exercício crítico se fez mais presente do que nunca, quase como uma tormenta. 

Na ilustração acima, imaginada pelos Decornautas e desenhada por Indio San para o Artbook Decornautas Vol. 1, lançado em 2018, a dupla de jornalistas e diretores criativos projeta como poderia ser São Paulo daqui a 50 anos, reunindo obras arquitetônicas monumentais, plurais em estilo e marcantes para a história da cidade. Eles batem um papo exclusivo para falar sobre o futuro da casa pós-pandemia numa Live no Instagram da @portobello dia 24/6, às 17:00

A ressignificação dos hábitos indoor, uma nova relação com o sentido do tato, as ergonomias cotidianas revisadas e ampliadas, agora somadas ao home office e, em muitos casos, em áreas que precisam se metamorfosear para acomodar simultaneamente atividades como lazer, estudos, pequenas oficinas e zonas de convívio, continuam amplamente discutidas no universo digital – só nós, os Decornautas, realizamos mais de 100 lives nos últimos 90 dias. Essas conferências áudio-visuais se tornaram a febre durante a quarentena, em todas as áreas, incluindo o setor da construção civil. Particularmente, em nossos diálogos com grandes pranchetas brasileiras (de Marcio Kogan a Arthur Casas, de Sig Bergamin a Alex Hanazaki, de Ricardo Bello Dias a Guilherme Torres, de Patricia Anastassiadis a David Bastos, de Gustavo Penna a Débora Aguiar, de Osvaldo Tenório a Jader Almeida, de Jayme Bernardo a Leo Shehtman), lançamos questões como a (re)organização das metrópoles, sistemas de moradia popular mais dignos (não dá para falar em eficácia do isolamento social quando as condições de habitação e saneamento básico são excludentes e escancaram os hiatos sociais), a arquitetura enquanto instrumento de cura, mobilidade urbana, o despertar e a catálise de determinadas tecnologias e, claro, exercícios futurologistas de como nossos refúgios devem se adaptar diante dos novos hábitos comportamentais, códigos sociais, panoramas econômicos, modelos de consumo e outros etceteras. Ouvindo todas essas fontes, algumas mais otimistas, outras menos, amalgamadas por profissionais de diferentes estilos, escolas, campos de atuação e níveis de projeção, fizemos um ranking de possíveis (e imagináveis) conversões do “morar” daqui pra frente. Algumas inacreditavelmente já em execução, outras tantas, quase utópicas.

Faça suas apostas e acompanhe o bate-papo no IGTV @portobello com os Decornautas!

Decornautas

Jornalistas e diretores criativos que estão entre os mais respeitados do País, Allex Colontonio e André Rodrigues compõem, juntos, uma usina de conteúdo exclusivo em design, arquitetura, décor, arte e lifestyle. Entre 2016 e 2018, seu apartamento estampou a capa de importantes revistas mundiais, como a alemã AW Architektur & Wohnen e a americana Design View, além de ter sido publicado em veículos de enorme reverberação como Elle, Architectural Digest, jornais como O Globo e em programas de televisão. Acabam de lançar sua nova revista-artsy, a POP-SE, e o Art Book Decornautas.

Além das palestras sobre estilo e tendências, que prefere chamar de narrativas, o duo entrega projetos visuais que vão de peças gráficas (livros, revistas, fanzines, ensaios fotográficos, campanhas publicitárias) a ambientes (mostras, consultorias para marcas e profissionais de arquitetura), passando por espetáculos de enorme impacto midiático – Allex está produzindo no momento o novo DVD de uma grande estrela da MPB, por exemplo.

Aliás, ele, que em 2017 dirigiu a área cultural do Memorial da América Latina e desenhou o espetáculo de reabertura de seu legendário auditório considerado obra-prima de Oscar Niemeyer (o concerto Jazz & Divas), criou a revista Wish Casa após 10 anos como um dos cabeças da Casa Vogue. Reinseriu a revista Kaza no mapa com projeto editorial inovador e voltou a sacudir o circuito com a premiada revista GIZ. Também responde pelos livros de nomes incensados da arquitetura, que vão de Guilherme Torres a
Sig Bergamin, e cuida do branding da Artefacto.

Após colaborar com veículos como Vogue e Jornal do Brasil, André Rodrigues criou um dos mais expressivos sites de moda do País, o ffw. Também é co-idealizador da revista mag! e comandou as revistas Joyce Pascowitch, Modo de Vida e L'Officiel. No design, dirigiu KAZA e GIZ, e assina as revistas da Artefacto e o jornal-artsy da Micasa, o Manipresto, além de colaborar com publicações customizadas de marcas como Melissa. Junto com Allex, também responde por uma das contas de Instagram mais prestigiadas do segmento no País, com drops diários de estilo: @Decornautas

Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *